Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

O culto do Espírito Santo - capítulo I

Corações ao alto: Sursum corda. Os sofrimentos do tempo presente nada são, se comparados à glória futura que se nos há de revelar. À consideração do fruto da vida eterna, caso ainda nos reste algum claro da luz verdadeira, algum sentimento de nobre ambição, diremos com o Apóstolo: Para ganhar o céu, de tudo fiz palha; candidatos à eternidade, imitemos o mercador de pérolas sobre que conta o Evangelho. Encontrara uma pérola que, por si só, era todo um tesouro. Em vez de gastar o tempo em perseguir, e o dinheiro em consumir outras pérolas, comprara aquela outra, vindo a ser o mais rico e feliz dos mercadores.

Mas como há de ser, tão grande recompensa para tão pouca labuta! O infinito pelo finito, qual o mistério? O Espírito Santo é amor infinito, e o céu, o reino deste amor. Esconde-se-nos a razão de tal proporção, mas o fato é inconteste. Afiança-nos a palavra divina, tornam-no sensível aos olhos as imagens presentes. Quem não presenciou a bondade, a grandeza, a prodigalidade de algumas árvores? Num instante meditado, fala-nos este espetáculo: para abrigar-se dos ardores soalheiros, aquecer o lar, cobrir a mesa de frutos suculentos, por anos a fio, ao homem basta-lhe o sacrifício dum só fruto, capaz quando muito da satisfação dum tênue apetite.
 
Aquele que multiplica, de tão espantoso modo, os frutos das árvores, prometeu-nos multiplicar, conforme a mesma lei, o fruto das obras: Centumplum accipiet. A quem cabe o direito de lhe duvidar da palavra, limitar-lhe o poder? Os milagres resplendentes da ordem material são pálida imagem dos milagres que se consumam na ordem moral. Quanto vai da diferença entre a humílima semente, plantada em terra, e a árvore magnífica, repleta de flores e frutos, segundo a estação, vai com usura da diferença que há entre o prazer fugaz, que sacrificamos ou cuja privação voluntária aceitamos, e as torrentes de deleites eternos com que seremos inundados.
 
Ora, nasce o fruto do fruto. Nasce o fruto da vida eterna dos frutos temporais, nossos conhecidos. Resta dizer o como cultivá-los. Há de se cultivá-los no cultivo da árvore que os carrega: esta árvore nada mais é que o próprio Espírito Santo (S. Agost., Enarrat, in ps. 145 n. 11, opp. t. IV p. 2333, edit. Noviss). Como cultivá-lo? Rendendo-lhe o merecido culto. Daí, duas perguntas: deve o mundo culto ao Espírito Santo? qual este culto?
 
1º Deve o mundo um culto ao Espírito Santo? Quando desejo obter a resposta a uma pergunta de história ou astronomia, interrogo os historiadores ou os astrônomos. Para saber se o mundo deve um culto ao Espírito Santo, dirijo-me aos mestres em ciência divina. São eles: o próprio Deus, Nosso Senhor, os Apóstolos, os Padres, a Igreja. Desde o começo do mundo, tais mestres ensinam em uníssono, de geração a geração, ao eterno soldado cujo nome é gênero humano: teus mais terríveis inimigos não são aqueles que vês, os homens de carne e sangue. Para ti, a verdadeira luta é contra o espírito do mal e suas hostes invisíveis. Quereis conhecer-lhes a natureza? é superior à tua. O caráter? são a própria maldade. O contingente? incalculável. Os artifícios? são os pais da mentira. O quartel? habitam o ar que respiras, investem contra ti mais ligeiros que a ave de rapina. Só, espírito luta contra espírito, Espírito do bem contra espírito do mal. Conservar-se escondido sob as asas do Espírito do bem, ou cair nas garras do espírito do mal, é a inevitável condição da tua existência. (Eph, VI; Corn. A Lap., ibid; 1Petr., V, 8). Assim em uníssono ensinam os mestres da ciência. Escutemos cada qual em particular.
 
