Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Primeiras impressões sobre o Motu Proprio Summorum Pontificum

Como todos já sabem, o Papa Bento XVI num ato histórico, devolveu à missa de S. Pio V um lugar dentro da vida eclesial moderna. Não é ainda o lugar de direito, visto que ela é ainda considerada como "forma extraordiána" do rito Romano da Missa. Mas é, sem dúvida, um lugar de fato, que abre aos padres escrupulosos e que sofriam as pressões do episcopado para não celebrar a missa tridentina um caminho de liberdade que pode causar uma redescoberta do patrimônio litúrgico por milhares e milhares de fiéis.

Os textos para a análise deste fato já se fazem numerosos, o que dificulta a rapidez da informação. Porém, como nossa orientação sempre foi a da formação, mais do que a da informação, nada de mais que esperemos alguns dias para que todos estes textos sejam devidamente traduzidos e analisados.
 
O fato é que Mons. Fellay, Superior Geral da Fraternidade S. Pio X, deixou claro em sua Carta aos fiéis, que é graças à Mons. Marcel Lefebvre e seu incansável combate pela tradição, no meio das perseguições e penas absurdas, que hoje se obtém do papa esta liberação parcial da missa católica. Assinala ainda Mons. Fellay como causa espiritual deste fato histórico, os dois milhões e meio de terços rezados no mês de Outubro passado nesta intenção.
 
É claro que estes primeiros momentos devem ser vividos na oração e na reflexão, mais do que no entusiasmo, pois junto com os benefícios, existem muitas ambiguidades, como por exemplo, a insistência do papa em dizer que as duas missas são formas diferentes do mesmo rito Romano do Missal. Analisando-se fria e teológicamente os dois ritos, ve-se que não cabe esta aproximação. Ao contrário, trata-se de duas concepções diferentes da Missa e é de extrema importância que se compreenda o porquê. Por ora, apresentamos um pequeno resumo esquemático, para posterior desenvolvimento:
 
Tridentina
Paulo VI
Sacrifício
Banquete
Ação sacrifical      (fazei ISTO)
Memorial     (em MEMORIA de mim)
Renovação incruenta do Sacrifício da Cruz
Narração da Instituição da Eucaristia
As difenças aparecem ainda nos aspectos secundários :
Lingua sagrada para um sacrifício
Vernáculo, para uma refeição
Todos virados para o altar do sacrifício
Todos em torno da mesa do banquete
Missa odiada pelos protestantes
Missa concebida com ajuda de seis pastores e com o aplauso de protestantes do mundo todo
 
Fica claro que se trata de ritos diferentes e que não é tão simples assim dizer que devemos aceitar a missa nova como plenamente católica. Graves dificuldades teológicas nos impõem uma atitude de defesa da fé, pois o rito novo "afasta-se no todo como no detalhe da concepção católica da missa tal como definida no Concílio de Trento" (Card. Ottavianni e Bacci, 1969).
 
Que muitos católicos descubram, pois, este tesouro de vida católica, de  dogmas católicos, de fé católica que é a Missa Tridentina, codificada por S. Pio V e armada por uma muralha protetora contra os ataques dos inimigos da Igreja. E que muitos padres voltem a celebrá-la, com piedade, com devoção, com fé.

AdaptiveThemes