Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Art. 3 ― Se a vontade se move a si mesma.

(De Malo, q. 6).
 
O terceiro discute-se assim. ― Parece que a vontade não se move a si mesma.
 
1. ― Pois, todo motor, como tal, existe em ato; ao passo que o movido é potencial, porque o movimento é o ato do que existe em potência, como tal. Ora, nada podendo ser atual e potencial, no mesmo ponto de vista, nada se move a si mesmo. Logo, também a vontade não pode mover-se a si mesma.
 
2. Demais. ― O móvel é movido pelo motor presente. Ora, a vontade estando sempre presente a si mesma, sempre a si mesma havia de mover-se, o que é claramente falso.
 
3. Demais. ― A vontade é movida pelo intelecto, como já se disse1. Se pois a si mesma se move, resulta que é movida simultânea e imediatamente por dois motores, o que é inadmissível. Logo, não se move a si mesma.
 
Mas, em contrário, a vontade é senhora dos seus atos e dela depende o querer e o não querer; o que não se daria se não pudesse mover-se a si mesma a querer. Logo, move-se a si mesma.
 
Solução. ― Como já se disse antes2, em razão do fim, objeto da vontade, a ela pertence mover as outras potências. Ora, segundo já foi dito3, o fim está para os apetíveis como o princípio, para os inteligíveis. Ora, é manifesto que o intelecto, conhecendo o princípio, reduz-se da potência ao ato, quanto ao conhecimento das conclusões, e deste modo a si mesmo se move. E semelhantemente, a vontade, querendo o fim, move-se a si mesma a querer os meios.
 
Donde a resposta à primeira objeção. — Não sendo no mesmo ponto de vista que a vontade move e é movida, não é também desse modo que é atual e potencial; mas, querendo o fim, atualmente, reduz-se da potência ao ato, em relação aos meios, para os querer em ato.
 
Resposta à segunda. ― A potência da vontade está sempre e atualmente presente a si mesma; mas o ato pelo qual a vontade quer às vezes o fim nem sempre nela existe, sendo por ele que a si mesma se move. Donde não se segue que sempre se mova a si mesma.
 
Resposta à terceira. ― A vontade não é movida pelo intelecto do mesmo modo pelo qual a si mesma se move; pois, ao passo que por aquele é movida quanto à apresentação do objeto, por si mesma o é quanto ao exercício do ato conforme a idéia do fim.

  1. 1. Q. 9, a. 1.
  2. 2. Q. 9, a. 1.
  3. 3. Q. 8 a. 2.
AdaptiveThemes