Deus. A fim de tornar presença constante no homem a necessidade do culto ao Espírito Santo, escreveu Deus dois grandes livros: o mundo e a Bíblia. Com igual eloqüência, ambos os livros contam as glórias do Espírito Santo. O amor imperecível à humanidade, e a indispensável assistência sua. O céu e seus sóis, a terra e suas riquezas, o mar e suas leis, até o caos que ele ordena e fecunda, falam dele, assim como do Filho e do Pai. Mais de cinqüenta vezes, nomeia o Antigo Testamento, bendizendo-a, a terceira pessoa da Adorabilíssima Santíssima Trindade. Duzentas vezes prestam-lhe homenagem dentro do Novo Testamento.
 
Que revela a repetição tão freqüente, senão o papel soberano e eterno do Espírito Santo na obra da criação, do governo e da redenção do mundo? Que apregoa, senão o dever imposto aos homens e aos anjos de sempre tê-lo consigo, junto com o Pai e com o Filho, como objeto de seus pensamentos, orações e adorações? Adicionemos que se há de existir alguma preferência no culto incessante, esta recairá sobre o Espírito Santo, Amor substancial do Pai e do Filho. Ele só se revela nas mercês. Os dons da natureza e da graça vêm diretamente dele.
 
Nosso Senhor. Juntam-se a voz da Bíblia e das criaturas àquela da Verdade em pessoa, o Verbo encarnado. Nem exemplos nem palavras, nada omitiu o Salvador do gênero humano para nos instar ao amor do Espírito Santo e puséssemos Nele toda a confiança. O que era João Batista em relação ao Cristo, parecia Ele em relação ao Espírito Santo. O filho de Zacarias, o maior dentre os filhos de homens, foi escolhido precursor do Messias. O filho de Deus como que toma para si o papel de precursor do Espírito Santo, e parece não ter outro fim, senão o de preparar o mundo para recebê-lo.
 
Decidiu se fazer homem, mas quisera sua mãe esposa do Espírito Santo. Quisera seu corpo formado numa operação do Espírito Santo; que no dia do batismo o mesmo Espírito descesse sobre si visivelmente, e o conduzisse ao deserto, a fim de prepará-lo para sua missão. Durante o inteiro curso da vida mortal, mostra-se amiúde sob a dependência do Espírito Santo, que o conduz ao Calvário. Morto, é o Espírito Santo que o retira do sepulcro (Matth., IV, 1; XII, 18, 28; Hebr., IX, 15; Rom., VIII, 2).
 
Há mister de defender os direitos do Espírito Santo? Parece que se esquecem deles. Pronunciara o mesmo Cristo esta sentença: quem pecar contra o Filho do Homem, será perdoado; mas quem pecar contra o Espírito Santo, não será perdoado nem neste século, nem no vindouro (Matth., XII, 32). Deve-se reservar um lugar para ele dentro das almas? Jesus não hesita em separar-se de tudo quanto lhe era mais caro no mundo, de temor que tal presença constitua-se em obstáculo ao reinado absoluto do Espírito Santo (Joan., XVI, 7). Tais foram as palavras e condutas da segunda pessoa da Santíssima Trindade em face da terceira pessoa. Jamais céu e terra ouviram nem ouvirão nada tão eloqüente, acerca da excelência do Espírito Santo, do culto que lhe é devido e da necessidade de seu reinado.
 
Os Apóstolos. Instruídos na escola do Verbo e formados pelo Espírito Santo, contam os apóstolos a sua plenitude. Diante dos novos fiéis e dos perseguidores, em seus escritos e discursos, sempre trazem o Espírito Santo sobre os lábios. Aos diáconos o cuidado de alimentar os pobres; a eles, a missão de anunciar o Espírito Santo, de dá-lo a saber ao mundo e proclamar por toda parte a necessidade premente de submeter-se a seu império. Nada mais lógico. Qual sua vocação, e por que são eles apóstolos? A vocação é uma rija luta contra o espírito do mal, satã, deus e rei do mundo. Como apóstolos, está sua razão de ser na caça ao usurpador, fazendo reinar o Espírito do bem.
 
