Skip to content

Category: EspiritualidadeConteúdo sindicalizado

A Missa do Padre Pio

[Nota de Dom Lourenço] Recebi esta entrevista do Padre Pio e não pude deixar de publicá-la, tamanha a grandeza do que ele viveu nessas missas que se tornaram famosas em todo o mundo. Que nossos fiéis e leitores amigos possam tirar dessas palavras um caminho para melhor assistir a sua missa. Queria acrescentar aqui um pequeno comentário: Onde fica, depois de se ler esta pungente entrevista, a missa alegrinha dos carismáticos? Que distância entre esta descrição de um verdadeiro Sacrifício realizado no altar, e os shows mundanos, sentimentais e mediáticos dessa nova religião de Vaticano II.

Comentário ao XIIIº Domingo depois de Pentecostes

Dez leprosos vêm diante de Nosso Senhor, e se mantendo a uma certa distância, lhe gritam: Mestre, ou Rabi Jesus, tenha piedade de nós.
Os leprosos são a imagem dos pecadores; quer dizer que eles são a nossa imagem. Eles vêm a Nosso Senhor. Somente Ele poderia curá-los; como somente Ele pode nos curar depois do pecado.
Eles se mantêm à distância, era uma lei dos judeus; os leprosos não podiam nem mesmo se aproximar dos outros homens, por causa do temor de se pegar a doença.
Isto nos ensina com que humildade é preciso se aproximar de Nosso Senhor, quando se quer lhe pedir o perdão dos pecados.
 
O que eles pediam a Nosso Senhor é também para nós um belo modelo de oração: – Jesus,  dizem, tenha piedade de nós.
Não precisamos dizer mais nada. O Senhor vê nosso mal, então que tenha piedade de nós e isto nos bastará. Depois o Senhor fará para nós, segundo a sua piedade, segundo o seu coração; nós não pedimos nada além disso.
Nosso Senhor entende esta forma de oração. Ponhamo-nos em sua presença e com uma humilde confissão de nossa lepra, isto é, de nossos pecados, digamos a Ele: Jesus, tende piedade de nós.

Um estudo sobre o monaquismo

I - A FISIONOMIA DO MONGE

 

1. Si vis perfectus esse...

 

Em Mateus (XIX, 16-22), lemos a primeira definição do monge: “E eis que alguém, abordando-o, disse: Mestre, que devo eu fazer de bom para ter a vida eterna? E ele lhe diz: Por que me interrogas sobre o que é bom? Um só é bom. Se queres entrar na vida, observa os mandamentos. E ele lhe diz: Quais? Jesus responde: São estes: não matarás, não cometerás adultério, não furtarás, não pronunciarás falso testemunho, honrarás pai e mãe, e amarás o próximo como a ti mesmo. Diz-lhe o moço: Observei-os todos, que me falta ainda? Jesus lhe diz: Se queres ser perfeito, vai, vende o que possuis, dá tudo aos pobres, e terás um tesouro nos céus: depois vem, e segue-me. Quando ouviu estas palavras, o moço afastou-se contristado porque era muito rico”.

 

Quando se pensa...

Julho 26, 2009 escrito por admin

Quando se pensa que nem a Santíssima Virgem pode fazer o que faz um sacerdote;
 
Quando se pensa que nem os anjos, nem os arcanjos, nem São Miguel, nem São Gabriel, nem São Rafael, nem um dos principais daqueles que venceram Lúcifer pode fazer o que faz um sacerdote;

Benefícios do jejum

Nestas passagens, tiradas de conferências espirituais inéditas, dadas na comunidade de monges beneditinos de Mesnil-Saint-Loup, o pe. Emmanuel ressalta com clareza, apoiando-se na liturgia, os numerosos benefícios do jejum.
 
Reproduzimos estes textos aqui pois a prática do jejum na Quaresma, apesar de não mais obrigatória (salvo na quarta-feira de cinzas e na sexta-feira santa), segue sempre recomendada, desde que a saúde o permita e que não impeça o cumprimento dos deveres de estado.
 
