Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Paulo VI (1887-1978), um novo santo?

Pe. Thierry Gaudray, FSSPX

 

No dia 5 de agosto passado, o Papa Francisco falou à multidão reunida na praça São Pedro para a oração do Angelus: “Há quarenta anos, o Beato Papa Paulo VI estava vivendo as suas últimas horas nesta terra. Morreu, de fato, na noite de 6 de agosto de 1978. Recordemos dele com muita veneração e gratidão, à espera da sua canonização, em 14 de outubro próximo. Do céu interceda pela Igreja, que tanto amou, e pela paz no mundo. Este grande Papa da modernidade, o saudemos com um aplauso, todos!

Não há dúvida que, ao canonizar Paulo VI, após tê-lo feito com João XXIII e João Paulo II, Francisco tem a intenção de confirmar os católicos nas novas orientações tomadas pela Igreja desde o Concílio, e dar um novo lustro à liturgia reformada1. Paulo VI foi, de resto, o primeiro papa a lançar mão da canonização dos santos para avalizar o Concílio, anunciando, no dia 18 de novembro de 1965, antes do seu término, portanto, a introdução das causas de beatificação de Pio XII, mas também de João XXIII2. (Continue a leitura)

No entanto, quão opostos eram os julgamentos desses dois papas sobre Monsenhor Montini! Se este último foi um colaborador próximo do Cardeal Pacelli por muitos anos, em 1954 foi afastado de Roma por vontade do Papa Pio XII. O sobrinho de Paulo VI testemunhou que seu tio jamais nutriu a menor ilusão a esse respeito: “para ele, tratava-se de um drama no mais pleno sentido da palavra”3. Ainda que Pio XII não tenha julgado conveniente afastar um substituto nos assuntos ordinários da secretaria de Estado sem lhe conceder uma aparente promoção, a censura não deixava de ser notória. A Sé de Milão era tradicionalmente ocupada por um cardeal, ora “Pio XII não criou mais nenhum cardeal”, e isto “para não ter de designar Monsenhor Montini”4

João XXIII, ao contrário, no dia 4 de novembro de 1958, um pouco antes da cerimônia da sua coroação, escreveu um bilhete para Monsenhor Montini afim de anunciar que esta dignidade lhe seria brevemente conferida5, e sete anos mais tarde, no seu leito de morte, disse: “Meu sucessor será o Cardeal Montini”. 

Como é possível que o Papa Francisco utilize novamente as palavras sagradas da canonização para propôr como exemplo um coveiro da Tradição? Deixamos aos teólogos o encargo de responder a esta questão. No momento, o bom senso e a fé nos bastam para recusarmo-nos prestar culto a Paulo VI. As graves omissões na defesa da fé, a promulgação da missa nova, o abandono do zelo missionário pelo reino de Nosso Senhor provam que Paulo VI era um liberal e que não pode servir de modelo para os católicos.

 

A defesa da fé

Por vezes surgem livros que diminuem a fé em pontos importantes, mas o episcopado se cala e não julga esses livros estranhos… isso é que é estranho aos meus olhos6. Mas o próprio papa suprimiu o Index, paralisou o Santo Ofício, não tomou nenhuma medida contra os que negavam a fé como, por exemplo, os bispos holandeses, que publicaram um catecismo escandaloso negando tanto os anjos e o sacerdócio como a Incarnação e a Presença real. Se, no dia 30 de junho de 1968, professou um Credo ortodoxo, jamais defendeu a fé condenando os heréticos. Em Roma, honrou os professores que outrora foram expulsos pelo Santo Ofício. “Paulo VI deixou a santa Igreja de Deus ser invadida pelas vagas pantanosas da apostasia iminente7. Não se tratava de fraqueza (o que já seria suficientemente grave num soberano pontífice), mas de uma atitude irenista e irrealista que lhe era habitual. A Encíclica Mysterium Fidei8 pode ser citada como uma ilustração disso. Com efeito, antes mesmo do fim do Concílio, multiplicavam-se as inovações litúrgicas9, e se difundiam doutrinas que, como ele mesmo disse, perturbavam as almas dos fiéis e produziam uma grande confusão. Ora, não apenas o papa não condenou ninguém, mas não pôde deixar de admirar as boas intenções dos fautores de heresias: “Não negamos que aqueles que propagam opiniões surpreendentes tenham o desejo louvável de se aprofundar num mistério tão grande10

A verdade é que Paulo VI mostrou-se severo apenas com os defensores da Tradição. Invariavelmente, cedia e deixava os outros livres11. É por isso que o Padre Calmel considerava o pontificado de Paulo VI como uma “eclipse do papado”, uma vez que ele pretendia “governar a Igreja reunindo sínodos e sem condenar ninguém12. O Professor Amerio intitulou um dos sub-capítulos de Iota Unum, sua obra prima: “A renúncia ao exercício da autoridade”. O dia 13 de novembro de 1964, quando Paulo VI depôs a tiara, sinal da plenitude do poder papal, foi simbólico!