Qual nuvens salutares, soprados pelo Vento do Cenáculo, espalham-se para os quatro cantos do céu e fazem chover sobre todas as partes da terra – é neles em que o Espírito tem morada. Gigante desta imensa batalha, São Paulo o leva por durante trinta anos, de Oriente a Ocidente, e de Ocidente a Oriente. Em todo lugar, exalta as glórias do Espírito Santo, revela sua presença por meio de esclarecidos milagres, não cessa de rogar aos judeus e aos pagãos, aos gregos e aos bárbaros: “recebei o Espírito Santo; guardai-vos de entristecer o Espírito Santo; sobretudo, guardai-vos de expulsá-lo. Senão, permanecereis ou caireis no império do espírito infernal. Quem nega o espírito de Jesus Cristo, não tem parte com ele. Sem o Espírito Santo, nada podeis obrar para vossa salvação, sequer pronunciar o nome do autor da salvação e das graças” (Eph., I, 17; IV, 30; I Thess., V, 19; Galat., V, 16, 17; Rom., VIII, 9; I Cor., XII, 3).
 
O que Paulo ensina em Tessalônica, Efésio, Atenas e Corinto, ensina Pedro em Jerusalém, Antioquia, Roma; Bartolomeu na Armênia; Tomé nas Índias; André na Cítia; Tiago na Espanha. Mateus na Etiópia. Assim os apóstolos se nos deparam como homens do Espírito Santo. Pode-se definir o que eram suas pregações, viagens, milagres, sua vida sublime e sua morte não menos sublime: era o Espírito Santo anunciado, comunicado e apresentado para amor e obediência do mundo inteiro. Ora, a conservação dos seres nada mais é que continuação de sua criação. Caso o mundo cristão, formado pelo Espírito Santo, queira continuar a sê-lo, é imprescindível que permaneça fiel ao princípio de sua origem. Ótimo tema para reflexões em nossa época!
 
Os Padres. Aos apóstolos sucederam os padres da Igreja e os doutores. Eles viram com os olhos a mais espantosa das revoluções: satã expulso de seu império, e a humanidade, livre da escravidão, converter-se à liberdade, à luz e às virtudes do Evangelho. Nenhum deles ignora que o milagre da regeneração do mundo, maior que o da criação, não começou em Belém, mas no Cenáculo, por obra do Espírito Santo. Consumiam suas vidas na perpetuação e divulgação desta obra maravilhosa, como consumiram os apóstolos para estabelecê-la. Desde os primeiros séculos, a história mostra-nos os mais excelsos gênios de Oriente e Ocidente consagrando o saber e a eloqüência na explicação das prerrogativas do Espírito Santo, na justificação da divindade, na explicação das operações miraculosas, na demonstração da necessidade de seu reinado, na solicitação das adorações que lhe devem o gênero humano.
 
A exemplo do Apóstolo, São Crisóstomo, Santo Agostinho, São Jerônimo não se cansam de falar do Divino Paráclito. Dídimo, São Basílio, Santo Ambrósio consagram-lhe cada qual um tratado particular. As obras imortais de São Cipriano, Santo Atanásio, São Cirilo, São Gregório Nazianzeno, Santo Hilário, São Leão, São Gregório o Grande, Beda o Venerável, Ruperto, Santo Tomás de Aquino, São Boaventura, São Bernardo, Santo Antônio e duma multidão doutros são outros tantos canais por que corre abundante o ensinamento apostólico do Espírito Santo. A todos estes grandes homens, fundadores da sociedade cristã, nada lhes era tão caro como o inculcar no mundo o estado de permanente necessidade deste, que se há de viver ou sob o império do Espírito Santo ou sob o de satã.
 
Em nome de todos, ouçamos São Bernardo e São Crisóstomo. “Temos, diz o primeiro, duas prendas do amor de Deus por nós: a efusão do sangue de Jesus Cristo, e a efusão do Espírito Santo. Um de nada serve sem o outro. O Espírito Santo só se dá a quem acredite em Jesus crucificado. Mas a fé de nada serve, se não opera na caridade. Ora, a caridade é dom do Espírito Santo” (Epist. 107 ad Thom., Praeposit. de Beveria, opp. t. I, p. 294. n. 8 e 9, edit. Noviss).
 
São Crisóstomo: “Sem o Espírito Santo, nem os fiéis poderiam orar a Deus, nem chamá-lo de Pai. Sem ele, não haveria ciência, nem sabedoria na Igreja, nem pastores, nem doutores, nem santificadores. Em suma, sem ele não haveria Igreja” (In sanct. Pentecost., hom. I, n. 4, opp. t. II, p. 543; id., t. IX, p. 296, 297).
 
