Skip to content

Category: 1968Conteúdo sindicalizado

50 anos da Permanência

50 Anos da Permanência

​Dom Lourenço Fleichman OSB

No dia 29 de setembro de 2017 a Permanência completou 49 anos. Isso significa que já entramos no quinqüagésimo ano de existência, que se completará em 29 de setembro de 2018.

A inauguração da Permanência se realizou por uma missa celebrada pela então Arcebispo do Rio de Janeiro, o Cardeal Dom Jaime Câmara. Essa missa foi celebrada no auditório da primeira sede do nosso movimento, na rua das Laranjeiras.

Igualmente fora realizada uma cerimônia no auditório do Ministério da Educação e Cultura, na presença de muitas autoridades civis e religiosas, onde Gustavo Corção lançara o movimento católico, anunciando para setembro o primeiro número da Revista Permanência.

Eram outros tempos! Os jornais da época anunciaram o lançamento do movimento Permanência e de sua Revista com chamadas nas primeiras páginas. O catolicismo ainda fazia parte da civilização, mesmo sendo um aspecto apenas cultural da nossa Religião.

Seriam outros tempos? Nem tanto. O Concílio Vaticano II já tinha aberto as portas da Igreja ao mundo, abraçara-o e já se tornara cúmplice das suas liberdades, dos seus valores igualitários, da sua marcha para a socialização. O ciclope do fim do mundo já nascera e cuspia seu fogo que tudo destruiu.

Os intelectuais, jornalistas, empresários, políticos, já olhavam para um pensador como Gustavo Corção com o desprezo arrogante do coração, e a hipocrisia adocicada das belas palavras. Toleravam-no e o temiam. Toleravam-no porque não tinham ainda noção da imensidade da destruição operada pelo Concílio. Se soubessem o quanto o catolicismo estava aplastado no chão por obra dos papas e bispos do Concílio, agiriam mais depressa para se livrar dele. Mas temiam-no, porque sabiam que o fio da sua espada era ainda cortante e vencedor.

Permanência nasceu com a espada na mão. Não veio para pactuar com o progressismo, não veio para diminuir a força do sal, não veio para confundir o respeito às autoridades com o descalabro da traição dos papas e bispos que desfiguraram a Esposa de Cristo, a ponto de perderem a sua identidade católica. Veio, ao contrário, para levantar o Estandarte largado, rasgado, caído. E levantou com galhardia e honra a verdade perene, a fé invencível, e a beleza do espírito que oferece a Deus e à sua Igreja o mais belo espetáculo criado por mão de homem. 

​A inteligência do homem não pode contentar-se com a mediocridade. Ela é uma faculdade que busca com todas as luzes e capacidades do espírito a verdade de Deus, da Criação, das coisas, de si mesmo, do próximo. Só na verdade a inteligência encontra a paz e o repouso. O pior do progressismo, do liberalismo, do socialismo, é que são movimentos burros, estúpidos, que diminuíram e rebaixaram o homem a ser apenas um repetidor boçal. Desde que a criança nasce, sua inteligência é aniquilada pelo bombardeio dos elétrons das luzes dos monitores; pela passividade do conhecimento que se acostuma rapidamente a não pensar, a não precisar mais pensar, porque o desenho animado pensa por ela. Depois virão os joguinhos no celular, o tablet, as redes sociais. 

​Enquanto isso a mídia, os intelectuais as escolas e os pais abobalhados se espantam porque a criança consegue usar o mouse​ como gente grande... e dizem que o filho é muito "inteligente". 

​O espírito do homem não vive apenas da verdade. Esta é uma luz no conhecimento, mas conduz o homem a querer com todas as forças o bem que a verdade apresentou. Move-se o homem em busca do bem. Dos bens terrenos logo está enjoado; dos bens do espírito a vontade do homem nunca se sente saciada. Mas a sociedade atual também aniquila o homem na sua vontade, falsifica o objeto do seu amor, desvia o caminho. Não, não busque os bens celestiais – nos diz o mundo – pois são duros e sem gosto para os sentidos do corpo. Busque o que lhe dá prazer, o que excita o corpo, o que vem de sua decisão e escolha. Apenas, cuidado! obedeça às leis do Congresso Nacional, o Olimpo dessa democrática mitologia, que lhe dará tudo do que necissita.

​A Permanência foi fundada para oferecer aos católicos a restauração da sua inteligência e da sua vontade. Não aceitando as enganações do mundo anti-católico, ela ilumina a doutrina de sempre, o dogma da fé, a verdade histórica e a verdade científica produzindo no espírito do homem a admiração própria de quem está na luz e vê. Por outro lado, longe de oferecer aos homens o fugitivo prazer do corpo, ou os amores sentimentais que temos em comum com os animais, procuramos por em evidência o verdadeiro amor que procede da verdade, e que nos faz contemplar a Deus em si mesmo, na Criação e na sua presença fortíssima pela graça que nos dá a vida sobrenatural.

​Há 50 anos procuramos dar aos nossos sócios e leitores essa seiva de conhecimento na fé, e de amor na Caridade que nos preparam para a mais bela visão, para o mais profundo amor, que só encontraremos em Nosso Senhor Jesus Cristo.

 

 

AdaptiveThemes