Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Estamos no século XX

Parte II - Capítulo I de “O Século do Nada”
 
 
ESTAMOS NO SÉCULO XX
 
 
 
"Não! não é por pessimismo e desespero que eu recuso o mundo moderno;
eu o recuso com todas as forças da minha Esperança
". Georges Bernanos, 1946.
 
"Nunca se dirá tudo das covardias que nossos franceses praticaram e praticarão
pelo medo de não parecerem bastante à esquerda
". Charles Péguy

As origens do século XX
 
Podemos demarcar essas origens por quatro acontecimentos, dois com caráter de escândalo, crise ou explosão, e dois outros com feição de inauguração, ou de fonte, mas todos, cada par a seu modo, com a mesma lei da continuação, que rege a vida e a história. As explosões ou crises não são criações novas, mas apenas conseqüências de acumulações anteriores; as inaugurações ou nascimentos também têm sua genealogia nas linhas-de-história que vêm de longe.
 
Mas se não há nada absolutamente novo “sub sole”, como diz o Eclesiastes, não se pode todavia negar certa especificidade que dá a cada época sua fisionomia particular. E eu tenho a firme convicção de que há alguma coisa de cromossômico nos quatro acontecimentos já mencionados, e que é deles que nosso bravo século tira seu ar de espanto e de desassossego.
 
São os seguintes os marcos ou germes:
 
a)     O “Affaire Dreyfus” que culmina no ano de 1898 com o artigo J’accuse...! de Emile Zola, e com o manifesto dos intelectuais na mesma data.
b)     A crise “modernista” na Igreja começada nos últimos anos do século XIX e combatida por Pio X desde 1903 até 1907, data da encíclica Pascendi, que enquadrou doutrinariamente e condenou os vários erros convergentes naquilo que o próprio Pio X chamou “encruzilhada de todas as heresias”.
c)     No mesmo ano em que começou o processo do capitão Dreyfus, 1894, dois jovens católicos fundam a revista e o movimento chamado Le Sillon (O Sulco), que parece inspirado pelo movimento do catolicismo social, mas na verdade traz a semente de um hibridismo, da qual nascerá o itinerário ou o sulco da “esquerda católica”, com o sentido especial de que já falamos no capítulo II.
d)     Na mesma data, 1898, Charles Maurras escreve Enquête sur la Monarchie, com a qual nasce seu interesse e sua paixão política, e portanto nasce a Action Française, cujo crescimento e cuja crise, em 1926, terão incalculáveis conseqüências para a França, para o mundo e para a Igreja.
 
Neste capítulo tentaremos estudar o andamento das duas linhas-de-história dinamizadas pelo jogo “esquerda-direita”, mas inicialmente devemos abrir um tópico para o estranho “Affaire” que parece ter uma função genética decisiva no mundo cujo nascimento foi festejado com o que hoje poderíamos chamar de cômico otimismo.
 
 
Uma sinistra explosão de “sinistrite”
 
Revelem-me o quase trocadilho que já é um mau começo de uma história que foi para a história do século um mau começo; e até digo um mau “negócio”.
 
Tudo partiu de um erro judiciário e de uma criminosa falsificação que em outras circunstâncias — sim, em outro ponto da história e em outro país — seriam arrastados pela onda de acontecimentos e se corrigiriam sem tanto alarde, ou mesmo sem se corrigirem desapareceriam nos ralos da história ou da des-história, que de minuto em minuto escoam os erros, as injustiças, e as variadas mesquinharias e baixezas que todos nós vivemos a produzir neste mundo sublunar.
 
Sem duvidar da generosidade desta pobre humanidade já tão caluniada, diria que é um erro pensar que todo o colossal arruído em torno do “Affaire Dreyfus” teve como causa principal a justa indignação desencadeada por uma estúpida injustiça quase acidental, agravada pela inépcia das autoridades, elevada ao cubo pela descoberta de uma intenção teimosa de não corrigir o erro para não abalar as instituições, e finalmente exponencializada pela evidência de uma falsificação criminosa.
 
Fossem outras as ressonâncias e implicações, bastariam o suicídio do coronel Henry, a heróica honradez do coronel Picquart e a reabilitação do inocente capitão Dreyfus para encerrar o assunto. E não estaríamos aqui a remexer essas lembranças que têm a minha idade, e portanto mais três ou quatro anos do que o próprio século.
 
Mas o turmoil que envolveu o desventurado e medíocre capitão Alfred Dreyfus não tem nenhuma proporção com os fatos interligados, nem se explica cabalmente pela indignação dos que apostavam na inocência de Dreyfus, nem pela desconfiança dos que suspeitavam sua culpa.
 
