Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Category: Sobre Gustavo CorçãoConteúdo sindicalizado

Prefácio ao livro A Descoberta do Outro

Como já é do conhecimento de muitos acaba de ser reeditado o primeiro livro de Gustavo Corção - A Descoberta do Outro. Durante muitos anos várias editoras procuraram em vão os herdeiros de Corção para pedir autorização de publicar esta obra-prima do nosso fundador e mestre. Agora foi acordado à Vide Editorial. Mérito deles.

Não posso deixar de recomendar vivamente a leitura deste livro e a Editora Permanência não deixará de promover sua venda. Por outro lado, resta-nos uma ponta de tristeza pois, sendo os herdeiros espirituais do pensamento e do combate de Gustavo Corção, seria muito mais coerente e natural que nós pudéssemos difundir a obra de Gustavo Corção. Mas não nos foi acordada essa possibilidade. 

No intuito de aconselhar a leitura e de assinalar os aspectos mais importantes desse livro único no seu gênero, e para ajudar o leitor menos acostumado com as belas letras, escrevi o Prefácio que segue. 

Foi aos dezesseis anos que eu li pela primeira vez A Descoberta do Outro. Abri-o como quem abre um testamento, tão grande era a presença do autor em minha vida. Em casa o chamávamos Vovô Corção, pois de fato ele fora um pai para o meu próprio pai. O pensamento e a obra de Gustavo Corção tornaram-se como uma herança espiritual que recebi enquanto crescia, e que assumi na Permanência.

Ao longo desses 40 anos reli este livrinho dezenas de vezes, ora por gosto, ora por estudo. Em 1980, por exemplo, foi para ajudar na revisão da edição francesa, publicada em 1987. Mais recentemente, colaborei na preparação de uma matéria sobre Gustavo Corção, na Revista Conhecimento Prático de Literatura[1], e mais uma vez fui buscar o primeiro livro do grande escritor para ilustrar o artigo que escrevi para a ocasião.

(Clique aqui para continuar a leitura)

50 anos da Permanência

50 Anos da Permanência

​Dom Lourenço Fleichman OSB

No dia 29 de setembro de 2017 a Permanência completou 49 anos. Isso significa que já entramos no quinqüagésimo ano de existência, que se completará em 29 de setembro de 2018.

A inauguração da Permanência se realizou por uma missa celebrada pela então Arcebispo do Rio de Janeiro, o Cardeal Dom Jaime Câmara. Essa missa foi celebrada no auditório da primeira sede do nosso movimento, na rua das Laranjeiras.

Igualmente fora realizada uma cerimônia no auditório do Ministério da Educação e Cultura, na presença de muitas autoridades civis e religiosas, onde Gustavo Corção lançara o movimento católico, anunciando para setembro o primeiro número da Revista Permanência.

Eram outros tempos! Os jornais da época anunciaram o lançamento do movimento Permanência e de sua Revista com chamadas nas primeiras páginas. O catolicismo ainda fazia parte da civilização, mesmo sendo um aspecto apenas cultural da nossa Religião.

Seriam outros tempos? Nem tanto. O Concílio Vaticano II já tinha aberto as portas da Igreja ao mundo, abraçara-o e já se tornara cúmplice das suas liberdades, dos seus valores igualitários, da sua marcha para a socialização. O ciclope do fim do mundo já nascera e cuspia seu fogo que tudo destruiu.

Gustavo Corção, onde tudo é amor

Luiz Carlos Ramiro Junior

(Nota do Editor: o presente artigo foi originalmente publicado na série "Intelectuais brasileiros" da Biblioteca Nacional)

 

Foi Nelson Rodrigues quem disse, em “O Óbvio Ululante” (1968): “Tudo em Corção é amor”. Explicava o cronista que o modo como Corção batia forte nos assuntos nada mais era do que sempre amor, de um coração atormentado e puro de menino. Seus textos fazem prova disso. Como o relato autobiográfico de sua conversão religiosa, “A Descoberta do Outro” (1944), que se tornou um poderoso livro à conversão de quem o lê.

Polemista, radical, persistente e peculiarmente irreverente, Gustavo Corção é um dos mais profundos escritores brasileiros. Segundo Oswald de Andrade surgia como Machado de Assis enquanto nosso mestre no século XX, enquanto Manuel Bandeira o sugeriu ao Prêmio Nobel, depois de ter lido “O Desconcerto do Mundo” (1965).

Corção causava espécie, turvava a cabeça da intelectualidade. Pude apurar isso quando mexia nos arquivos de João Camilo de Oliveira Torres, no acervo da PUC-Minas. Nas cartas endereçadas ao discreto historiador mineiro algumas citavam os artigos e entreveros do escritor carioca, e era sempre um tom de espanto, como Washington Vita que chegou a perguntar, num ar de mistério: “como você definiria Gustavo Corção?