A publicação da Encíclica Humanae Vitae, no dia 25 de julho de 1968, foi a única vez que Paulo VI impôs seu ensinamento. Mas, mesmo aí, não tomou nenhuma medida contra as conferências episcopais que, revezando com uma miríade de publicações, ousavam se opôr publicamente a sua decisão que, nesse ponto, não era senão a repetição do ensino tradicional, ao menos nas suas conclusões. Mas a questão ia muito além da contracepção. O Cardeal Suenens, o Cardeal Alfrink e muitos outros repreendiam-no de se ter mostrado infiel à colegialidade que o Concílio Vaticano II acabara de introduzir na Igreja. O papa apelou então à compaixão dos seus contraditores, mas não se portou como chefe: “Talvez o Senhor não tenha me chamado para este serviço porque eu fosse especialmente apto, ou para que eu governe a Igreja e a salve nas dificuldades presentes, mas para que eu sofra algo pela Igreja…”13 Ora, o encargo de Soberano Pontífice prescrevia a Paulo VI comandar, e não se apiedar, nem tão-somente exortar e admoestar14.

Paulo VI jamais aceitou questionar o Concílio Vaticano II, que, na sua opinião, “Não tem menor autoridade, e é mesmo sob certos aspectos mais importante, que o de Nicéia15. No entanto, ele conheceu os seus frutos: “Esperávamos a primavera, sobreveio a tempestade16. É bem conhecido o discurso proferido a um grupo de seminaristas, no dia 7 de dezembro de 1968: “A Igreja encontra-se numa hora de inquietude, de autocrítica, dir-se-ia mesmo, de demolição”. Ele acrescenta uma observação que revela a que ponto o papa se manteve surdo aos gritos de alarme que lhe foram lançados: “É como uma agitação interior, aguda e complexa, que ninguém teria esperado após o Concílio17. Dez anos após o Concílio, às vésperas da morte de Paulo VI, o número de religiosos no mundo diminuíra em um quarto, e a vida religiosa de boa parte dos remanescentes não passava de uma caricatura18. Os fiéis deixavam as igrejas.

A devoção a Nossa Senhora também sofreu muito durante o pontificado de Paulo VI. Na primeira seção do Concílio, o Cardeal Montini já se opunha a atribuição de novos títulos à Virgem Maria. Foi ele quem fez com que o esquema preparado sobre Nossa Senhora fosse suprimido, para ser reduzido a um capítulo do esquema consagrado à Igreja. Em 1967, deu ao governo turco o estandarte que os católicos tinham tomado dos muçulmanos em Lepanto, graças à proteção da Santíssima Virgem.

 

A nova missa

Em 21 de outubro de 1969, um Breve exame crítico sobre a nova missa foi apresentado ao papa pelos Cardeais Ottaviani e Bacci. Pouco mais de um mês antes, Dom Antônio de Castro Mayer, bispo de Campos, lhe havia escrito: “O Novus Ordo Missae não só não afervora, senão que extenua a fé nas verdades centrais da vida católica, como a Presença Real de Jesus na SS. Eucaristia, a realidade do Sacrifício propiciatório, o sacerdócio hierárquico19. Paulo VI, contudo, mostrou-se irredutível na imposição desta nova liturgia concebida para agradar os Protestantes: “Não é uma decisão arbitrária; não é uma experiência temporária ou facultativa; não é uma improvisação vinda de algum diletante. Trata-se de uma lei elaborada por eminentes liturgistas após longas discussões e estudos20. As palavras mais violentas nesse sentido foram as do consistório de 24 de maio de 1976: “É em nome da Tradição que pedimos a todos os filhos, a todas as comunidades católicas, que celebrem, com dignidade e fervor, a Liturgia reformada. A adoção do Novo “Ordo Missæ” não é deixada certamente ao arbítrio dos padres ou fiéis […] O Novo Ordo foi promulgado para substituir o antigo […] Com a mesma autoridade suprema [que a de São Pio V] que nos vêm de Cristo Jesus, nós exigimos a mesma disponibilidade…” À Jean Guitton, que lhe sugeriu autorizar a missa de São Pio V para apaziguar os espíritos, o papa respondeu: “Isso nunca!” No entanto, em 2007, no Motu proprio Summorum Pontificum, Bento XVI reconheceu que a antiga missa jamais fora ab-rogada. Paulo VI, assim, é culpado de um abuso de poder.

