Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Dever de reparação

Pe. Garrigou-Lagrange, OP

 

“Alter alterius onera portate”.

Levais os fardos uns dos outros

Gl 6.

 

    Tratamos recentemente do dever do reconhecimento, convém falar agora do dever de reparação. A reparação da ofensa feita a Deus é geralmente chamada em teologia de “satisfação”. Os fiéis instruídos costumam conhecer suficientemente bem a doutrina do mérito; porém, é menos conhecida a doutrina da satisfação ou reparação, que, se lembra a do mérito, dela difere, contudo. Os fiéis crêem firmemente que Jesus satisfez por nós em estrita justiça, que a Santíssima Virgem satisfez por nós de uma satisfação de conveniência; mas conhecem menos o lugar que a satisfação deve ocupar nas nossas vidas.

    Lembremos sobre esse ponto os princípios; veremos em seguida como o católico em estado de graça pode satisfazer ou reparar por si e pelo próximo. (Continue a leitura)

    Princípios desta doutrina

    Os princípios deste ensinamento expõem-se, em teologia, quando se trata do mistério da redenção e, em seguida, no tratado do pecado, da pena que lhe é devida e no tratado da penitência. Estes princípios foram revelados e todo fiel adere a ele firmemente pela fé; podemos assim resumi-los.

    Se mérito é direito a recompensa, direito do justo à vida eterna, enquanto permanece em estado de graça, e à aumento da caridade, a satisfação é reparação a uma ofensa feita a Deus pelo pecado. Esta ofensa nada tira de Deus de sua glória essencial, de sua beatitude, mas da sua glória exterior, de sua influência, de seu reino sobre nós.

    O pecado mortal como ofensa nega na prática a dignidade infinita de Deus como fim último ou bem soberano, posto que prefere um mísero bem finito a Ele. Foi preciso a Incarnação do Verbo e seu ato de amor teândrico para que houvesse uma satisfação perfeita ou adequada da ofensa feita a Deus pelo pecado mortal. Jesus satisfez por nós em estrita justiça, oferecendo a Deus, sobre a cruz, como diz Santo Tomás: “Um ato de amor que lhe agradasse mais do que todos pecados reunidos lhe desagradam.” Reparou assim a ofensa feita a Deus, e aqueles a quem se aplicam seus méritos e sua satisfação, são reconciliados, justificados, o pecado lhes é apagado, bem como a pena eterna devida ao pecado mortal. A Santíssima Virgem satisfez por nós de uma satisfação de conveniência, fundada na caridade ou na mui intima amizade sobrenatural que a unia a Deus Pai e ao seu Filho. Todo bom católico conhece esta doutrina. Mas não se dá normalmente atenção o bastante à satisfação ou reparação que deve haver na vida do justo, a quem já foram perdoados os pecados.

    O Concílio de Trento ensina, e isto está muito relacionado com a doutrina revelada sobre o purgatório, que, mesmo quando o pecado mortal nos foi perdoado e, com ele, a pena eterna que lhe é devida, pode restar, e frequentemente resta, uma pena temporal que deve ser paga nesta vida ou depois desta vida, no purgatório. Se a não pagamos nesta vida, merecendo, tirando proveito das missas e indulgências, pagaremos no purgatório, sem mérito, sem crescer na caridade. Ademais, o purgatório é propriamente uma pena; não pode portanto ser infringida senão por uma falta, que poderia ser evitada e que poderia ter sido expiada na terra. Assim, os melhores católicos fazem boa parte do seu purgatório antes de sua morte.

    Esta doutrina da reparação se funda, como o mostra santo Tomás, ao tratar da pena devida ao pecado, na definição mesma do pecado. Há no pecado, quando mortal, dois aspectos. Primeiramente, por ele desviamo-nos de Deus, nosso fim último, e, então, se morremos nesse estado, mereceremos ser eternamente privados de Deus. Em outros termos: se morremos nesse estado, a desordem habitual do pecado grave dura para sempre e a pena da privação de Deus que lhe é devida, também dura para sempre. Se, ao contrário, o pecado mortal é perdoado pela conversão que restitui o estado de graça, a pena eterna devida ao pecado também é perdoada!

    Mas há no pecado mortal um segundo aspecto: não apenas nos desviamos de Deus, mas nos voltamos para um bem perecível, e o preferimos a Deus.

    Há, pois, dupla desordem moral, que pede dupla pena. O pecador não apenas se afasta de Deus, mas prefere algo a Deus, isto é, prefere seu gozo pessoal ao reino de Deus; esta segunda desordem pede, também ela, uma reparação. A justiça exige que o pecador que preferiu um bem temporal a Deus seja privado de um bem temporal ou padeça uma pena temporal.

