Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Semana Santa (3)

"Onde encontraremos pão para tanta gente?"

As portas se abriram e a luz de Jesus Cristo ressuscitado penetrou no templo novo e belo, na nossa igreja de Nossa Senhora da Conceição. As trevas em que estava mergulhada a igreja foram recebendo os primeiros raios de luz dessa Páscoa. O leve silêncio da noite que reinava sobre os bancos, sobre as colunas foi ouvindo um canto, vindo, vindo lá de baixo, dos graves, subindo até alcançar a plenitude da contemplação: Lumen Christi – Deo gratias. 

Todos os anos nós assistimos a esta mesma cerimônia e todo ano ela é nova e respinga de frescor e primavera. Hoje ela é ainda mais nova pois é a primeira na nova igreja.

Todas as cerimônias foram marcadas por esta circunstância que poderíamos chamar de “inauguração” ou talvez “invenção”, termo usado na liturgia para a festa da descoberta da Santa Cruz, por Santa Helena. Invenção de Cristo! Nós o achamos, nós o “descobrimos” pois “ele estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi encontrado”. Por isso tocamos os órgãos e cantamos os cânticos e nos alegramos e dizemos: Allelúia. 

As coisas estavam tão cheias da presença de Nosso Senhor, as cerimônias ganharam um esplendor que não conhecíamos na nossa saudosa capelinha provisória, montada no salão da casa paroquial até novembro passado. Os meninos vieram e dedicaram-se, nestes quatro dias, a arrumar, limpar, dar brilho, ensaiar. Souberam entregar-se a um esporte que já não atrai mais os seus companheiros de escola. A Santa Liturgia.

Queríamos fazer tudo ficar bonito e brilhante; eles se entusiasmaram com a idéia de ir buscar um tronco de eucalipto para fincar na frente da igreja, e nele fixar um holofote que seria aceso no momento do Glória da missa, iluminando os vitrais do altar, no meio da noite... O beata nox, havia cantado o celebrante no Exultet. E esses meninos a tornaram mais bela, mais abençoada, pelos gestos, pelo cuidado na preparação, tão necessários para que um padre solitário possa celebrar os dias santos com um mínimo de solenidade.

Já na Sexta-feira Santa, no momento em que o canto da Paixão, segundo São João é interrompido pela morte de Nosso Senhor, eles quiseram fazer a prostração juntamente com o padre. Nunca pensamos nisso porque nem havia espaço, lá em baixo. Mas o nosso presbitério, hoje, é vasto o suficiente para que tudo se faça com a dignidade exigida. Agora vocês imaginem, estes adolescentes com o rosto em terra em gesto de adoração! Coisas que não se vê muito por aí!

Os fiéis, por sua vez, corresponderam também, pela presença eficaz, principalmente na Sexta-feira, quando havia mais de 200 pessoas. Muitas confissões, todos procurando seguir no seu missal os principais acontecimentos que a Liturgia nos faz reviver nesses dias santos.

Na sexta-feira, o sacrário é deixado vazio, depois da comunhão. Nosso Senhor está morto, nós o adoramos pregado na Santa Cruz, mas não o temos conosco. É o luto e a dor pela morte de Cristo. No sábado, o dia todo passado sem ofícios litúrgicos, significando o silêncio do sepulcro, por detrás da pesada pedra que o fechava. E à noite, o Círio, a Luz, o Exultet, como descrevemos acima.

Pois foi exatamente dentro deste contexto espiritual, com as almas vivendo intensamente estes momentos, esta ausência dEle, que ouviu-se (quase) como que um grito de surpresa e interrogação. No meio da missa da Vigília Pascal. “Onde encontraremos pão para saciar tanta gente?”

No momento em que o sacerdote terminava a sua comunhão, deu-se conta que a âmbula, com as hóstias para a comunhão dos fiéis ficara na credência, ou seja, na mesinha onde ficam os objetos usados na missa. Não haviam sido consagradas! Não havia hóstias para distribuir a comunhão. Passados os primeiros momentos de perplexidade, ele virou-se para os fiéis e explicou a situação, convidando a todos a que voltassem à missa no Domingo de Páscoa para comungar.

E assim se fez.

Mas esse convite não foi suficiente para diminuir o constrangimento que isso causou nos nossos acólitos, nesses rapazes dedicados, que tanto trabalharam para oferecer a mais bela de todas as nossas Semanas Santas. Para eles foi um choque. Sentiram-se responsáveis pela falta e esmagados pela confusão, sendo preciso que muitos viessem consolá-los depois da missa.