Contribuiu muito para o apaixonado interesse do mundo inteiro a descoberta sensacional do petit bleu em 1896. O capitão Dreyfus já comparecera em conselho de guerra sob a acusação de haver vendido à embaixada alemã documentos secretos. Toda a acusação repousava, ou tentava repousar sobre um documento, o famoso bordereau, que atribuíram ao capitão Dreyfus. Já vários indícios deixaram entrever a imperfeição do processo, mas a condenação à degradação do oficial e sua deportação para a Ilha do Diabo foram acolhidas friamente pelo público. E até Jaurés, que ninguém suspeitara de militarismo e de excessivo apego aos valores que começavam a estremecer, lamenta publicamente que aquele traidor não tenha sido fuzilado. A descoberta do petit bleu, encontrado numa cesta partido em 32 pedaços, dificilmente reconstituídos, evidenciou a presença de um personagem até então alheio ao processo:  o coronel Esterházy. Cresce rapidamente a suspeita e espalha-se a notícia. A 14 de setembro de 1896 L’Eclair publica um “histórico do processo Dreyfus”. Alguns dias mais tarde a Revue Blanche publica a primeira edição de uma brochura intitulada Une erreur judiciaire, de Bernard Lazare. E nesse dia começou propriamente o “Affaire” em todas suas prodigiosas dimensões.
 
A partir desse dia, em qualquer ponto de Paris, onde estivessem três ou mais pessoas sentadas bebendo um refresco, passeando num jardim, ou reunidas num salão, poderíamos apostar que estavam discutindo interminavelmente o “Affaire”.
 
Quem quiser maiores detalhes sobre o processo, poderá encontrar nas Oeuvres Complètes de Roger Martin du Gard, ed. Pléiades, um excelente resumo feito por Jean Bloch Michel, nas páginas CLI e seguintes o tomo I, à guisa de introdução ao romance Jean Barois, que gira em torno do “Affaire”.
 
O que não se vê nesses resumos objetivos, por falta de conexões históricas, é a razão profunda de tão pasmoso abalo produzido na estrutura da nação francesa. Péguy e seu amigo, o judeu Bernard Lazare, foram talvez, na época, as únicas pessoas do mundo que sentiram, digo melhor, que adivinharam os abismos místicos eclipsados pelas aparências políticas. É Péguy, em Notre jeunesse, quem contrapõe esses dois termos para explicar que o “Affaire” tem uma forma visível, real, verdadeira mas superficial, e outra forma, profunda, só perceptível para uma alma profundamente cristã e profundamente francesa ou para uma alma profundamente francesa e profundamente israelita.
 
Péguy tem a dolorida simplicidade de afirmar que eles dois, Bernard Lazare e Péguy, foram heróicos. “Nós fomos heróicos...”. e explica que pode dizer isto porque mais ninguém no mundo o dirá, ninguém saberá que ele foi heróico, que Bernard Lazare foi heróico, o que é verdade para Bernard Lazare que morreu na total obscuridade, pobre e desprezado pelos próprios judeus, mas estava reservada para Charles Péguy outra morte e outra sorte, que viriam dar um sentido novo e antigo às virtudes militares de que tanto falou o poeta sem saber que falava de si mesmo, e que falava para purificar a França ferida na honra militar.
 
Péguy tornou-se, e permanecerá, enquanto permanecerem resíduos da França, o arquétipo do francês que não sofre contestação. Poeta admirável, herói admirável, Péguy tornou-se a hipótese de uma França ideal que deve ter um mapa moral no céu das essências.
 
O clamor que circundou o “Affaire” e o sofrimento indizível que Péguy tenta dizer provam a existência de todo um tremendo processo sísmico por baixo do erro judiciário. O que o mundo ouvia eram os estalos, os rumores subterrâneos de toda uma civilização concentrada naquela nação que é a “file ainée de l’Église” e “le plus beau royaume après le royaume de Dieu”. Não é em vão, nem por pouca coisa que um país carrega tão esmagadores títulos. E tenho para mim que Bernard Lazare, apesar de judeu e de se dizer ateu, sentia, através de Péguy, toda a tragédia de desmoronamentos de valores cristãos; e que Péguy sentia, através de Bernard Lazare, as dimensões maiores da tragédia que, sem o Antigo Testamento, teria uma parte velada.
 
Em termos mais tranqüilos, estavam em jogo, nesse misterioso “Affaire”, categorias que transcendem a história e as dimensões superficiais da vida humana. Estava em jogo o princípio da autoridade, mal servido pelos que tinham mandato para representar a honra militar. E contra esse princípio, acobertados pelo “pretexto” da injustiça praticada, levantaram-se os ateus, os inimigos da Igreja, os inimigos da ordem em nome de um ideal de Revolução. Foi terrível e irreversivelmente desastroso para a França o fato de terem razão os Emile Zola e os Anatole France, não apenas contra os culpados de criminosa falsificação mas contra os princípios que esses homens traíam, e que aqueles desprezavam. Parece pouco generoso e até ilegítimo duvidar da pura generosidade de todos aqueles que criaram um alarido na defesa de um inocente injustamente condenado e degradado. Mas, meus queridos, a pura generosidade não sendo matéria tão abundante, nem tão disseminada entre os homens não é injusto duvidar de sua presença neste ou naquele caso. Acontece que os personagens em questão escreveram muitas outras coisas além de J’accuse...! e de Île des Pingouins. E o mundo católico alfabetizado sabe perfeitamente que espécie de testemunho da verdade deram esses mesmos escritores em outras circunstâncias. Os parentes espirituais de Renan tinham no erro judiciário uma excelente ocasião para golpear as instituições e os princípios com que Ernest Psichari, o neto do Renan, conseguira salvar o seu tesouro1.
 