    O pecado venial que nos liga imoderadamente a um bem passageiro merece também uma pena temporal do mesmo gênero, porém mais ligeira.

    Tudo isso se concebe muito facilmente: a vontade que se conforma demasiadamente consigo mesma, contra a ordem divina, deve reparar esta transgressão de modo a reconhecer o valor da ordem divina. Do mesmo modo, a vontade que viola a ordem da consciência é punida pelos remorsos de consciência. Ainda do mesmo modo, a vontade que viola a ordem social e suas leis deve ser submetida a uma pena que o magistrado guardião desta ordem social infringirá. É o que demonstra são Tomás1. Platão também, num de seus mais belos diálogos, Górgias, após ter demonstrado que é melhor sofrer uma injustiça que cometê-la, acrescenta que o maior dos males que pode ocorrer a um criminoso, após seu crime, é seguir impune, uma vez que, dessa maneira, não retorna à ordem da justiça. Ele deveria, diz Platão, vir acusar-se perante os juízes, e demandar a pena que mereceu para assim retornar à ordem da justiça, após a ter violado. Idéia sublime, inspirada por tradições religiosas que de longe anunciavam, por assim dizer, o que haveria de ser a reparação no mistério da Redenção e no sacramento da penitência.

    Na vida do justo, a graça santificante possibilita satisfazer por si mesmo e pelos outros a pena temporal devida ao pecado já perdoado; quem o faz, abrevia em muito o seu purgatório. Ora, como pode o justo satisfazer por si mesmo, e pelos outros?

 

    Como o justo pode satisfazer por si mesmo ?

    Ele o pode fazer de dois modos: primeiro, pela penitência sacramental, assistindo Missas, ganhando indulgências; segundo, por suas próprias boas obras (ex opere operantis), na medida em que tenham, em graus diversos, um aspecto penoso, necessário à satisfação, que se acrescenta ao mérito.

    A penitência sacramental feita em estado de graça produz imediatamente seu efeito santificante, mas é proporcionado ao nosso fervor e, frequentemente, uma parte da pena temporal ainda resta a ser paga.

    A missa a que assistimos ou que é dita por nós, obtém certamente a remissão total ou parcial da pena temporal devida aos pecados já remidos. 

    O ganho de indulgências também é obra de satisfação, serve para pagar a dívida da pena temporal pelos pecados perdoados. Seu principal valor vem do poder de Chaves da Igreja.

    Como podemos, ademais, satisfazer ou reparar nesta vida por meio da prática de boas obras (ex opere operantis)?

    É preciso, antes de mais nada, que estas sejam obras meritórias, ou seja, moralmente boas, livres, feitas em estado de graça e, como peregrino, por um motivo sobrenatural. Para que sejam satisfatórias, é preciso ainda que, além do mérito, elas tenham um aspecto mais ou menos penoso, isto é, que impliquem numa renuncia, num esforço, num sacrifício. Isto santo Tomás explica muito bem, quer se trate da satisfação que se junta aos méritos de Cristo, ou aos de Maria, ou que se junta aos nossos próprios méritos. Diz ele: “A satisfação, para reparar pelos pecados passados e obter a remissão da pena temporal que nos é devida, deve ser penosa. O pecador subtraiu de Deus a glória exterior que lhe é devida; a ordem e a justiça reclamam que, em troca, alguma coisa seja subtraída do pecador, que alguma pena lhe seja imposta”2. É preciso, portanto, para satisfazer, fazer algo de penoso, carregar sua cruz, morrer para alguma coisa; muitos esqueceram-se disso nestes últimos anos, antes da derrota; cuidava-se até mesmo para que a mortificação fosse reduzida estritamente ao mínimo, e até a fazer com que desaparecesse completamente. Foi então que Nosso Senhor impôs novos sofrimentos com a guerra: foi preciso tornar a virtude necessária, foi preciso sofrer muito3.

    Assim como a caridade, a obra mais satisfatória será a mais penosa, a que mais se assemelhar à cruz do Salvador. Não obstante, se a diminuição da dificuldade provém precisamente de uma maior caridade, ela não diminui o valor da satisfação; neste caso, é uma dificuldade subjetiva que se diminui com o progresso da caridade; não uma dificuldade objetiva; esta provém do caráter mesmo do objeto, que exige uma grande generosidade, como ocorre no martírio.