Foi assim que Nosso Senhor nos deu uma boa lição nesta primeira Páscoa na nossa nova igreja. Ele nos mostrou que todo o lindo aparato litúrgico que conseguimos desenvolver, de nada valia, se nossas atenções não estivessem voltadas para o essencial: a sua presença simples e suave, real e terrível, milagrosa e eficaz, na Sagrada Hóstia, pela Transubstanciação do pão e do vinho no seu Corpo e no seu Sangue.

No dia em que Jesus se escondeu de nós e não veio nos visitar em sua Páscoa, compreendemos melhor o quanto ele nos faz falta e quanto devemos dar a Ele para poder dEle receber a Vida, a sua Vida Divina que do seu trono sagrado ele nos transmite, pela fé e pela caridade de Deus.

Aprendemos que devemos nos preparar sempre e sempre para comungar todos os dias e que não podemos deixar com que a rotina diminua o nosso amor e o temor pela Presença real de Jesus na Sagrada Hóstia.

E esta pequena história eu quis contar para todos, dedicando-a a todas as almas espalhadas pelo nosso Brasil e pelo mundo, que não têm onde comungar numa missa verdadeiramente católica; que são obrigados muitas vezes a suportar o vazio espiritual de tantos padres imbuídos do espírito de Vaticano II e que já não sabem mais o que é uma missa verdadeira.

No Domingo de Páscoa, enfim, nosso doce e bom Jesus apareceu novamente sobre nosso altar de pedra. E para marcar este reencontro, pela primeira vez tocamos o nosso sino “grande” na Consagração, como sinal desta comunhão pascal, desta comunhão eterna,  que dedicamos aos nossos irmãos que não puderam comungar nesta Páscoa. Hoje, graças à essa “ausência” do Sábado Santo e a esta “invenção”, esta verdadeira Ressurreição do Domingo de Páscoa,  nós sabemos o que significa não ter onde assistir a Missa Católica. E é por isso gostaria de terminar convidando a todos a preparar suas almas para a Festa de Corpus Christi, a festa do Corpo de Deus, que festejaremos na Quinta-feira 30 de maio, às 10:00 da manhã.

E é assim que podemos hoje desejar a todos Feliz Páscoa. Como  no Natal, não é a Páscoa do comércio, dos ovos de chocolate, mas Jesus Cristo Ressuscitado, este Jesus que aprendemos a amar na nossa Semana Santa e que se dá a nós todos os dias na Sagrada Comunhão.

Um único holocausto agradável a Deus

Os dias vão passando e já avançamos mar adentro nas águas da Santa Quaresma. Mesmo se muitos ainda não se dispuseram a incluir no seu dia a dia alguma mortificação, lembranças efêmeras da vida mortificada dos primeiros cristãos, outros já começam a tirar proveito espiritual e material pelos pequenos sacrifícios oferecidos generosamente diante do altar. Durante quatro semanas a Igreja nos convida a esvaziarmos nosso coração dos apegos à nossa vontade própria, às amarras múltiplas que nos prendem a esta vida, de modo a deixar espaço ao que vem pela frente. Se é verdade que o nosso sacrifício é tão fraco e pequeno, por outro lado, o Tempo da Paixão nos estabelece diante da Cruz do nosso Salvador. Ali então, se tivermos sido generosos nas quatro primeiras semanas, descobriremos maravilhados tantos reflexos luminosos do Sacrifício de Nosso Senhor Jesus Cristo. E esta palavra - Sacrifício - soará em nossos ouvidos e vibrará em nosso peito no seu significado profundo: Sacrum facere - fazer o sagrado. Em outras palavras, realizar os atos próprios daquilo que se oferece a Deus e que é aceito como agradável pelo Pai. De fato, o Pai enviou o seu próprio Filho, Deus de Deus, Deus verdadeiro de Deus verdadeiro, gerado não criado, com esta missão específica. Qual? Alguns dirão que Cristo veio ao mundo para pregar o Evangelho; outros que veio ensinar aos homens o caminho da paz. E têm razão. Mas nem a pregação do Evangelho nem a paz que lhe segue podem manifestar o fundo da missão do Messias. Ele veio para oferecer um único Sacrifício agradável ao Pai. Dirão então: quer dizer que aquela religião revelada outrora aos Patriarcas, pregada pelos Profetas e vivida com tanta dificuldade pelo Povo Eleito, na qual se encontravam tantos sacrifícios rituais, não foi agradável ao Pai?

Marcos da eternidade

No torvelinho das horas e dos dias convém considerarmos, vez por outra, os marcos imóveis, os sinais da eternidade.

AdaptiveThemes