Caso não existissem Igreja, padres, doutores, nem possibilidade de orar, nem meio de lucrar do sangue do Calvário, como subtrair-se ao domínio do demônio? Ora, sem o Espírito Santo, nada disso existiria. As partes do mundo civilizadas pelo cristianismo seriam ainda como a China, as Índias, a África, o Japão, o Tibete, regiões sob o domínio do príncipe das trevas. Este é o ensinamento tradicional dos padres da Igreja. Existe razão mais poderosa acerca da necessidade de conhecer o Espírito Santo, de amá-lo, de adorá-lo e de submeter-se a seu império?
 
A Igreja. Para torná-lo indelével, tornando-o popular, a Igreja cuida de traduzir em atos esse ensinamento fundamental. Além do sinal da cruz, cujo uso freqüente, mui recomendado1, repisa diversas vezes ao dia às crianças o nome e a influência necessária do celeste Consolador, emprega ela mil outros meios de mantê-lo sempre em face de seu pensamento.
 
Qual seja, junto com o Pai e o Filho, o objeto invariável da liturgia, deseja a Igreja que uma festa, soleníssima, a cada ano, de geração em geração, recorde o reconhecimento das nações batizadas, recorde aquele a quem o mundo tudo deve: luz, caridade, liberdade, civilização no tempo, glorificação na eternidade.
 
Apresenta-se ele na vida da Igreja, na vida dos povos, ou na de particulares, nas circunstâncias em que a sabedoria do alto se torna especialmente necessária? A Igreja nunca deixa de se dirigir ao Espírito Santo.
 
A metrópole do mundo católico, Roma, está de luto. A morte, que não respeita ninguém, abateu-se sobre seu pontífice e rei. A Pedro se deve um sucessor, ao Filho de Deus um vicário. O Sacro Colégio está em assembléia, profundo silêncio engolfa o santuário, onde se dará continuidade à seqüência dos pontífices. Por onde começará o ato decisivo, quem deve depositar nas mãos dum frágil mortal o destino do mundo civilizado? A primeira palavra que escapa dos lábios dos anciãos, prosternados diante de Deus, é a invocação do Espírito de sabedoria, hino diversas vezes secular: Veni, creator Spiritus.
 
Da mesma forma que se perpetua o pontificado, assim o sacerdócio. Contemplem a tropa de jovens levitas que avançam modestos e tímidos em direção ao bispo, cuja mão lhes deve consagrar padres, segundo a ordem de Melquisedeque. Arautos da fé, modelos dos povos, missionários nas margens distantes, talvez mártires caso se precise de grandes virtudes, o consagrante tem necessidade de muitas luzes. Para lograr aos primeiros heroísmo, aos segundos discernimento, a quem a Igreja irá dedicá-los? ao Espírito Santo. Na ordenação, como no conclave, o hino real eleva-se ao céu, consagrando a augusta cerimônia desde o início: Veni, creator Spiritus. Desta forma, desde o pontífice posto no cume da escada sagrada, até o levita assentado sobre o último degrau, a hierarquia da Igreja perpetua-se sob os influxos do adorável Espírito que a forma.
 
Na incompreensível ternura para com os filhos dos homens, Deus em pessoa digna-se habitar sobre a terra: permite que lhe erijam templos. Quem os tornará dignos, estes templos materiais? Quem fará novos céus? É o mesmo Espírito que das castas entranhas de Maria erigiu o santuário do Verbo eterno. Ao chamado da Igreja, descerá até às moradas terrestres, as purificará, as ungirá com sua sagrada presença, e para sempre as fará agradáveis a Deus e respeitáveis aos homens. A invocação solene é o começo da imponente dedicação, que vai pedir com instância por sobre o trono o Espírito santificante: Veni, creator Spiritus.
 
Consagrar-lhe-ão augustíssimos templos. Aos pobres, aos órfãos, aos doentes, dar-se-ão padres e madres, irmãos e irmãs que lhes esposam os sofrimentos, aliviam as necessidades, desde o berço até à tumba e mais além. Quem operara tal milagre, desconhecido do mundo até antes do Pentecostes cristão? A partir de então, invocar-se-á o Espírito de devoção. Como no dia do Cenáculo, ele descerá; novos corações surgirão da ação de seu poder, e o mundo terá, nos religiosos e religiosas, contínuas gerações redivivas de mártires e apóstolos da caridade: Veni, creator Spiritus.
 
