Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Sermão sobre a falsa vergonha de se confessar os pecados

São João Crisóstomo

 

Todos nós, irmãos, sabemos que Nosso Senhor Jesus Cristo é bom, clemente, misericordioso, e não deseja a morte do pecador, mas que este se converta e viva. Vigiai, todos, e estai preparados, pois não sabeis a hora em que Nosso Senhor virá. Vinde, escutai suas palavras: arrependei-vos, pois se aproxima o reino dos céus. De resto, irmãos, o Juízo Final está às portas; haverá muitas lágrimas, gemidos e preces; sendo a oração necessária não apenas hoje, mas também amanhã.

A oração é, pois, o tesouro infinito de todo o bem, porto de calmaria, causa de tranquilidade, remédio do espírito, santificação do corpo e da alma; a oração abre as portas do céu, aproxima de Deus todos os homens, pequeno e grande, rico e pobre, e todo aquele que, com todo o coração, rezar todos os dias, tornar-se-á tão grande quanto os anjos.

Contudo, que dizem muitos com indiferença?

Sou pecador – um diz – oprimido e coberto de desonra. Não me atrevo a contemplar a grandeza do céu, pois pequei muito por pensamentos, palavras e obras, desperdiçando todos os dias, todas as horas de minha vida em coisas vãs. Com que liberdade posso me aproximar da igreja? Como abrirei minha boca indigna e impura? Como moverei meus lábios e pedirei perdão pelas minhas indignas ações perante Deus?

Assim vos fala satanás? Aprendei isto: Cristo não veio para chamar o justo, mas o pecador, pois assim diz: não vim para chamar os justos, mas os pecadores ao arrependimento.

Sou pecador – outro diz – como aproximar-me-ei da igreja e lá me tornarei justo? Dizes belas palavras que ouço, mas não as guardo. Que vantagem há para mim? Pois eu vos digo: se guardais ou não, apenas vinde à igreja e ouvi a leitura da Palavra Divina. Asseguro-lhes que se vós vos aproximardes da igreja, ouvirdes o Santo Evangelho e o ensinamento dos Apóstolos, ainda que tenhais o coração duro como pedra e o espírito selvagem como fera, sereis convencidos.

Sois pecador? Vinde à igreja, prostrai-vos, lamentai-vos, chorai. Pecastes? Confessai a Deus vossos pecados. Dizei consigo mesmo ‘pequei’; falai a Deus, que vos conhece antes mesmo de nascerdes, sobre o exame do vosso coração. Confessai aqui, sozinho, para não serdes acusado diante da miríade dos anjos e dos homens no dia do Juízo. Dizei-me o que vos parece melhor: confessar os pecados ao vosso pai espiritual estando sozinho na igreja, ou tê-los públicos no dia do Juízo diante dos anjos?

Sois pecador? Dizei apenas ‘pequei’ e nada mais vos será exigido além do arrependimento e da confissão. Que dificuldade sentis em dizer convosco mesmo ‘pequei’? Acaso vos envergonhais? Estais arrependidos e quereis ser salvo e disso vos envergonhais? E quando pecáveis, não vos envergonháveis? Quando praticáveis a impureza, não vos envergonháveis? Quando cometíeis adultério, não vos envergonháveis? Quando cobiçáveis a mulher do próximo, quando oprimíeis a viúva e desprezáveis o pobre não vos envergonháveis? Quando tomáveis o nome de Deus em vão, e levantáveis falso testemunho, quando fazíeis falsos juramentos, quando vos ocupáveis de toda espécie de obras más, odiadas por Deus, não vos envergonháveis?

Ó, amigos, como, tendo um Deus tão bom, negligenciai-o e não vos converteis? Cristo diz: não roubeis, não forniqueis, não cometeis adultério, não mateis, não levanteis falso testemunho, honrai vossos pais, amai vosso próximo como a vós mesmos, sede mansos, piedosos, pacientes, pacíficos e sereis julgados dignos do reino dos céus. Entretanto, quem segue tais mandamentos? Quem os dá ouvidos? Quem presta atenção? O diabo aconselha exatamente o contrário, e mesmo que saibamos que ofendemos a Deus dando ouvidos ao inimigo, ainda assim caímos nas tentações. Como escravos, atados nas mãos e nos pés, caminhamos, nos sujeitando à carne.

Eis que todos desperdiçamos a juventude da nossa alma; eis que envelhecemos e nos acostumamos ao pecado. Esforcemo-nos em praticar o bem para que sejamos achados dignos do reino dos céus, porque o diabo leva para o fogo e o castigo eternos e nós estamos caminhando para ele toda vez que pecamos.  

O que quereis vós? Ser como Cristo ou como o demônio? Desejais ser como Cristo? Então cessai de viver licenciosamente, cessai com as extravagâncias, com a luxúria, com os roubos, com a glutonaria, com os prazeres da carne, com os adultérios, com as zombarias, com as mentiras, com as bajulações. Não vos enganeis: nada disso entra no reino dos céus. Mas, se por outro lado, desejais ser como o demônio, e ir para o fogo da geena, vivei como quereis, nada vos impede. Trocareis os bens celestiais por desejos maus, impurezas, adultérios, glutonarias, imoralidades, e toda sorte de prazeres demoníacos. Pois se o Evangelho não vos convence, se a lei não vos corrige, se não confiais nos profetas, se não acreditais nos apóstolos, se não vos aproveitais dos conselhos dos patriarcas, então afrontais a Igreja de Deus e vos tornais semelhante à prostituta, trocando todo o Bem pelo mundo. Assim, já não desejais a salvação, nem a herança futura no dia do Senhor. Fugirão de vós naquela hora quando comparecerdes despido e constrangido no tribunal de Cristo diante dos anjos e dos homens, cobertos de vexame. Ali, o que será revelado? O que será exposto sobre vossa injustiça? Deus não pode ser escarnecido. Então ouvireis: atai-lhes as mãos e os pés e atirai-lhes nas trevas exteriores. Lá haverá choro e ranger de dentes. Quem, portanto, não lamentará? Quem não chorará por causa dos prazeres efêmeros após o castigo eterno?

Não vos enganeis. Deus não pode ser escarnecido. Está escrito: nem os devassos, nem os adúlteros, nem os maldizentes, nem os soberbos, nem os bêbedos, nem os injustos, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os idólatras, nem os blasfemos, nem os avaros terão parte no reino dos céus. Considerai todas essas coisas, irmãos, afastando-vos dessas práticas indignas, e que não tarde a ser derretida a frieza dos vossos corações para que fujais da ira futura e vos aproximeis do céu e da bem-aventurança eterna. Que possa descer sobre todos nós a graça e o amor de Nosso Senhor Jesus Cristo, que vive com o Pai e o Espírito Santo pelos séculos dos séculos. Amém.

 

Tradução: Vanessa Almeida

Fonte: CRISÓSTOMO, João. De Oratione. In: J.-P. Migne, Patrologiae cursus completus (series Graeca) (MPG) 62, Paris: Migne, 1857-1866: 737-740.
Retrieved from: http://stephanus.tlg.uci.edu/Iris/Cite?2062:322:0.

AdaptiveThemes