Outro elemento em jogo no “Affaire” é Israel. Nem mais nem menos. Acontece que o incriminado era judeu, e isto bastava para que toda “uma família espiritual” se apoderasse da circunstância para clamar contra o anti-semitismo dos franceses tradicionais. Porque o francês é tradicionalmente anti-semita, não pela estúpida razão dos nazistas, mas pelo fato de constituir a comunidade judaica um nacionalismo enxertado em outro vigoroso nacionalismo. O processo de rejeição da biologia verifica-se também na sociologia. O francês não considera o judeu uma raça inferior, poderá até admitir que os judeus constituem uma nação especialmente apta, inteligente e diligente. Mas custa a ver um francês num judeu. Esse anti-semitismo não leva ninguém a cometer nenhuma injustiça, mas conduz as pessoas a escolherem livremente suas dileções.
 
Escrevo estas coisas com desembaraço porque me sinto pessoalmente livre delas. Como brasileiro, e suponho que razoavelmente bom brasileiro, não tenho a menor dificuldade de admitir que um judeu seja brasileiro. O mecanismo de rejeição cultural e racional, em mim não funciona. E até funciona ao contrário. Passei toda a vida entre amigos judeus, como se eu fosse um deles.
 
Espero que o leitor, que acaso tenha chegado até aqui, seja suficientemente sábio para compreender que, por isso mesmo, por minha absoluta e total incapacidade de rejeitar uma nação, eu compreendo o mecanismo da rejeição de um católico francês do tipo dos membros da Action Française. Trata-se apenas de uma irritação cultural parecida com a anglofobia dos mesmos franceses. Como estamos cansados de saber, o francês é periodicamente inimigo do alemão, em termo militares; mas é anglófobo em termos culturais, eu até diria é fraternalmente e constantemente anglófobo.
 
E é essa espécie do chamado anti-semitismo da “Action Française” — Brasillach, o admirável Robert Brasillach, fuzilado em 6 de fevereiro de 1945 como colaboracionista, quando a guerra já acabara, seria anti-semita dessa espécie; mas, por acaso?, foi o único escritor francês que, durante a ocupação alemã, escreveu em Je suis partout contra a prisão dos judeus e especialmente contra a diabólica crueldade com que os nazistas, nas prisões de judeus, separavam os pais dos filhos!
 
O fato de ser judeu o capitão Dreyfus foi um atrativo a mais para os dreyfusards que ostentavam estandartes da justiça a serviço do ódio, do ceticismo, da inimizade, do socialismo. Com o “Affaire” começou em França o jogo “esquerda-direita” em toda a sua crueldade, e em sua intrínseca falsidade.
 
Além disso, ofereceu-se uma excelente oportunidade de humilhar e confundir os católicos, que estavam habituados, secularmente habituados, a viver, a não separar sua fé católica de um sentimento de brio, de cavalheirismo, e sim, de um sentimento de honra que só se encontra com essa especial feição na França de São Luís e na Espanha de Santa Teresa. As outras nações do mundo terão suas maravilhosas qualidades específicas, e por isso suas específicas vocações. Duvido de que alguém, mais do que eu, tenha admirado o humour heróico com que os ingleses, em 1941, salvaram a Inglaterra e o mundo. E valho-me deles, não me lembra se de Belloc ou Chesterton, para admirar a maravilhosa e comunicativa “humanidade” do povo italiano. Na Itália, dizia o inglês, sente-se o humano como se sente o cheiro de queimado. E os russos, os russos de Tchekhov, de Puchkine, de Dostoiewski? E os russos de Mussorgsky?
 
E nós? Modéstia à parte, eu também acho que o povo brasileiro tem uma insubstituível vocação, e já deu provas disso na maneira sui generis com que expulsou e expeliu a mais cruel enfermidade social e política do século.
 
Mas, voltando ao povo francês e à composição de Fé e sentimento de honra que caracteriza a parte mais sólida de seu catolicismo — a parte que mais tarde será chamada de “droite” e de “integrista” — preciso fazer um reparo: todos os homens, e por igual motivo todas as nações têm os defeitos de suas qualidades. No sólido, vigoroso e brioso catolicismo francês as desfigurações, representadas pelos personagens de Mauriac, ou por um Oscar Thibault, são especialmente aberrantes. Mas os católicos que sofreram com o “Affaire” foram os melhores, foram aqueles que de repente, inexplicavelmente, viam escarnecidos todos os valores essenciais a propósito de um suposto erro judiciário em que se achava envolvido um judeu, e em que seriam os piores inimigos da Igreja que tinham razão. Esses mesmos católicos franceses que Yves Simon diz terem sido “a quase totalidade dos católicos franceses”, sofreram vinte e cinco anos mais tarde a crise da Action Française, e até o ano de 1941 serão apontados, por um francês, como capazes de uma desonrosa e brutal injustiça. Eis o que diz Yves Simon:
 