    Em uma palavra, católico. Nasceu em 17 de dezembro de 1876 no Rio de Janeiro, fez Engenharia na antiga Escola Politécnica, foi estudioso, inventor e professor na área da eletrônica aplicada às telecomunicações, astronomia de campo, radiocomunicações. Sobre isso já havia feito um bocado de coisas, mas fez um tanto mais na crônica jornalística e numa série de reflexões sobre o destino do mundo ocidental e da Igreja. Aliás, foi essa a sua sina, apaixonado pela teologia e pela cruz.

Corção escreveu textos marcantes de cunho religioso. Foi chestertoniano em Três alqueires e uma vaca de 1946, ao abordar o distributivismo à realidade brasileira. Num título bastante agostiniano, Dois Amores e Duas Cidades (1967) foi tomista, o sendo mais ainda em O Século do Nada (1973), talvez o livro o mais importante na sua crítica católica sobre a crise da filosofia ocidental e da Igreja.

Deixou apenas um romance, Lições do abismo, lançado em 1950, e que já naquela década ganhou diversas traduções e foi premiado pela UNESCO em 1966

Líder no Centro Dom Vital, até o rompimento com Alceu Amoroso Lima em 1963, Gustavo Corção fundou, em 29 de setembro de 1968, o movimento e a revista Permanência. Foi um evento importante, que teve lugar no auditório do Ministério da Educação, no Palácio Capanema. Não apenas a Permanência existe, quanto quase tudo o que Corção escreveu está acessível nos jornais arquivados na Hemeroteca Brasileira, em especial o que publicou na Tribuna da Imprensa, no Diário de Notícias, n’O Estado de São Paulo.

Por algum tempo proscrito do quadro cultural brasileiro, Corção tem sido republicado e relido. A Biblioteca Nacional é fonte privilegiada a qualquer pesquisa sobre o autor. Em 26 de outubro de 1992 a instituição recebeu da senhora Hebe Corção o acervo pessoal, com correspondências ativas e passivas, textos e recortes de periódicos de Gustavo Corção. O conteúdo encontra-se na seção de Manuscritos. Detalhes podem ser encontrados no Guia de coleções da Divisão de Manuscritos da Biblioteca Nacional (2018).

 

Abaixo algumas possibilidades de pesquisa à partir da obra de Gustavo Corção na Hemeroteca Digital Brasileira:

 

Contra a Novacap: Corção compreendeu um dos maiores desafios a qualquer comunhão política no Brasil: a demofobia, e esse havia sido seu diagnóstico a respeito da construção de Brasília, que foi sua batalha perdida. Deixou diversos artigos descrevendo o absurdo da Novacap, em frases bombásticas que circulavam em notas nos jornais:

"Eu não imagino como possa ser possível governar um país de costas para 90% da população e sem saber o que está acontecendo nos lugares onde ainda moram os desventurados habitantes que se deixaram ficar estupidamente no litoral, como caranguejos, em vez de optarem inteligentemente pelo deserto, como gafanhotos".

Tribuna da Imprensa, 28 de julho de 1959

http://memoria.bn.br/DocReader/154083_01/45164

 

Para Corção a construção de Brasília era uma verdadeira "Ideia de Faraó", título de artigo publicado no Diário de Notícias, 1 de maio de 1957: "Ouvi dizer, por pessoas muito bem informadas, que as primeiras construções de Brasília estão sendo feitas com areia e tijolos transportados por via aérea. E não admira. No regime em que tudo anda pelo ar, não admira que também as paredes das casas aproveitem nossa magnífica frota aérea. Antigamente, quando se desejava frisar a dificuldade extrema de algum feito, dizia-se que era mais fácil um burro voar. Hoje, graças ao progresso do Brasil, voam os burros e os tijolos".

http://memoria.bn.br/DocReader/093718_03/60181

 

Sobre a ideia mirabolante de Brasília

http://memoria.bn.br/DocReader/154083_01/34874

 

Dinheiro enterrado em Brasília pagaria obras no Rio e sobrariam mais de três bilhões, Gustavo Corção explicou na Tribuna da Imprensa em 2 de outubro de 1958:

http://memoria.bn.br/DocReader/154083_01/42772

 

Contra o imobilismo: o reacionarismo de Corção não significava um imobilismo quanto as mudanças. Vivia impaciente com certos entraves brasileiros. Em artigo de 04 de abril de 1956 no Diário de Notícias, escreveu "Nada Acontece": "Todo o mundo no Brasil se queixa da inconsequência dos fatos. Denuncia-se o ladrão, aponta-se o prevaricador, prova-se o crime - e nada acontece. Nada acontece no Brasil, a não ser nas colunas sociais. Ninguém é punido, a não ser o batedor de carteiras que também é habilidoso, mas não tem um mandato que faça da sua habilidade uma virtude suprema".