Por obra de pérfidas inteligências no humano coração, o espírito do mal conseguira aos pouquinhos franquear as muralhas da cidade do bem. A cizânia foi semeada no campo do pai de família. À vista da defecção dalguns, da conivência e cobardia doutros, os chefes das tropas ficaram confundidos. Tornou-se necessária uma regeneração, parcial ou total. Então, recorre a Igreja aos excelentes instrumentos que se chamam concílios e missões.
 
Recolhida, como os apóstolos no Cenáculo, começa invariavelmente na invocação do Espírito Santo formador e que, no formar, renova de alto a baixo a face da terra. Em favor de suas orações e cânticos, conjura-o à iluminar as inteligências; em ditar pessoalmente as decisões de fé e as regras de costumes; em dar eficácia à palavra do Verbo, em purificar os corações e em lhes influir, junto com a vida sobrenatural, coragem para a luta. Sob a influência sempre antiga e sempre nova do Espírito criador, luzes viventes derramam-se por sobre o mundo, transformações miraculosas se dão nestes novos cenáculos: Veni, creator Spiritus.
 
Tanto quanto o homem cristão, o homem social precisa do Espírito Santo. Em todas as ocasiões solenes, toma a Igreja o cuidado de recordá-lo disso. A morte que se abate sobre os pontífices não poupa os reis. O trono está vacante, deve-se preenchê-lo. Dar um rei a uma nação é presenteá-la com bem precioso ou funestíssimo. Bispo dos leigos, protetor, modelo e pai dos povos são tudo nomes dos reis cristão. Nestes nomes, quais os deveres? quem se elevará à altura da dignidade? quem lhe ensinará que o poder é um jugo? quem os despojará de si mesmo para ser um homem de todos? Somente o Espírito Santo opera este difícil milagre.
 
Sabe-o a Igreja: a sagração dos reis nada mais é que a evocação perpétua do Espírito de força, luz, justiça e caridade. Nesta terrível consagração, declara aos reis da terra: sois vassalos do Rei dos céus, obrigando-os a ser dele a imagem viva; para ele, como para o último dos súditos seus, há de prestar contas da administração: são estas as garantias para a felicidade temporal e a salvação eterna das almas! Ainda para as dinastias, que regalo de duração! Meteoros passageiros ou torrentes sempre a correr, eis o que foram e para sempre serão, caso se não sustentem no Espírito de Deus: Veni, creator Spiritu.
 
Fazer leis e aplicá-las com discernimento, i. é, distinguir por sua vez o justo do injusto, punir o culpado com utilidade, absolver o inocente com coragem, é tão importante para a felicidade das nações quanto a consagração dos reis. A prosperidade pública, a paz interna, o respeito externo, a fortuna, a honra, a liberdade, a segurança, a vida mesma dos cidadãos estão nas mãos do legislador e do juiz. Que responsabilidade!
 
Nem o próprio Salomão conhecia nada de mais temível. Já o paganismo disso não se dava conta, ou não o tinha em conta. Seus códigos testemunham que só se valiam das regras vulgares de prudência humana, ou o dictamen vacilante da eqüidade natural: amiúde o único deus invocado era o interesse, o capricho ou a força. Nas mesmas fontes de direito se desalteram os povos não-cristãos e aqueles que pouco a pouco o deixaram de ser. Daí, o escândalo das legislações e a iniqüidade das jurisprudências.
 
Comportam-se assim as nações nascidas no Cenáculo? de forma alguma. Quer a Igreja que os legisladores e os magistrados cristãos busquem inspiração na fonte da vida, tomando por regra constante a lei imaculada, de que o Espírito Santo é ao mesmo tempo o autor e o intérprete2: Veni, creator Spiritu.
 