Mas os padres que morreram de desgosto porque a missa lhes foi tirada, não foram os mais desafortunados: durante o pontificado de Paulo VI, o número dos que abandoraram o sacerdócio adquiriu proporções inimagináveis. O próprio papa o reconheceu, mas sempre com a mesma inércia: “As estatísticas nos entristecem, cada caso em particular nos desconcerta, as motivações seguramente nos impõem respeito e compaixão, mas dão-nos uma imensa pena. A sorte dos fracos que reuniram forças para desertar de seus deveres nos confunde21.

A questão da comunhão na mão não é menos sintomática. A instrução Memoriale Domini22 é uma apologia da comunhão dada pelo padre sobre a língua do comungante. Ela explica como este procedimento exprime melhor o respeito devido ao Santíssimo Sacramento bem como a humildade com a qual deve ser recebido. Ela menciona uma consulta feita aos bispos, cuja maioria “julga que nada deve ser mudado no tocante à disciplina atual” e estipula, portanto, que “este modo de distribuir a Santa Comunhão tem de ser conservado”. Alude à prática de dar a comunhão na mão, prática que se difundiu sem que a Santa Sé tenha dado a menor autorização. Os culpados serão severamente reprimidos? Absolutamente! No mesmo documento romano, as Conferências episcopais são instadas a avaliar cuidadosamente as circunstâncias especiais que possam existir (!) afim de, em seguida, tomar quaisquer decisões “que sejam necessárias para regular as situações”.

Enfim, o uso do latim na liturgia foi, a um só tempo, louvado e suprimido por Paulo VI. O papa agia às avessas dos princípios que enumerava, e dizia sofrer por isso! Domingo, dia 7 de março de 1965, celebrou pela primeira vez a missa (tradicional) inteiramente em italiano. Na sua alocução, durante o Angelus, declarou: "Este domingo assinala uma data memorável na história espiritual da Igreja, porque a língua falada entra oficialmente no culto litúrgico, como já vistes nesta manhã. (…) É um sacrifício que a Igreja realizou da própria língua, o latim; língua sacra, grave, bela, extremamente expressiva e elegante. Sacrificou tradições de séculos e sobretudo sacrifica a unicidade de linguagem nos vários povos, em homenagem a esta maior universalidade, para chegar a todos”. No dia 4 de maio de 1967, o “sacrifício" foi executado por meio da instrução Tres abhinc annos que estabeleceu o uso da língua vulgar para a recitação, em voz alta, do cânon da missa. Se em junho de 1969, durante a sua viagem para Uganda, consentiu em celebrar a missa em latim à pedido dos bispos africanos, na sua alocução encorajou as reformas: “Um pluralismo é legítimo, e até desejável, no tocante à língua, à índole, à cultura23. No dia 26 de novembro desse mesmo ano, durante a apresentação do novo rito da missa, o abandono do latim tornou-se definitivo: “Não é mais o latim, mas a língua corrente, que será a língua principal da missa. Para todo aquele que conhece a beleza, a força do latim, sua aptidão para exprimir as coisas sagradas, será certamente um grande sacrifício vê-lo substituído pela língua corrente. Perdemos a língua dos séculos cristãos, tornamo-nos como que intrusos e profanos no domínio literário da expressão sagrada. Perdemos também em grande parte esta admirável riqueza artística e espiritual que é o canto gregoriano. Seguramos temos razão para experimentar desgosto e quase nos desassossegarmos”.

 

A salvação das almas e o ecumenismo

Na Encíclica Ecclesiam suam, Paulo VI afirmou que, para a Igreja, há um dever missionário24, mas não podia concebê-lo senão como diálogo: “A Igreja deve entrar em diálogo com o mundo em que vive. A Igreja faz-se palavra, faz-se mensagem, faz-se colóquio25. Consagrado pelo concílio Vaticano II, o ecumenismo foi imposto à consciência católica pelo papa por meio de gestos espetaculares e escandalosos que seus sucessores se limitarão a imitar. Em 1964, Paulo VI fez uma viagem a Terra Santa26 durante a qual reencontrou o patriarca de Constantinopla em pé de igualdade: após terem lido alternadamente o evangelho, benzeram conjuntamente a assistência, por iniciativa de Paulo VI27 De regresso a Roma, não hesitou em dar aos ortodoxos a cabeça de Santo André, uma das relíquias mais insignes da Basílica de São Pedro. No último dia do Concílio, 7 de dezembro de 1965, Paulo VI anunciou o levantamento da excomunhão dos ortodoxos sem exigir a menor abjuração da sua parte. Durante a sua viagem a Turquia, em 1967, o papa entregou uma carta oficial ao patriarca de Constantinopla, na qual as igrejas ortodoxas e a Igreja católica eram apresentadas como “Igrejas irmãs”. O que equivale dizer que Roma não mais pretendia ser a mãe de todas as igrejas28 e que o papa não mais pedia ser reconhecido como o pai comum de todos os fiéis.