É isso que escrevia Mons. Lefebvre aos padres da Fraternidade São Pio X em 1980: «Aconselhamos vivamente que se encoraje os fiéis à observar a abstinência todas as sextas-feiras e à jejuar nas sextas-feiras da quaresma e mesmo, se puderem, estender o jejum e a abstinência a toda quaresma e às quatro Têmporas.»
 
Assim, pois, recomendados pelo pde. Emmanuel e por Mons. Lefebvre, em conformidade com a Igreja, jejuemos "pacificamente, docemente, alegremente".
 
Pe. Philippe François

Preceito e amor

 

O drama religioso de nosso tempo consistindo essencialmente numa infiltração vinda das correntes de anarquismo revolucionário, apresenta diversos aspectos de desordem entre os quais destacaria dois de incalculáveis conseqüências: 1°) negação do princípio de autoridade por aqueles que deveriam exercê-la para a proteção dos fiéis e salvação das almas: essa negação é feita em nome de uma falsa bondade como se viu no caso da Espanha, e em tantos outros; 2°) negação de obediência à santa doutrina e à tradição: essa recusa é praticada em nome de uma evolução e de reformas que pretendem transformar a Igreja Católica em “outra”. Nesta atmosfera poluída de erros, as mais extravagantes idéias surgem ou ressurgem nas mais variadas circunstâncias. Assim é que a contestação do preceito é feita em torno da missa dominical por um bispo, ou é retomada como “contrária” ao “puro amor de Deus” ou em nome da dignidade do homem.

O culto do Espírito Santo - capítulo II

Qual culto deve o mundo ao Espírito Santo? Como o Pai e o Filho, o Espírito Santo é Deus. Como o Pai e o Filho, tem direito ao culto de latria. O culto soberano é interior e exterior, público e privado. Todos estes aspectos, obrigatórios em relação ao Pai e ao Filho, se devem também guardar em relação ao Espírito Santo. Ousemos acrescentar que, em desagravo do longo esquecimento, cuja culpa recai na Europa moderna, e em razão da ameaçadora invasão do espírito do mal, a terceira pessoa da Santíssima Trindade há de ser atualmente objeto de culto preferencial, ardentíssimo como nenhum outro.

O culto do Espírito Santo - capítulo I

Corações ao alto: Sursum corda. Os sofrimentos do tempo presente nada são, se comparados à glória futura que se nos há de revelar. À consideração do fruto da vida eterna, caso ainda nos reste algum claro da luz verdadeira, algum sentimento de nobre ambição, diremos com o Apóstolo: Para ganhar o céu, de tudo fiz palha; candidatos à eternidade, imitemos o mercador de pérolas sobre que conta o Evangelho. Encontrara uma pérola que, por si só, era todo um tesouro. Em vez de gastar o tempo em perseguir, e o dinheiro em consumir outras pérolas, comprara aquela outra, vindo a ser o mais rico e feliz dos mercadores.

Reflexões sobre o Apocalipse

[N. da P.] O texto seguinte é um trecho de uma carta escrita por nosso amigo, o Pe. José Maria Mestre, ao Rafael Castela Santos, do inteligente Blog "A Casa de Sarto", onde foi originalmente publicada.
 
... Dou-lhe minha opinião. É a seguinte: de modo geral, penso que deveríamos descartar todo Milenarismo, quer material (condenado pela Igreja como herético) quer espiritual (que a Igreja não permite ensinar e, de todo modo, afirmou não se poder ensinar com segurança). É certo que o Padre Castellani, no que toca o Apocalipse, nos dá uma interpretação muito sólida, pois se baseia em tudo o que de claro disseram os Santos Padres, e gozou de uma singular penetração na compreensão dos acontecimentos modernos para a aplicação das profecias do Apocalipse. Parece-me que poucos autores se poderão consultar que sejam tão luminosos quanto ele. Mas, quando advoga em favor do Milenarismo, devemos tomá-lo com cuidado. E isso por quatro razões:

AdaptiveThemes