Skip to content

Sobre Gustavo Corção:

Dom Lourenço Fleichman, OSB
Nelson Rodrigues
Ariano Suassuna
Manuel Bandeira
Dom Lourenço Fleichman, OSB
Dom Lourenço Fleichman, OSB
Dom Lourenço Fleichman, OSB

Já está à venda:

Testemunho

Júlio Fleichman

 

Não me foi possível escrever o Editorial deste número limitando-me a dizer alguma coisa a respeito de Gustavo Corção somente na perspectiva da nossa PERMANÊNCIA. Com uma vida de tal modo entrelaçada com a dele mais do que uma honra, uma graça recebida com plena consciência disso não poderia deixar de incluir neste número especial a ele dedicado, alguma coisa em meu nome a respeito do grande paladino da Igreja, instrumento de Deus, amigo e pai.

Muitos já falaram do escritor, do estilista, do combatente, tanto amigos como inimigos inclusive o que talvez seja o pior inimigos que minimizam o valor daquilo que fundamentalmente os separava. Raros dizem de Gustavo Corção alguma coisa sem se lembrarem de São Paulo e de suas palavras, “bonum certamen certavi...”. Todos associam a nobreza clássica de seu estilo a Machado de Assis. Uns lembram com razão a espantosa convergência, na mesma pessoa, de um raro e penetrante espírito científico e um ainda mais raro dom de verdadeiro poeta. Os amigos, estes sabem o quanto a fina sensibilidade de Gustavo Corção fazia-o notar delicadas nuances na complexa trama de relacionamentos pessoais. Direi eu também, espero, alguma coisa disso. Finalmente, alguns provaram a ponta de sua espada e dentre estes, houve quem dissesse dele: “um homem mau”.

Do ponto de vista que mais me impressionou quando, já há muito seu companheiro de trabalho, tomei consciência disso, gostaria de submeter à atenção de quem, por acaso, leia este artigo, que se dê conta da linhagem espiritual a que pertence Gustavo Corção, linhagem que atesta a presença de Deus ao longo da história, digamos, espiritual do Brasil. Este pobre grande povo que ainda é, em sua simplicidade fiel, mantém a seu modo uma fundamental atitude de piedade religiosa que as organizações episcopais se esforçam por erradicar ou transformar em algo parecido com as reivindicações sindicais. Nunca nos faltou algum representante dessa raça de soldado católico cuja fundamental característica é uma decidida atitude de servidor da Verdade e cuja qualidade fundamental é a força com que Deus o dotou, instrumento adequado para combater em favor desta Dama. Se o Brasil tem em seu passado grandes vultos de homens religiosos ligados, de algum modo, à Igreja e à fé bispos, pregadores, escritores, músicos não é nesses e sim em uma especial dinastia de combatentes católicos dotados de fina acuidade que me parece haver antepassados espirituais e antecedentes históricos de uma influência do gênero da que exerceu Gustavo Corção.

Penso, em um Visconde de Cairú e sua atuação na Assembléia de 1823. Lembro-me da agradável surpresa com que ouvi, em conferência pronunciada por notável historiador, como se distinguiu e como se elevou acima das posições pouco inteligentes dos liberais tipo “Andradas”  e dos conservadores tio “catolicões”, o bom senso e a energia de Cairú. Esta surpresa foi tanto mais agradável quanto mais pude notar que o próprio conferencista, liberal de esquerda, ficou irritado ao descobrir que havia, involuntariamente e pela própria lógica de sua exposição, assinalado como um homem superior aquele que, para seu horror, defendia na Constituinte por exemplo, que só católicos podiam ter a liberdade de culto público segundo a tradicional e imutável posição da Igreja.

Não nos faltou, ao Brasil, um Carlos de Laet e sua alegre esgrima de bom polemista e sua bela linguagem de grande escritor.

Tivemos Jackson de Figueiredo cuja influência pessoal marcante se impôs a católicos mais ou menos medíocres (embora em posições destacadas). Arregimentando-os, conseguiu deles que fizessem obra digna de atenção e apreço, enquanto Jackson viveu.