Quanto ao ecumenismo com os protestantes, basta evocar a recepção do Dr. Ramsey, “arcebispo e primaz” da igreja anglicana, em março de 1966. O papa lhe prometeu reexaminar a questão da validade das ordenações anglicanas (que fora resolvida por Leão XIII) e já lhe adianta qual era o seu pensamento ao lhe pedir que benzesse a assembléia na sua presença. O “primaz" inglês não compreendeu este pedido inusitado e começou a pôr-se de joelhos. O papa prontamente o reergueu. Mas essa foi apenas a primeira surpresa. Paulo VI, num gesto premeditado, tirou em seguida o seu próprio anel episcopal para colocá-lo no dedo do Dr. Ramsey.

O reino de Nosso Senhor jamais sofreu tanto das mãos de um papa. É verdade que este tinha sobretudo o culto do homem!29 Tendo se recusado a condenar o comunismo ao longo do Concílio, Paulo VI dobrou-se muitas vezes às exigências dos países do leste. Basta recordar o caso do Cardeal Mindszenty que provavelmente sofreu mais das manobras do papa do que de seus verdugos na Hungria30. Todos os países ainda católicos foram encorajados a riscar o nome de Nosso Senhor de suas constituições: depois da Espanha, a Colômbia, alguns cantões suíços, foi a vez da Itália31. A doutrina condenada de Lamennais foi retomada na mensagem de Paulo VI aos governantes: "E que pede a Igreja de vós… neste momento? Ela vô-lo disse num dos documentos mais importantes deste Concílio: ela não vos pede senão a liberdade”32.

 

Um duplo aspecto

O Pe. Congar dizia de Paulo VI que ele falava à direita e agia à esquerda33 Dom Marcel Lefebvre, citando o Cardeal Daniélou, dava a verdadeira razão desta atitude: Paulo VI era um liberal e, portanto, um incoerente, um homem que afirma princípios e que faz o contrário deles. “Este papa é como um fruto do liberalismo, toda sua vida foi impregnada de influência de homens que o rodeavam ou que tomou por mestres, e que eram liberais”34.

Esta contradição fazia de Paulo VI um papa triste. Os italianos faziam um jogo de palavras: Paulo VI (Paolo sesto) era um “Paolo mesto” (Paulo triste)35. Bem diferente era a tristeza dos santos. No seu Diário, João XXIII que se encontrara com São Pio X, e notara este véu de tristeza nos olhos do Pontífice, dizia não acreditar na sua santidade. Este sofrimento, contudo, vinha diretamente da caridade. Não havia incoerência alguma entre as palavras e a vida de São Pio X! Ao contrário, a alma de Paulo VI era ansiosa e paradoxal. Embora tivesse a nostalgia da grandeza da Igreja, trabalhou ativamente para a sua destruição. Seria o juramento feito por ocasião da sua coroação que, retornando por vezes ao seu espírito, atormentava-lhe: “Se eu vier a trair a Tradição recebida dos meus predecessores, Deus não será um juiz misericordioso no Julgamento Final”?36