O “Affaire Dreyfus” foi também uma crise religiosa, porque a quase totalidade dos católicos, cegos pelas paixões dos grupos com os quais tinham insensatamente ligado sua sorte, se pronunciaram pela culpabilidade do capitão Dreyfus. Ora, era uma questão de fato: o capitão Dreyfus era inocente de traição cometida por outro capitão chamado Esterházy. (Yves Simon se enganou no posto. Esterházy era de fato coronel). Mas Dreyfus era judeu, Estérhazy não era judeu; era preciso então que o culpado fosse Dreyfus. Mas a causa de Dreyfus era defendida pelo partido republicano, por numerosos maçons, pelo partido socialista: logo era preciso que Dreyfus fosse culpado. Entre os partidários de Dreyfus havia grande número de inimigos da Igreja, do exército e da ordem política: logo era preciso que Dreyfus fosse culpado. Pouco importava a realidade dos fatos (...) Com poucas exceções, os católicos franceses se engajaram a fundo na campanha anti-dreyfusarde contra a justiça. A justiça triunfou; mas esse triunfo acarretou a desonra daqueles que tinham combatido contra ela. (...) Em 1937 um grande católico me dizia que, se se reproduzisse um novo “affaire”, não seria possível obter esse escândalo devastador: O mundo católico se levantando em bloco (ou pouco menos) em favor de um erro judiciário”.
 
Dificilmente encontraríamos um documento que melhor exprimisse o trágico equívoco do “Affaire” que esta página de uma espantosa, de uma apavorante infelicidade, escrita por um filósofo católico que deve saber o que é justiça, que deve saber o que é honra, que deveria respeitar o foro interno nas argüições de pecado contra a justiça, e que deveria saber distinguir os vários graus de certeza ou de crença antes de escrever esta frase monstruosamente falsa: “o mundo católico se levantou como um bloco em favor de um erro judiciário”.
 
Nunca vi mais leviana acusação levantada contra milhões de irmãos na Fé por um prestigiado pensador católico, no mesmo passo em que abre todos os créditos para as retas intenções dos piores inimigos da Igreja.
 
Analisemos esse expressivo tópico; mas antes disso declarar que desde que me entendo sempre me pareceu pacífico este ponto: todos os homens de bem tinham sido dreyfusistas, como Péguy e Bernard Lazare; mas acrescento: nunca me passou pela idéia que fossem desonestas todas as pessoas que tinham sido antidreyfusistas. Essa idéia não me aparecia jamais como aceitável, mesmo nos tempos em que, simples engenheiro e não-católico, jamais lera uma página de Santo Tomás.
 
E agora abordemos o problema de “psicologia da crença ou do assentimento” dos católicos franceses em face do “Affaire”. A primeira coisa a criticar na página de Yves Simon é a simplicidade com que diz: “ora, era uma questão de fato; o capitão Dreyfus era inocente, e a traição tinha sido cometida por outro, o coronel Esterházy”. Mas esse fato só se impôs como um fato depois de todas as provas, e depois de serenada a atoarda ensurdecedora, e estonteante, criada em torno dele.
 
Durante a evolução do processo os católicos não estavam diante de uma coisa evidente, nem mesmo de uma coisa fortemente provável e parecida com a evidência. Em relação ao objeto “Affaire”, inacessível a cada cidadão francês, a não ser pela leitura de jornais e pelas conversas e comentários, o cidadão médio francês só podia formular um juízo de fé humana, ou de certeza moral sujeita a todas as revisões. O bordereau e o petit bleu não foram nem podiam ser examinados por cada francês; e ainda que os jornais reproduzissem todos os documentos, não poderiam os leitores não-especialistas decidir com firmeza o veredicto final. Estamos dentro de uma explosão de opiniões formuladas com uma desproporcionada veemência, em inteira desproporção com as possibilidades de averiguação direta. Qual era então a razão de tamanha veemência, de parte a parte, onde faltava a evidência e onde todos se moviam em termos de certeza moral? Era simplesmente esta que formulamos sem nenhum trêmulo de indignação, porque faz parte do modo social de apreciar os acontecimentos: na verdade o colossal debate, desde o início (e excetuadas as pouquíssimas pessoas em contato mais direto com o caso, como por exemplo o heróico Coronel Picquart), se deslocara para um debate de idéias, de valores abstraídos, por assim dizer, da atoarda nascida em torno de um caso. Tendo os católicos diante dos olhos a notícia de um caso turvo, como tantos ocorrem todos os dias, começaram a se inquietar quando observaram que todos os inimigos da Igreja tomavam posição a favor da inocência de um judeu condenado por um tribunal regular, degradado, deportado, e apontado como traidor da Pátria. Os mecanismos psicológicos da Fé humana são conhecidos: onde nos faltar um critério próprio de certeza, valemo-nos do que dizem aqueles em quem temos confiança, e também, antiteticamente, valemo-nos do que dizem aqueles em quem não temos confiança, e até suspeitamos interesses ideológicos.
 