E tivemos Gustavo Corção, o maior de todos, cujo valor intelectual, sensibilidade de artista, pena de grande escritor, penetração aguda e familiaridade pessoal com a ciência, reuniam em uma só e grande figura tantas notáveis qualidades a serviço da fé, do combate pela causa da Igreja, do serviço do Cristo Jesus.

* * *

Dos testemunhos que ouvimos nos dias de sua morte, há dois que incluo aqui porque são importantes e porque talvez se percam se o não fizer. De um padre ouvimos, vários dos seus amigos, que ao receber pela primeira vez Gustavo Corção que vinha se confessar, sentou-se no confessionário impressionado com aquele “gigante”, segundo suas palavras, que vinha ajoelhar-se ao seu lado “Ouvi, em seguida, uma confissão de criancinha”, disse-nos ele. E de outro padre, este falando do púlpito, em missa por sua memória, ouvimos que atender a Gustavo Corção que se confessava, fizera-o sentir uma grande vontade de ser melhor, de ser mais padre.

Os novos amigos com quem convivemos hoje e aqueles que de nós se afastaram talvez não saibam, ou se tenham esquecido, que por volta de 1949, 1950, um curioso fenômeno ocorreu. Vindos das mais diversas origens, ricos uns, pobres outros; uns, católicos toda a vida, outros, recém-convertidos e entre estes, um pobre judeu ainda tateando no meio de sua confusões; uns mais moços, outros já maduros; casados ou solteiros, em suma, cerca de quinze ou vinte pessoas se congregaram em torno das aulas de Gustavo Corção no antigo Centro Dom Vital. Com os anos, outros apareceram e se juntaram a nós, enquanto que, por sua vez, alguns se separavam, quer por simples razão de circunstâncias, quer por divergências que os levaram a caminhos diferentes.

Muitas vezes conversamos entre nós, conscientes de que estávamos recebendo grandes graças na convergência que nos unia em torno dele por causa da beleza da obra de Deus e de sua doutrina que nos ia sendo desvendada ao longo do itinerário que seguíamos com ele, como se fossemos peregrinos de Emaús. Muitas vezes nos perguntávamos, um pouco inquietos, o que seria que Deus esperava de nós pois era quase evidente que Sua mão nos havia trazido e Sua voz nos formava através de Gustavo Corção. Inquietava-nos a consciência de que nenhum de nós parecia dotado de qualidades que fizessem esperar um continuador à altura de Gustavo Corção. Lembro-me do alvoroço com que recebemos um dos novos membros do Centro Dom Vital cuja graça no escrever, cuja cultura e afinidade com nosso pensamento por um instante deu-nos a esperança de havermos encontrado um possível discípulo para o nosso mestre. Mas a bela esperança desvaneceu-se e nosso amigo, depois de combater algum tempo a nosso lado, esgrimindo muito bem contra os “estudantes” do “Metropolitano” órgão esquerdista da época ocupou-se com outras coisas e se esqueceu, parece, não apenas de nós mas da necessidade de atender a um combate mais alto.