Durantes quantos anos a velha Europa não assistira assembléias políticas, estados gerais, parlamentos, tribunais abrirem suas sessões com a invocação compenetrada do Espírito de sabedoria e de luz, sem o quê toda legislação é defeituosa, toda justiça cega, toda ciência perigosa ou vã? (Prov., VIII, 15. – Sap., XIII, 1). Aquela piedade não fora estéril. Enquanto o Espírito Santo dirigia os trabalhos, os legisladores e os magistrados não macularam os códigos modernos de quaisquer leis anticristãs, nem os anais dos tribunais de enormidades jurídicas.
 
Não basta para a Igreja a invocação do Espírito Santo, quando dos grandes momentos em que se deve debater o proveito geral das sociedades cristãs. Recomenda a todos os seus filhos, pouco importa idade ou estado, recorrer a ela no começo de suas ocupações. Assim, diversas vezes ao dia, sobre todos os pontos do globo, a criança cristã, que estuda as ciências sagradas ou profanas, clama ao socorro de sua jovem inteligência o Espírito de luz, coragem e pureza.
 
Quer dizer isso, para as jovens gerações que entram no embate da vida, receber a terceira pessoa da Santíssima Trindade? é por isso que a Igreja multiplica os esforços de solicitude materna. Instruções prolongadas, orações públicas e particulares, purificação da alma pelos sacramentos, anúncio solene do pontífice: tudo é posto em ação para de cada paróquia fazer um novo cenáculo3.
 
Junto com muitos outros, estes são os meios que sem cessar emprega a Igreja, para tornar o Espírito Santo sempre presente à memória e ao coração de seus filhos. Há como repetir com maior força a contínua necessidade que temos dele, enquanto homens e cristãos? É permitido afastar as recomendações tão instantes da mais sábia das mães? Não haveria ingratidão em esquecê-la? Qual dentre as criaturas possui todos seus dons? Não haveria perigo na pretensão de seguirmos sem ele, rodeados de inimigos que somos?
 
Não é o mesmo o perigo, tanto para os indivíduos como para as sociedades? Podem se imiscuir da alternativa imperiosa de viver sob o império do Espírito Santo ou sob a tirania do espírito do mal? Particularmente, nossa época goza dalguma imunidade neste jogo? Infelizmente, para ela, bem mais que para outra, o culto do Espírito Santo é, do ponto de vista apenas social, a mais premente necessidade do momento.
 
Esta época, tão confiada em ser mestra de si mesma, como se encontra? Interroguemos seus atos e tendências. O desarvorado luxo que a devora e convida a grandes brados a formidável reação do pobre contra o rico, o socialismo; o sacrifício perpétuo, e a cada dia mais comum, da consciência, da honra, da inteligência, da vida pública e privada ao culto da carne; a insurreição generalizada, inaudita, obstinada das nações contra Deus e contra seu Cristo; as torrentes de doutrinas envenenadas, noite e dia espalhadas pelo mundo, terríveis semeaduras, seguidas inevitavelmente por colheitas piores ainda: é o Espírito Santo que inspira e faz todas essas coisas? Se não é o Espírito de vida, é o de morte.
 
A qual dos dois pertencerá o amanhã? Quem quer sabê-lo desde agora, não interrogue a ciência e a diplomacia, basta olhar para qual lado se voltam as nações. Eis aí a questão. Para nós, se há algo evidente, é que o mundo atual, o infeliz suspenso por um fio sobre o abismo, deve ao Espírito Santo, seu único libertador, o mesmo culto, com isso querendo dizer as mesmas orações ardentes. Quem entenderá tal situação? Quem sentirá tal necessidade? Quem cumprirá tal dever? Ninguém ou quase; mas esta não é lá grande prova de que o que dizemos é a verdade. Terribilli et ei qui aufert Spiritum principium.
 
(Retirado de O Tratado do Espírito Santo; tradução: Permanência)

  1. 1. Um decreto de Pio IX anexa 50 dias de indulgência à prática deste sinal venerável. Ver nossa obra: Le Signe de la Croix au XIX siècle.
  2. 2. Nunca cessam de repetir, conforme Bossuet, que o direito romano é a razão por escrito. Nada mais falso. A verdadeira razão por escrito é o decálogo. Não houve nem haverá outra, jamais.
  3. 3. É de lamentar ao infinito que as prudentes intenções da Igreja não se cumpram sempre, e que, segundo um dito vulgar, a confirmação seja escamoteada em proveito da primeira comunhão. 
AdaptiveThemes