Se esse processo for impugnado, torna-se impraticável não apenas a vida social como também a vida religiosa, onde a Fé divina que vulnera os corações é sempre encaminhada, ajudada e agasalhada pela fé humana. O filósofo Yves Simon faz a caricatura de um processo psicológico normal, e logo acrescenta o valor moral negativo, sem nenhuma necessidade a não ser a de denegrir seus correligionários, quando diz:
 
Entre os partidários de Dreyfus havia grande número de inimigos da Igreja, do exército e da ordem política: logo, era preciso que Dreyfus fose culpado. Pouco importa a realidade dos fatos.
 
Essa afirmação, prodigiosamente caluniosa na sua forma desastrada, eqüivale a esta outra:
 
A quase totalidade dos católicos franceses em 1898 era composta de patifes capazes de condenar um inocente (ainda que tivessem a evidência dos fatos) só porque era judeu, e defendido por materialistas, maçons e socialistas).
 
Mas então, meu Deus! o catolicismo, a religião, a distribuição do corpo e do sangue de Nosso Senhor é definitivamente uma monumental invenção da tolice humana, muito mais ineficaz do que a filantropia dos rotarianos e dos maçons. O que me parece sobremodo esquisito é o fato do filósofo francês (falecido anos atrás) não ter desconfiado em 1941 que estava cometendo contra milhões de compatriotas e correligionários uma injustiça mais grave do que aquela que lhes atribui. E só trouxe até aqui esses comentários em torno do texto de Yves Simon para mostrar a perturbadora gravidade do famoso “Affaire”. Este prestou-se admiravelmente para o primeiro impacto da Revolução às portas do século XX. O fato deu ganho de causa às forças sabotadoras da Autoridade, da Ordem e da Igreja. É triste observar que em 1941, com quase meio século de distância, ainda se vê um filósofo católico afirmar:
 
1)     que a quase totalidade dos católicos se pronunciou formalmente a favor da injustiça;
 
 
2)     que os inimigos da Igreja se bateram e se pronunciaram formalmente a favor da justiça.
 
 
Mas, meu Deus!, será preciso explicar que os revolucionários, os contestadores, os anunciadores de um mundo novo sempre poderão encontrar neste pobre mundo alguma boa e sólida injustiça praticada por católicos, por pais de família, por militares, por homens de governo, em cima da qual, vingadores, justiceiros e eloqüentes, possam denunciar a inutilidade dos governos, a perversidade dos exércitos, a decadência da Família e o ridículo anacronismo da Igreja?
 
E com estas considerações cremos ter justificado o título deste parágrafo. O “Affaire” foi efetivamente a primeira explosão ou erupção de “sinistrite” do século.
 
 
Le Sillon, Marc Sangnier
 
Nesses mesmos anos de agitação e de uma vitória inicial do revolucionarismo ateu e anarquista, travestido aqui e ali de liberalismo, nasceu o movimento e a revista Le Sillon, com todas as marcas do democratismo e de certo anarquismo que se dizia muito evangélico e fraternal. É um movimento católico, na direção geral do catolicismo social, mas dotado de uma condimentação especial que o distingue das atividades de um De Mun ou de um Ozanam.
 
É paradoxal a feição dos grupos formados em torno de Marc Sangnier. De um lado, predomina o espírito de camaradagem fraterna que vem dos tempos de Crypte, formada no colégio Stanislas, e que dá ênfase à igualdade, sem nenhuma distinção de idade ou de classe, tratando-se todos, uns aos outros, de “tu”, ainda que um seja jovem estudante e outro um sacerdote; de outro lado, nota-se um tal ascendente de “Marc” sobre seus companheiros que, sem nenhum exagero, se pode dizer que “o Sillon tornou-se uma monarquia absoluta submetida à autoridade de Marc Sangnier” 2.
 
A dedicação, ou melhor, a submissão dos companheiros a “Marc” chegava ao dom total, à renúncia de carreira, e até de casamento3. Estranho personagem esse Marc Sangnier, cujo caráter Maurice Vassard esboça com sua imperturbável objetividade: “ O movimento que apregoa uma alma comum não possui todavia senão um chefe, Marc Sangnier, humilde e egocêntrico ao mesmo tempo, desejoso de expansão e rebelde a qualquer forma codificada de organização, pródigo de seu tempo e de afeto para a conquista dos corações, e capaz de quebra-los, numa brusca indiferença, quando já não sente passar a corrente que alimentava a flama” 4. Tem toda a razão Manuel Zurdo Piorno quando diz que “la silueta espiritual de Sangnier, creador del movimento democrático, ofrece um extraño parecido con la del fundador del Espirit 5.
 