    Entre as obras penosas que a Igreja recomenda como satisfação ou reparação, deve-se contar o jejum, a abstinência, as vigílias, a paciência nas contrariedades e provações, suportar  sofrimentos, a aceitação da morte e das angústias que podem acompanhá-la. “Possuir sua alma na paciência”, é agir. São Tomás diz mesmo que o ato principal da virtude da fortaleza não é a ofensiva ou o ataque, mas suportar perseverante coisas penosas, a constância nas provações, como se vê nos mártires.

    As cruzes escondidas, suportadas em silêncio por longo tempo, muitas vezes são mais meritórias e satisfatórias que brilhantes ações heróicas de um momento. A este propósito, convém aconselhar a bela oração de São Pio X para a aceitação antecipada da morte e de todos os sofrimentos físicos e morais que a precederão e acompanharão4.

    As boas obras, mais ou menos penosas, diminuem nosso purgatório e, pelo mérito que implicam, aumentam em nós a vida da graça e a felicidade do céu. Quanto a isso, é preciso lembrar que um ato muito generoso de caridade, com o valor de dez talentos, vale mais que dez atos fracos de um talento; com efeito, estes últimos estão mais ou menos mesclados de tibieza; a qualidade aqui sobrepõe-se a quantidade. O santo cura d’Ars devia merecer e reparar mais que todos seus paroquianos juntos.

 

Como pode o justo satisfazer pelo próximo?

    Todos os fiéis conhecem esta doutrina de fé, que o justo pode fazer celebrar missas e ganhar indulgências pelos defuntos, e que pode também pagar por um outro justo a pena temporal devida aos pecados já remidos. Com efeito, diz são Paulo: “Levais os fardos uns dos outros”5. São Tomás explica6 e nota que, se os credores humanos admitem que uns paguem as dívidas de outros, ainda mais o admitirá o Senhor; sobretudo se consideramos que sofrer por outrém supõe maior caridade que sofrer por si mesmo. Sofrer por outrém grave dor de cabeça de três ou quatro horas satisfaz mais que sofrer por si mesmo algo mais penoso.

    Se é a caridade que move, o justo pode portanto satisfazer pelo seu próximo.

    Aqueles que confiam a Maria tudo o que se possa comunicar nas suas boas obras meritórias e satisfatórias e nas suas orações, encarregam-na de o distribuir a seu gosto. Ela o faz com muito maior sabedoria do que nós, pois vê, em Deus, quais de nossos parentes ou amigos, nessa vida ou no purgatório, mais precisam de socorro.

    Se não fazemos este ato e se não designamos alguma pessoa, é provável que Deus aplique estas satisfações àqueles que nos são mais caros.

    É assim que os justos podem sofrer com proveito pelo próximo, e participam eles mesmos nas satisfações das almas mais generosas, nas almas vítimas que, nas mais trágicas horas, multiplicam-se pelo mundo, para pagar por seus pecados7. É o Senhor quem as suscita, quem lhes dá esta vocação sublime, quem lhes sustenta por vinte e trinta anos num leito de sofrimentos, como o demonstra a vida do santo padre Gérard, da diocese de Sées, escrita por Myriam de G., intitulada “Vinte dois anos de martírio”; este padre santo, torturado ao longo de tantos anos pela tuberculose dos ossos, oferecia cada dia seus sofrimentos pelos padres de sua geração e de sua diocese. Levaram-no seis vezes a Lourdes; ele compreendeu que a santa Virgem não o curaria, mas, apesar as grandes dores que a viagem lhe causavam, desejava retornar a Lourdes mais umas seis vezes, não para pedir sua cura, mas pela conversão dos pecadores. Almas vítimas, mais numerosas do que pensamos, trabalham neste momento, à exemplo de Nosso Senhor e de Maria, pela pacificação do mundo.

    Os sofrimentos do justo devem assim mais e mais se assemelhar à cruz de Jesus. Há três tipos muito diferentes de cruzes: a cruz do mau ladrão foi uma cruz perdida; há muitos sofrimentos perdidos no mundo, pois não são padecidos cristianamente; a cruz do bom ladrão lhe foi útil, ele pôde ouvir: “Estarás comigo esta noite no paraíso”; a cruz de Jesus foi redentora, não para ele, mas para nós. E quanto mais os santos se aproximam do Salvador, mais as suas cruzes assemelham-se à dele, mais são fecundas e, nas horas de maior tribulação, como as de agora 8, são eles, por seus sofrimentos aceitos por amor, que carregam o mundo e lhe permitem durar.