http://memoria.bn.br/DocReader/093718_03/59360

 

Analista político: artigo “Um homem político”

http://memoria.bn.br/DocReader/093718_03/5369

 

Com se via e como foi visto: entrevista na Revista O Cruzeiro de 1967 - O segredo da vida:

http://memoria.bn.br/DocReader/003581/165723

 

Raquel de Queiroz homenageia o 70º  aniversário de Corção, na revista O Cruzeiro, janeiro de 1967:

http://memoria.bn.br/DocReader/003581/160237

 

Joaquim de Sales escreveu sobre Corção: “Para a Glória do Brasil”:

http://memoria.bn.br/DocReader/093092_03/15143

 

Reportagem de Luiz Santa Cruz, "Corção e Chresterton", no Diário de notícias de 10 de novembro de 1946:

http://memoria.bn.br/DocReader/093718_02/30487

 

Em 17 de dezembro de 1958, nota do Jornal do Brasil sobre o sucesso dos livros de Corção no exterior:

http://memoria.bn.br/DocReader/030015_07/96691

 

Em 1963 quatro nomes circularam como possíveis indicados ao Nobel de Literatura: Jorge Amado, Gustavo Corção, Guimarães Rosa e Gilberto Freyre

http://memoria.bn.br/DocReader/030015_08/63502

 

Um autor maldito nas páginas do Pasquim, segundo Millôr Fernandes:

http://memoria.bn.br/DocReader/124745/737

 

A influência de Corção sobre Carlos Lacerda: reportagem da Revista Manchete:

http://memoria.bn.br/DocReader/004120/290192

Jean Madiran (1920 - 2013)

Dom Lourenço Fleichman OSB

Faleceu neste dia 31 de julho, aos 93 anos, Jean Madiran, o famoso diretor da Revue Itinéraires, revista fundada por ele em 1956, e que congregou a nata do pensamento católico francês na 2ª metade do século XX. Dono de um pensamento lógico imbatível, tornou-se temido por seus adversários, sobretudo no campo da política francesa e no combate ao progressismo católico.  CONTINUE LENDO

Falsas Lições sobre Gustavo Corção

 Dom Lourenço Fleichman OSB

 

Quando escrevi o prefácio ao livro O Pensamento de Dom Antônio de Castro Mayer, procurei denunciar a falsificação que seus sucessores e seus padres realizavam ao esconder e abandonar toda referência aos textos do grande bispo, com data a partir da década de 1970. Nesta época tornaram-se mais claras as causas dramáticas da crise da Igreja e por todo o mundo apareceram críticas mais severas ao Concílio Vaticano II e sua obra. LEIA A CONTINUAÇÃO
 

A Espiritualidade dos movimentos católicos

SOBRE A ESPIRITUALIDADE DOS MOVIMENTOS CATÓLICOS

Dom Lourenço Fleichman OSB

Passei estes dias a reler coisas antigas, movido pela perplexidade diante da nossa condição humana. Não falo da conjuntura política, que já ultrapassou todos os limites da razão; não falo da economia nem da insegurança nacional.

Tenho pensado mais, nestes últimos dias, nos nossos movimentos católicos de defesa de uma civilização que já não existe mais, de defesa da Tradição.

Neste curto texto já amarelado pelo tempo, apesar do tempo e do amarelo do papel, brilha aquilo que até hoje 

Entrevista com Julio Fleichman

 A CRISE É DE FÉ

Alguns anos antes de falecer, após 35 anos de militância como presidente da Permanência, Júlio Fleichman narrou sua trajetória ao lado de Gustavo Corção — o mais firme de nossos polemistas católicos — os eventos decisivos na formação de seu posicionamento diante desta terrível crise de nosso tempo, e de seu combate aos inimigos da Igreja.

 

Hoje, os membros de Permanência e os novos católicos que vão se convertendo à defesa da Tradição, reúnem-se na Capela S. Miguel Arcanjo, às sextas e domingos, no Cosme Velho, para assistir a "Missa de sempre" — a Missa Tridentina, celebrada por D. Lourenço Fleichman, OSB — e prosseguir no combate.

  

Como foi o seu encontro com Gustavo Corção? Como o senhor chegou a conhecê-lo?
LEIA A CONTINUAÇÃO

Gustavo Corção e Eu

Desde que eu soube que Gustavo Corção ia completar 75 anos, comecei a querer escrever algumas palavras em que lhe demonstrasse mais do que minha admiração — o meu afeto e a gratidão que sinto

AdaptiveThemes