Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

R

 

REMBRANDT
"Outros dez passos, e estamos diante de Rembrandt. Auto-retrato. Da juventude. Mais tarde pintará outro auto-retrato, que está no Louvre, e que os entendidos consideram obra mais perfeita. Vi-o, anos atrás, mas não tive a mesma forte impressão, ou não fiz a mesma descoberta de ontem: Rembrandt é o Bach da pintura (...) Quem será o Mozart da pintura?"
(Quadros em uma Exposição, in O Desconcerto do Mundo)
 
REVOLUÇÃO DE 1964
 
"Com  um  mínimo  de  choques  libertamo-nos  da  sarna  esquerdista  que  já  estava  No  Poder  e  já  iniciara  o  assassinato  de  um  grande  povo.  E  agora  os  outros  países  que  se  afogam  em  sangue  e  naquela  outra  substância  a  que  Bernanos  aludia  freqüentemente,  ousam  criticar  as  prisões  que  se  efetuaram,  e  dão  ouvidos,  e  proporcionam  todos  os  meios  de  publicidade  aos  maus  brasileiros  expulsos  do  país.  Em  abril  de  1964  nós  fizemos  aquela  única  Revolução  que Peguy  admitiu:  a  revolução  moral.  Seremos  nós  brasileiros  os  herdeiros  do  sangue  de  Peguy?" (Jornal do Brasil, antologia de citações, 7/7/78)
 
RIO ANTIGO
"A cidade era bela como as moças daquele tempo. Enquanto eram meninas cantavam de roda e não havia bairro sem cantos infantis a marcar o anoitecer. As meninas também brincavam com a boneca. Depois, quando acontecia nelas o mistério da transformação, que nesse tempo era posto em surdina, a menina punha vestidinhos compridos e virara flor à espera de quem descobrisse dentro da corola uma sede de amor. As moças de meu tempo ficavam à janela, ou no portão, cercadas de madressilvas. O namorado, olhava para ela de longe, muito tempo, encostado num lampião com as pernas trançadas, a torcer o bigode que nascia. Gestos, bigodes, lampião, calças, tudo passou. E como vento foi-se a suavidade e a doçura de viver acreditando em almas de flor. A rua da Cidade ajudava a viver. O transporte ajudava a respeitar. Quem nesse tempo ousava encostar de leve no sagrado corpo da menina-moça? Vinha o mundo abaixo, e o bonde inteiro ameaçava o audacioso, o perverso."
("Reminiscências", in Conversa em Sol Menor)
 
"O povo era mais bem vestido, e, sobretudo, a tenue, a posição do corpo era mais ereta, mais briosa, mais desempenhada que a de hoje. Corra você mesmo, leitor, seu álbum de avós e repare como eles eram mais altivos e verticais. E então? O que foi que houve com os homens, com as cidades? O que foi que aconteceu?"
("Rio Antigo", in Conversa em Sol Menor)
 
RISOS
"O cômico, como Bergson tão bem assinalou, supõe o social, isto é, supõe a possibilidade de imaginar um picadeiro para o personagem que se singulariza e uma arquibancada para seus juízes, que pronunciam às gargalhadas o seu curioso veredicto.
 
"Quem será então que se ri desse generalizado espetáculo que envolve três bilhões de palhaços? Às vezes nós conseguimos a ilusão de um camarote confortável que nos permita rir dos outros. Mas de onde vem esse eco, essa ressonância de um riso muito mais poderoso do que o meu? Quem está aí? Quem está por aí, nessas cadeiras vazias, a rir-se de mim?
 
"O mundo é um circo em que a arena e as arquibancadas são relativas. Três bilhões de autores mal ensaiados passam a vida a divertir-se, cada um apontando no outro o rabo de papel. Ou a trave no olho."
(Lições de Abismo, 15a. edição, Agir, pág. 92).
 
ROSÁRIO
"Uma das grandes crises de nosso tempo, especialmente dolorosa em meio católico, é a crise moral que se traduz no amolecimento chamado “falta de caráter” que parece ter-se tornado o novo caráter do homem mutacionado de nosso século.
"Ora, o melhor exercício espiritual para ganharmos a virilidade evanescente, para recuperarmos a coragem e o vigor de amar o bem e detestar o mal é o de tomar viva consciência de nossa linhagem sobrenatural, e das armas com que venceremos o mundo sob o signo da cruz de Nosso Senhor, que “já venceu o mundo”. E entre as armas do céu, especialmente eficazes contra os demônios que devastam as almas, é oportuno lembrar o santo rosário, cuja festa instituída por São Pio V em 1571 em agradecimento pela vitória de Lepanto, hoje esquecida e desdenhada pelos católicos que invocam a paz da carne e do sangue, por já não terem fibra e fé para pelejarem pela paz de Cristo."
(Editorial, Permanência, no. 48, Out. 72)
 
ROUSSEAU, JEAN JACQUES
"O leitor de sã formação filosófica, ou de robusto bom senso, descobrirá logo que Jean Jacques Rousseau, pretendendo arvorar a bandeira da santidade natural, da bondade sem contágios, da pureza sem salpicos, na verdade professava horror à natureza propriamente humana, valorizando a subnatureza, a sensibilidade em detrimento dos valores espirituais."
(Dois Amores Duas Cidades, Ia parte III capítulo, "conjunção dos pares")

 

AdaptiveThemes