    A fecundidade da vida de reparação não cessou de se manifestar nos santos ao longo dos séculos. A exemplo de Nosso Senhor, os Apóstolos selaram seu testemunho com seu sangue e, durante os três primeiro séculos da Igreja, o sangue dos mártires não cessou de suscitar novos católicos. 

    Na Idade Média, são Francisco recebeu os dolorosos estigmas da Paixão do Salvador, são Domingos se flagelava três vezes a cada noite, pelos seus próprios pecados, pelos pecadores que iria evangelizar no dia seguinte e pelas almas do purgatório; ele quis que, na sua Ordem, além do estudo, da oração e do apostolado, fossem observadas práticas penitenciais.

    Este mesmo espírito se verifica nos grandes reformadores do século XIV: são Carlos Borromeu, santa Teresa, santo João da Cruz, santo Inácio. São Vicente de Paulo, no meio de seus duros trabalhos, aceita sofrer para libertar um teólogo das dúvidas que o tormentavam e, ele mesmo, durante quatro anos tem de superar heroicamente uma forte tentação contra a fé, o que multiplicou suas forças e tornou sua união com Deus ainda mais firme.

    No século XVIII, são Paulo da Cruz funda a Ordem dos Passionistas, consagrada à reparação e, ele mesmo, ainda que já tivesse atingido uma união muito íntima com Deus com a idade de trinta anos, atravessa quarenta e cinco anos de sofrimentos interiores ininterruptos pela conversão dos pecadores. Na mesma época, são Geraldo Maggela, filho espiritual de santo Afonso, é prevenido, por uma inspiração, que receberá uma oportunidade de se tornar santo, e deve estar atento para não perdê-la; pouco após, é gravemente caluniado, o que lhe acarreta uma sanção muito severa: é privado da comunhão; ele tudo aceita por amor de Deus. Meses depois, a calunia é descoberta, seu superior lhe pergunta: “Por que o senhor não se defendeu?” Ele responde: “Meu padre, está dito na sua Regra que não devemos nos escusar quando somos injustamente repreendidos”. Na mesma época ainda, são Bento-José Labre é modelo completo de vida reparadora.

    Por vezes, são as crianças que, movidas por uma inspiração divina, compreendem todo o preço do sofrimento aceito por amor. Nos últimos anos, em Roma, sob Pio XI, uma criança de seis anos e meio, Antonietta Meo, cuja vida já se publicou 9, com câncer na perna, aceita muito generosamente a amputação pelas grandes intenções da Igreja, e diz a seu pai, após a operação, no meio de muitas dores: “Papai, a dor é como o pano; quanto mais resistente, melhor; assim, quanto mais forte a dor, melhor se a aceitamos com amor pela conversão dos pecadores”.

    Estes elevados exemplos nos são dados de tempos em tempos para nos tirar de nossa sonolência, e nos convidar a oferecer mais generosamente as contrariedades ou penas que se  nos apresentam para reparar as ofensas cometidas contra Deus por nossas próprias faltas, e trabalhar pela conversão das almas, na medida em que o Senhor de toda eternidade quis para cada um de nós 10.

(Tradução: Permanência - Fonte: La vie spirituelle 277)

  1. 1. Ia IIae, Q. 87. De poena peccato debita.
  2. 2. Supp., Q. 15, a. 1.
  3. 3. Quanto a isso, os escoteiros da França, no dia 15 de agosto, deram um belo exemplo, ao fazer boa parte de sua peregrinação de Puy à pé e descalços, com uma perseverança e uma fé admirável, promissora.
  4. 4. «Senhor, meu Deus, a partir de hoje, de coração tranqüilo e submisso, aceito de vossa mão o gênero de morte que vos agradará me enviar, com todas as suas angústias, todas as suas penas e todas as suas dores». Indulgência plenária na hora da morte a todos os que recitarem esta oração após a santa comunhão.
  5. 5. Gl 6, 2.
  6. 6. Supp., Q. 13, a. 2.
  7. 7. Lembramo-nos da personagem Violaine, da peça L’annonce fait à Marie, de Paul Claudel, virgem contaminada com a lepra, que se oferece como vítima pela França na época do grande cisma.
  8. 8. Nota do tradutor: Estava a França ocupada pela Alemanha nazista quando foi escrito o presente artigo.
  9. 9. «Fiaccola romana» por Myriam de G., editora Berutti, Torino; prefácio do cardeal Piazza.
  10. 10. Ao término de sua peregrinação a Notre-Dame du Puy, os peregrinos diziam no seu Caminho da Cruz: “Senhor, por nossos pecados, aceitamos, a fome, o frio, a pobreza”.
AdaptiveThemes