Ainda mais sugestivo é o retrato esboçado por Adrien Dansette sem sombra de desconfiança:
 
Sim — suspira com saudades esse amigo sillonista, — sua dominação era feita de um olhar belo, esse olhar puro do amante casto e entretanto dominador (!!!), era feita de gestos ternos — braços oferecidos ou apertados nos ombros do amigo — e do calor de uma voz com ressonâncias profundas e familiaridades de linguagem — o tratamento fraterno, o “tu” e o emprego exclusivo do pronome possessivo antes do prenome, “meu Carlos”, “meu Paulo”, e sobretudo a compreensão dos tormentos e dos impulsos da juventude... 6
 
O grupo de Le Sillon se propunha uma atividade social, democrática, que levasse aos meios mais diversos e mais humildes o fermento evangélico. A tônica do movimento é “o pobre”, o homem da humildade comum, e o objetivo era não somente a evangelização mas também a elevação social e temporal. Não era muito difícil prever os deslizes de um movimento que ousava abordar o mais penoso dos problemas temporais com mais vibração e calores da sensibilidade do que firmeza de doutrina.
 
Estamos num ponto da história do Ocidente marcada pelo otimismo. Há na manhã do século uma brisa de liberalismo e de democratismo. Leão XIII, com a encíclica Graves de communi (18 de janeiro de 1901), erguera uma barreira aos transbordamentos da “democracia cristã” e das correntes que, com as melhores intenções, e sempre invocando o interesse das classes desfavorecidas e as injustiças dos dirigentes, tomavam essa direção da história que segue a lei da matéria, da entropia crescente, mais do que a lei da vida e do espírito. Os famosos abbés democrates, que anunciavam a democracia como termo da evolução social, já naquele tempo diziam coisas que se tornaram triviais dentro da confusão ideológica e doutrinária da seita chamada “progressista”. Diziam, por exemplo, que a Igreja é essencialmente democrática, ou estruturada de baixo para cima, coisa que todos os papas até Paulo VI condenaram; e viam no caráter institucional e hierárquico da Igreja algo que se opunha ao ardente zelo evangelizador e igualizador de que se sentiam possuídos.
 
Com exceção do italiano Muri, que apostatou, os demais “padres democratas” se submeteram. Contam que foi edificante essa submissão, e que o padre Naudet, “que ia ao povo já que o povo não ia ao padre”, lera de joelhos a encíclica que vinha por água na excessiva fervura.
 
Algum dos modernos, creio que no tempo dos padres-operários, já observou que sempre que surge um ardoroso movimento de evangelização, a Igreja entrava e o bloqueia. E faz bem, porque na maioria dos casos o ardor de novas iniciativas mais se nutre de amor-próprio inquieto e ávido de sucesso do que se inspira de pura e casta caridade. A grande calamidade que aflige a Igreja de nosso tempo tem origem, ou fator dominante, numa inversão de atitude que levou a Igreja, aí pela década dos 40 e dos 50, a ver as efervescências sem a antiga e sábia reserva.
 
Estamos ainda no começo do século; Le Sillon no berço mereceu todas as bênçãos de Pio X e depois “cresceu nos joelho dos bispos”, como dizia Marc Sangnier numa imagem de gosto discutível. Mas logo, com o crescimento, começou a extravasar, a tornar-se o grand Sillon que recaía nos erros apontados por Leão XIII. Começou por contatos tolerantes demais com os protestantes, prosseguiu na direção do democratismo, e enveredou pelo caminho que leva à negação do princípio de autoridade.
 
Em 25 de agosto de 1910, Pio X dirige uma carta ao episcopado francês lembrando “os bons tempos do Sillon” e lamentando os desvios que, sem trair o seu dever, o Papa não podia deixar sem advertência e sem censura. E logo no primeiro parágrafo o grande e santo Papa toca o nervo inflamado: “O Sillon pretende escapar à direção da autoridade eclesiástica quando seu fim, seu caráter e sua ação pertencem ao domínio moral, que é o domínio próprio da Igreja”. E mais: “Levado por um mal norteado amor pelos fracos, resvalou no erro” e, “tomando como ideal o nivelamento das classes”, os “sillonistas andam ao arrepio da doutrina católica”, e desconhecem as exigências de uma civilização cristã. Mais adiante diz o Papa que “o Sillon deixou-se ir na esteira da quimera socialista”. Censura ainda o Papa a influência exercida pelo Sillon sobre seminaristas e sacerdotes, subtraindo-os à autoridade dos bispos.
 
Na verdade, a idéia central do Grand Sillon, ou de “Marc”, era a exaltação do homem, da dignidade humana que só é possível, como tão bem assinala Manuel Zurdo Piorno7, onde a consciência autônoma estiver liberada de qualquer vassalagem e obediência, e onde puder reger-se a si mesma sem exigências externas de governantes, patrões ou superiores hierárquicos8.
 
E aí está o princípio nuclear do anarquismo, que está no centro de gravidade da “Esquerda”. E é fácil ver, desde já, que Sangnier, prolongado, passa por Mounier e chega à escatologia marxista: a sociedade sem classes.
 
Marc Sangnier submeteu-se filialmente, e procurou novas direções para seu fidelíssimo rebanho. Deixou assim o exemplo de perfeita e suave submissão, mas insensivelmente evolui, “progride” e mais tarde, num mundo católico desembaraçado da presença de Pio X, e numa França católica afastada da Action Française, vamos encontra-lo na onda esquerdista elevadora e sustentadora do Front Populaire, que derrotou a França. E com eles multiplicam-se os casos e alarga-se a esquerda católica, que desonrou a França.
 