Hoje sabemos, creio eu, para que o Senhor nos chamou e para que tão longamente, por quase 30 anos, preparou-nos com tal mestre. Preparou-nos como Ele mesmo se preparou no Horto das Oliveiras para a Sua hora. Guardadas todas as proporções e feitas todas as distinções, o Senhor Jesus preparou-nos para a Paixão da Igreja e o fez do mesmo modo pelo qual Ele próprio se preparou para a Sua Paixão. Assim como, pelo suor de sangue abriu os poros e exasperou a sensibilidade da pele para ser pouco depois flagelado, assim preparou nossa alma e nossos corações através de um mestre excepcional que pôde, com fino discernimento e admiração, transmitir a seus alunos a grandeza e a beleza, a majestade e a bondade e as exigências da Verdade subsistente. Lembro-me bem das suas aulas e das vezes em que nós percebíamos no orador, que se esquecia por um momento dos alunos, brilharem-lhe os olhos, exprimir no rosto o deslumbramento e o amor que as coisas de que falava despertavam dentro dele. Foi assim que fomos preparados. Seus ensinamentos e exemplos e conselhos, ao mesmo tempo retificavam muitas deformações que o século, a escola, o jornal haviam introduzido em nossa inteligência e em nossa sensibilidade e, nas nossas almas debruçadas derramava os dons que recebera da Igreja, dos grandes santos doutores, pregadores, confessores e mártires. Foi assim que fomos preparados para que a Paixão da Igreja nesta hora de trevas não fosse recebida apenas por pessoas indiferentes ou meio-adormecidas que se ponham a diminuir a gravidade imensa da tragédia que se desenrola sob seus olhos. Para tão terrível espetáculo e para tão dramático flagelo em que vemos não só bispos e padres quase todos e em quase todos os lugares mas até as próprias autoridades do Vaticano, o próprio Papa falarem linguagem diferente daquela que a Igreja usou durante 20 séculos e evidentemente porem a perder tantas almas, para isso, era preciso, é imprescindível que uma espécie diferente de martírio abrasasse almas preparadas para este convite: seguir o Senhor Jesus nesta especial seqüela de sofrimentos, carregar esta especial forma de Cruz. Nós fomos especialmente preparados, para sofrer intensamente o sofrimento da Igreja sem que o soubéssemos então. Agora, sim, sabemos e quem no-lo ensinou e quem mostrou-nos uma dimensão inesperada e uma grandeza da qual não somos dignos da graça magnífica que recebemos, foram os próprios autores deste flagelo, não nós. Fomos preparados com a grandeza e a beleza das coisas de Deus para que nos ferisse profundamente, sim, para que se cravassem doloridamente em nossos corações os espinhos dessa coroa que voltam a colocar sobre a cabeça do Senhor. Espancam-nos no rosto, os Cardeais e bispos que se atrevem a dizer o que gritam sobre os telhados. Somos traídos e abandonados com o que nos vem de Roma.

E fomos também preparados longamente, com a voz da Mãe e Mestra, com o que nos prega e dá há mais de 20 séculos para que nessa hora pudéssemos resistir e procurar socorrer nossos irmãos. Fomos preparados assim para o combate que Gustavo Corção combateu.

Hoje, bem o sabemos, bem o sentimos, estamos prontos. Sobretudo sabemos chegou a nossa hora porque morreu Gustavo Corção deixando-nos na primeira linha de combate sem suas qualidades e sem os recursos que ele dispunha. Mas sabemos que nossa hora chegou e que agora devemos pedir o socorro de Deus, a intercessão de Nossa Senhora, de São Miguel, São José e dos outros nossos santos, as orações de Gustavo Corção, Alfredo Lage, Fernando Carneiro, Fábio Alves Ribeiro, e de tantos outros companheiros não mais apenas para que continue a ser bem feita a formação dos que ficaram mas para que seja bem recebida e fecunda em nós a obra que a graça de Deus empreende conosco sem o auxílio direto e presente, na Terra, dos nossos predecessores. Suplicamos, supliquemos que nosso coração não desfaleça e que a evidente inutilidade dos servidores que sobraram, a inevitável obscuridade de todo o nosso trabalho, não abata o nosso ânimo e não nos faça pesado o coração.

* * *

Não queria terminar este artigo sem algumas referências pessoais que me parecem devidas.