  1. 1. Junto com a missa dita de São Pio V, qualificada de ‘rito extraordinário’, haverá a de “São Paulo VI”
  2. 2. Yves Chiron, Paul VI, le pape écartelé, p. 247, édition Perrin.
  3. 3. Giorgio Montini, "Mons oncle, le pape”
  4. 4. Yves Chiron, Paul VI, le pape écartelé, p. 153, édition Perrin.
  5. 5. Roberto de Mattei, “Il Concilio Vaticano II”, p. 113.
  6. 6. Jean Guitton, “Paul VI secret”, p. 168.
  7. 7. Carta do Pe. Calmel de 4 de julho de 1970 citada pelo Pe. Jean-Dominique in “Le père Roger-Thomas Calmel”, p. 461.
  8. 8. 3 de setembro de 1965 (o encerramento do Concílio será no dia 8 de dezembro de 1965).
  9. 9. A primeira constituição conciliar era sobre a liturgia e já produzia seus frutos.
  10. 10. Caminhando para o final do seu pontificado, enquanto o episcopado do mundo olhava de cima suas encíclicas, ele exaltava a “extrema unanimidade de toda a Igreja com seu pastor supremo e de todos com seus próprios bispos” (che vengono dalla grandissima consonanza di tutta la Chiesa col suo Supremo Pastore e con i propri Vescovi) -- alocução de 23 de junho de 1975.
  11. 11. Falando de abusos litúrgicos, o Cardeal Gut, Prefeito da Congregação para o culto divino, observava, “Muitos padres faziam o que queriam. Eles se impuseram. Agiam sem autorização e, muitas vezes, não era mais possível detê-los. Na sua grande bondade e sabedoria, o Santo Padre então cedeu, freqüentemente contra sua vontade” D.C. no. 1551 citado em Iota Unum no. 69.
  12. 12. Carta de 17 de janeiro de 1969, citada por Pe. Jean-Dominique in “Le père Roger-Thomas Calmel”, p. 365.
  13. 13. Discurso no Sacro Colégio, 22 de junho de 1972 in Iota Unum no. 65.
  14. 14. Mesmo na sua exortação apostólica Paterna, de 8 de dezembro de 1974, em que reivindica a sua autoridade e se insurge contra a desobediência, ele o faz sem condenar, mas como uma espécie de advertência.
  15. 15. Carta de Paulo VI a Dom Marcel Lefebvre, escrita em 29 de junho de 1976. O próprio Cardeal Villot lhe aconselhara a não escrever semelhante coisa!
  16. 16. Ao Cardeal G. Colombo, arcebispo de Milão.
  17. 17. Citado, por exemplo, em Iota Unum no. 7
  18. 18. O papa obrigara todos os institutos de vida religiosa (até mesmo os cartuxos, que jamais tiveram necessidade de reforma) a rescrever suas regras e sua constituição.
  19. 19. [N. da P.] Nossos leitores poderão ler a íntegra da carta aqui: https://www.capela.org.br/Missa/antonio.htm 
  20. 20. Discurso de Paulo VI (19 de novembro de 1969) sobre o novo rito da missa, citado em “Histoire de la messe interdite”, por Jean Madiran, p. 34.
  21. 21. Carta ao clero secular e regular da diocese de Roma, 10 de fevereiro de 1978.
  22. 22. Instrução de 29 de maio de 1969 da Sagrada Congregação para o culto divino.
  23. 23. Chiron, Paul VI, Le pape écartelé, p. 296.
  24. 24. "É o dever da evangelização, é o mandato missionário, é o dever de apostolado”. Encíclica de 6 de agosto de 1964.
  25. 25. Quando era substituto na Secretaria de Estado, em março de 1949, recebeu Roger Schutz e Max Thurian, da comunidade protestante de Taizé, e considerou a possibilidade da Igreja participar do Conselho ecumênico das igrejas (idéia que um monitum do Santo Ofício havia precisa e formalmente afastado no ano anterior), e que Ela deveria reconhecer os erros dos seus membros ao longo da história e nos dias de hoje. Cf. Chiron, Paul VI, le pape écartelé, p. 134.
  26. 26. A primeira dessas viagens internacionais a que os papas conciliares nos habituaram.
  27. 27. Chiron, Paul VI, le pape écartelé, p. 217.
  28. 28. Pela palavra “igreja”, queremos dizer as dioceses governadas por um bispo, mas em dependência do papa
  29. 29. "Vós, humanistas do nosso tempo, que negais as verdades transcendentes, dai ao Concílio ao menos este louvor e reconhecei este nosso humanismo novo: também nós —  e nós mais do que ninguém somos cultores do homem”. Discurso de encerramento do Concílio Vaticano II, 7 de dezembro de 1965.
  30. 30. Fideliter no. 243, maio-junho de 2018.
  31. 31. Desde 1976, Paulo VI preparava o tratado, concluído somente em 1984, que ab-rogava o artigo  especificando a religião católica como a única religião do Estado.
  32. 32. Mensagem do Concílio de 8 de dezembro de 1965.
  33. 33. Dom Marcel Lefebvre fazia uma observação semelhante: “Num momento era tradicionalista, ao menos nas palavras, logo depois, nos atos, fazia coisas completamente opostas, não condenava o que deveria ser condenado e condenava, ao contrário, o que não deveria ser condenado”. (Conferência espiritual aos seminaristas, 18 de março de 1977).
  34. 34.Ils l’ont découronné”, cap. 31, p. 224.
  35. 35. Chiron, Paul VI, le pape écartelé, p. 10.
  36. 36. Juramento multissecular feito ao longo da coroação papal.
AdaptiveThemes