Com seu jornal La Democratie, e mais tarde no seio das Ligas da Jovem República, Marc Sangnier continua, diz Charles Lédré9, mais ou menos conscientemente, a obra que o Papa Pio X condenara. Em 1936, diz Jacques Marteaux, não hesitará em se aliar, no Front Populaire, aos piores inimigos da Igreja10.
 
 
Duas reflexões sobre o caso Le Sillon
 
A primeira se refere ao límpido desembaraço com que Pio X dizia: “levado por um amor dos pobres mal norteado, resvalou no erro”. Hoje anda completamente esquecida a doutrina que exige a retidão do amor e que não se dá por vencida diante de qualquer declaração sentimental. E por causa do esquecimento da sã doutrina todos se intimidam, e se rendem quando um Dom Hélder, ou outro demagogo da mesma espécie, atira os braços, olha para o teto e gargareja: “os pobres! os pobres!”
 
A segunda coisa digna de reparo é a força do empuxo telúrico que vem da corrente revolucionária que, como já dissemos, segue a lei da matéria inerte e não a lei da vida e do espírito. Passou por cima das comportas traçadas por Leão XIII, transbordou as represas de Pio X, contornou Pio XI e Pio XII e veio inundar nosso tempo. Dirão os marxistas que isto decorre do determinismo histórico geológico ou infra-histórico, já onde impera a lei da matéria pode haver evolução, mas história só há onde impera, ou procura imperar, a lei da razão.
 
 
“Action Française”, Charles Maurras
 
A enorme vantagem publicitária capitalizada pelos socialistas, liberais e revolucionários de vários matizes no rumoroso e desastroso “Affaire Dreyfus” despertou logo, nas consciências mais apuradas para as necessidades vitais da França, o desejo de uma organização que militasse na defesa dos valores e ideais ameaçados. Com esse ânimo formou-se uma efêmera Liga da Pátria Francesa, da qual permaneceram dois grupos: os “Patriotas”, guiados por Paul Deroulède e Maurice Barrès, e a “Action Française”, fundada por Charles Maurras e Henri Vaugeois. Com a morte de Vaugeois, ficou Charles Maurras na direção do movimento e do jornal L’Action Française.
 
Começava na França, quase imperceptivelmente, o jogo “esquerda-direita”, como uma espécie de guerra civil latente, mas logo marcada com sangue. Em setembro de 1923, a anarquista Germaine Berton, com a intenção de matar Maurras, entra na redação do jornal e atira em Marius Plateau, que cai mortalmente ferido. Dias depois, uma enorme multidão, com mais de vinte mil royalistes, acompanha o enterro de Plateau até o cemitério Vaugirard. Nesse mesmo dia os dois movimentos fundiram-se num só, e Charles Maurras não só liderou mas identificou-se com a Action Française, sem todavia exercer nenhum superiorato sobre os principais colaboradores, que se contavam entre os maiores valores intelectuais da França: Léon Daudet, Jacques Bainville, Henri Massis, Georges Bernanos, Jacques Maritain. Apoiavam o movimento e o jornal os mais reputados teólogos e vários bispos e cardeais, e grande maioria do povo católico.
 
Podemos dividir em dois planos o programa que já se vê condensado na denominação.
 
O primeiro é um programa de ação bem definido e particularizado no espaço e no tempo: servir a França, concretamente encarada e muito concretamente amada. Ora, essa França, na inabalável convicção dos militantes das A.F., tinha profunda identidade marcada pela monarquia e pela Igreja. O movimento e o jornal de mesmo nome, l’A.F., existiam para lutar por um “nacionalismo integral” e para não permitir que as forças de dissolução do internacionalismo socialista, maçônico, revolucionário, desviassem a França de sua verdadeira vocação.
 
Quem quiser, poderá hoje sorrir dessa mística, sobretudo quando considerar os caminhos percorridos desde então pela França. Já se disse muitas vezes que Maurras era um empirista, o que é verdade em certo sentido, porque não “doutrinava” em termos universais mas em termos imediatamente aplicados, experimentados, ou percebidos no caso particular francês graças a uma conaturalidade, a uma identificação que lhe deu uma extraordinária lucidez que só costuma nascer dos grandes amores. Se, por exemplo, era monarquista, de modo algum pretenderia demonstrar que o regime monárquico era exigido pela lei natural. Sua “doutrina” era válida para a França, que ele conhecia por dentro e com a co-naturalidade que só o amor pode dar.
 
O segundo plano em que se desenvolvia a programação da A.F., quase à revelia da violenta paixão de Maurras, era mais universal e por isso de interesse geral. Em sua curta e turbulenta existência da A.F. defendeu, contra a torrente revolucionária, os valores universais por ela ameaçados: a autoridade, a ordem, a tradição, e de um modo geral todos os valores que a Igreja difunde e defende.
 
A Charles Maurras e aos homens da A.F. é que se aplicaria bem a frase que Maritain, em Le Paysan..., dedicou às esquerdas: “em matière politique et sociale leur instinct les pousse vers la bonne doctrine”.
 
