Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Como educar as crianças para o serviço

Irmãs da FSSPX

 

Há alguma mãe que não deseje que seu filho seja feliz? Seu segredo consiste em abdicar de si mesma; toda mãe sabe disso. Os mais felizes são sempre os que mais se doam! Desejamos educar nossos filhos para a verdadeira felicidade? Pois tudo começa no Servir.

Nem sempre as crianças cooperam. Algumas costumam deixar a mesa assim que terminam de comer; outras assim que o pai veste a roupa para o trabalho. Outras calculam minuciosamente se seus irmãos e irmãs fizeram tanto quanto elas e a mãe, um pouco perturbada, não sabe se deve chamar sua atenção ou esperar que a ajuda venha espontaneamente. O que fazer? Há, porém, no fundo do coração de cada criança, um certo heroísmo que talvez se encontre adormecido. Como despertá-lo?

Essa é a questão; pois há diversas formas de solicitar a generosidade das crianças e, muito frequentemente, é a forma de fazê-lo que irá determinar a resposta delas. Servir traz contentamento. Por que não apresentá-lo dessa maneira? Saibamos penetrar na difícil concha de esforço e mostrar aos nossos filhos a beleza do ato que lhes é pedido.

Façamos com que servir seja algo atraente. Há maneiras entusiasmadas de se pedir “Lave a louça”, “Varra o chão” ou “Coloque a mesa”. Podemos pedir gentilmente: - “Poderia me fazer um favor – e também agradar a Deus – e limpar a mesa?”. Ou talvez: “Mostre ao papai como você varre bem”, e também “Você poderia cuidar da louça? Outro dia você foi perfeito”! Não devemos hesitar em desenvolver ambições saudáveis em nossas crianças ao evocar o que elas poderão se tornar quando ultrapassarem seus próprios limites. Sim, servir é mais do que um sacrifício ou um esforço. Apresentá-lo sempre sob seus aspectos mais árduos poderia desencorajar algumas delas – por isso é necessário que não solicitemos a sua ajuda apenas quando estivermos com pressa ou irritados. Isso faria com que se sentissem obrigadas e ficariam relutantes. Assim, muitas vezes, o aspecto desagradável do ato será ressaltado por um pedido feito de modo áspero. Ao contrário, apelemos ao seu heroísmo oculto; elas podem perfeitamente ter algumas surpresas reservadas para nós!

Mas, e se a criança se recusar a atender ao pedido? Devemos obrigá-la a obedecer? Será preciso se adaptar ao temperamento da criança, apelando ao seu amor por sua mãe ou ao seu senso de dever, de acordo com o caso. Se ela permanecer rebelde, podemos obrigá-la, mas, às vezes, também é hora de colocá-la em seu lugar: a vergonha é muito mais poderosa do que um discurso raivoso! Quanto àquelas que aceitam de bom grado a tarefa proposta, vamos acompanhá-las carinhosamente no início, explicando-lhes como fazer a tarefa.

Concluído o serviço, nosso sorriso de gratidão será para elas um verdadeiro raio de sol. Para o caçula, ele será acompanhado de um gesto de afeto. Nossos pequenos precisam que enxerguemos a sua boa vontade por detrás das deficiências de seu ato, que enxerguemos os seus esforços. Isso os encoraja a recomeçar, mas especialmente mostra-lhes as qualidades que podem e devem adquirir. Eles não têm experiência e confiança em si mesmos. A mãe encontrará palavras gentis para encorajá-los, cada um à sua maneira. Certamente, a criança não deve fazer o que quiser, mas não podemos ajudá-la a desejar aquilo que deve fazer?

O exemplo da mãe naturalmente terá um grande peso. É por ela que começa essa educação ao espírito de serviço. A imagem de uma mãe dedicada com uma tia que está doente, ou ajudando com a limpeza em um priorado, permanecerá gravada na mente da criança. E quando somos pequenos, estamos tão orgulhosos de ser como mamãe e papai!

Queridas mães, vamos resumir em duas palavras a atitude que despertará a devoção em seus corações: encorajar e, acima de tudo, confiar.

Nunca recusemos o serviço que uma criança oferece, por mais desajeitado e irritante que seja. Quantas meninas hoje não conseguem preparar uma refeição porque suas mães não as deixaram fazer, sob o argumento de que seria mais rápido se elas cozinhassem sozinhas. Quantos adolescentes não estão atrás da moto de um amigo porque seu pai não os deixa usar a broca ou o cortador de grama!

Assim, pouco a pouco, o trabalho que antes era tão obscuro e repulsivo se tornará bonito e atraente. O desejo de agradar os outros transformará a vida familiar! Você promoverá a felicidade verdadeira nas crianças ao permitir que saboreiem a alegria profunda do sacrifício: a alegria de agradar aos outros e a Deus. Pequenos serviços naturalmente prestados, equivalem a atos sobrenaturais mais profundos. Isso é o que os convidará a serem cada vez mais generosos e felizes!

Ó, Nossa Senhora, que, no serviço oculto da casa, escondestes vossa incomparável santidade e vossa alegria no serviço do Senhor, rogai por todas as mães!

  

AdaptiveThemes