Grande escritor, feroz polemista, ardente pregador Gustavo Corção não deixava, de notar, como disse no princípio, aspectos de fina sensibilidade no seu relacionamento com os demais, aspectos que se imaginaria não terem sido percebidos. Ele podia sentir no obscuro ouvinte de uma aula, dos mais distantes de sua convivência pessoal, algo que lhe inspirasse uma espécie de inclinação piedosa. Muitas vezes se dava ao trabalho de telefonar para os amigos, tomar a iniciativa de manifestar-lhes uma amizade e um interesse de uma forma, com um calor que surpreendiam. Houve tempo em que, sem recursos, amigos pobres eram buscados em suas casas e levados por Corção em seu carro para a casa dele onde o gosto comum pela música proporcionava-lhes freqüentes audições de Bach ou Mozart em magnífica instalação sonora que o técnico e inventor Gustavo Corção se esmerara em montar. Numa dessas vezes, vindo buscar-nos, a mim e a minha mulher, esta lhe disse, já no meio do caminho: “Hoje, Dr. Corção, creio que vou ouvir uma música diferente na Maternidade”. Fomos diretamente para a Casa de Saúde São José onde ficamos os dois andando, Dr. Corção e eu, pelos corredores, noite a dentro, até que soubemos que havia nascido meu filho Gustavo, seu afilhado, para o qual o padrinho escreveu uma bela carta, “Os Seis Gustavos”, e a dedicatória que junto a esta publicação. 1

Este combatente jamais deixou de surpreender aqueles que só o conheciam de leitura, quando seu belo sorriso desarmava as apreensões; seu ânimo vivaz surpreendia pelo vivo interesse por tantas coisas, mesmo no meio de aflições e doenças; seu valor, reconhecido por amigos e inimigos, poderia tê-lo levado a um fútil desvanecimento, mas, ao contrário, mostrou-me, a mim, muitas vezes, sua capacidade de se inclinar para quem não tinha paridade com ele e para quem estava longe de sua altura. E inclinando-se assim, imitaria talvez a inclinação chamada Misericórdia cuja definição, segundo os teólogos consiste precisamente no ato de amor incompreensível pelo qual o Superior se inclina para o inferior, o Perfeito, para o imperfeito.

Para quem o acompanhou por tantos anos como discípulo e auxiliar preciso dizer, com toda a força de minha própria severidade, que nunca o vi desmerecer minha exigente admiração. Não quero dizer que não tivesse defeitos. Tinha-os, conheci-os, por experiência própria e por experiência alheia. Mas vi Gustavo Corção enfrentando situações difíceis, tanto com relação ao risco de vida que correu mais de uma vez quanto com relação a momentos da vida que um homem maduro sabe que em geral constrange as pessoas comuns quase inevitavelmente. Por exemplo, fui testemunha de uma difícil entrevista com o Cardeal D. Jaime em que este, cercado por todas as manifestações de respeito e submissão que, como leigos, então prestamos a um verdadeiro Cardeal, dizia ao Prof. Corção, ao Prof. Gladstone Chaves de Melo e a mim: “Sei que os senhores devem ter motivos de queixa porque eu não levei adiante o projeto que lhes havia dito ser minha intenção promover”. Qualquer pessoa na posição de Gustavo Corção, com seu renome e sua responsabilidade, teria dito uma dessas frases de conveniência que tais situações sugerem ainda mais naquela época em que, parece, só assim se falava a Cardeais. Mas o Dr. Corção respondeu: “Senhor Cardeal, não creio que o Sr. preferisse que nós começássemos esta entrevista mentindo. Por isso vejo-me forçado a lhe confessar que, efetivamente, o senhor nos deixou desapontados”. Como poderia eu impedir que crescesse minha admiração? 

(Revista Permanência, N° 116 a 119, Ano XI)

 

  1. 1. [N. da P.] Eis a tocante dedicatória a que alude Júlio Fleichman: “Meu querido afilhado, Seus pais escolheram para você um velho padrinho com idade de avô e saúde de bisavô. Sendo pouco provável que eu possa conversar com você nos dias difíceis das primeiras crises, quando aos olhos do moço o mundo parece absurdo e mau, ou quando o sopro das idéias passageiras puser em risco a chama da vela do seu batismo, aqui fico a esperar por você meu caro Gustavo, neste livrinho, ‘A Descoberta do Outro’, escrito depois das tempestades que também atravessei. E o que o livro não puder fazer, praza a Deus que lá no céu o velho padrinho possa conseguir para você aos pés do trono de Deus três vezes santo. 22/05/1960 Gustavo Corção”.
AdaptiveThemes