E aqui se arma um curioso problema que deve ter parecido misteriosíssimo para os homens daquele tempo, muito mais do que para nós, que temos já desenvolvidas as conseqüências do drama, e quase podemos dizer que já conhecemos a chave do enigma. O fato é que Charles Maurras, dizendo-se um homem sem fé, e depois de uma literatura ostensivamente pagã e às vezes quase blasfematória, põe-se à frente de um movimento que defende a Igreja de todos os sucessivos ultrajes sofridos dos governos da república, e congrega em torno de si os católicos mais sérios de França. O mundo católico inteiro sentiu a irradiação dessa alma poderosa, e aqui no Brasil Jackson de Figueiredo, fundador do Centro Dom Vital, foi um maurrasseano fervoroso.
 
Mais adiante veremos que esse homem terrivelmente sacudido por Pio XI foi na verdade sempre misteriosamente marcado pela solicitude da Igreja e pela comunhão dos santos.
 
O fato é que esse “homem sem fé” teve sempre uma total e nunca desmentida confiança na doutrina da Igreja e nunca molestou a Fé dos mais lúcidos católicos que a seu lado viveram longos anos, até as vésperas da crise de 1926, sem nenhum sinal de atrito motivado por questões doutrinárias. E aqui torno a lembrar os filósofos e teólogos que apoiaram ou fizeram parte da A.F. Jacques Maritain, por exemplo, ingressou no movimento a instâncias do Père Clerissac e nele se manteve durante 15 anos sem dar o menor sinal de inquietação até as vésperas da ruptura e da “condenação” de Pio XI.
 
O conhecido lema “politique d’abord” não significava de modo algum uma afirmação doutrinária do primado do político sobre a religião e os demais planos da vida humana, mas apenas especificava o caráter temporal e não-confessional da A.F., e marcava, isto sim, o primado do político nessa ordem. A A.F., dizia Maurras, não se intitula Ação Católica, nem Ação Social, nem Ação Popular, embora trabalhe para o povo e sustente as teses sociais de Albert de Mun, de La Tour du Pin e de Le Play, e embora seja ardentemente católica (no sentido de defender todo o ensinamento e todos os interesses da Igreja).
 
Além da atividade doutrinal e jornalística  com que a A.F. fazia ato de presença todos os dias na pulsação da vida política da França, havia ainda a ação física: sempre que a honra do país o exigisse, a A.F. estava presente nas ruas por seus mais jovens militantes, os Camelots du Roi. “A.F. tem a palavra, mas também tem braços”, e nos casos mais quentes tinha punhos. Nos tempos mais amenos, os Camelots du Roi angariavam assinaturas e faziam cobranças. Um desses jovens Camelots du Roi, que certamente não era o mais calmo nem o mais timorato, chamava-se George Bernanos.
 
Tomada como “movimento histórico”, que realizava o mais vigoroso engajamento numa realidade nacional em movimento jamais visto, A.F. surgiu como adversário implacável da corrente revolucionária, que evoluiria rapidamente em direção ao marxismo. Concretamente, Charles Maurras opunha-se, atravessava-se no caminho de Marc Sangnier e dos sillonistas com a disposição marcial de Pétain em Verdum: “ON NE PASSE PAS”.
 
Mas a enxurrada avolumou-se, os rancores eclesiásticos deixados pela enérgica repressão de Pio X se coligaram para derrubar o movimento que naquele tempo se opunha a ISTO que hoje devasta a Igreja. Conseguiram em 1926 como adiante veremos, uma condenação (pastoral e não doutrinal) de Pio XI, que depois deu sinais visíveis de reconhecimento do erro em que caíra, erro para o qual contribuíram a agressiva e descomedida reação da A.F. e seu incontido non possumus. E mais tarde os descendentes do Sillon, de braço dado com os comunistas, conseguiram o resultado prático que mais pesará na história da França: ao soldado da Igreja e da França, ao último soldado da França, ao patriota infatigável, lutador de todas as horas, no fim de sua enorme vida, como prêmio de tão longo e constante amor foi dada — por aqueles que não tinham combatido ou tinham combatido combates oníricos ou simbólicos — a prisão perpétua por crime de traição à Pátria!
 
 
Os homens da Action Française
 
A A.F. foi o que foram seus homens. Para compreender a grandeza da tragédia desencadeada em torno da A.F. é preciso considerar que a A.F. ousava opor-se, o ponto mais concentrado, digamos até mais estrangulado da Civilização Ocidental, à onda que nascera do desmoronamento da Civilização Cristã e durante quatro séculos se avolumara; e também é preciso levar em conta que nenhum dos combatentes principais, Maurras, Léon Daudet, Bernanos, Barrès, Bainville, Massis, jamais recuou diante de alguma ameaça, e jamais hesitou em receber, em posição de combate, un enemi de plus! Mas também não se entenderia a A.F. sem conhecer a espécie de gente, obscura, humilde mas tenazmente apegada à sua Fé e à sua Honra, que a condenação de Pio XI deixou “condenada à morte” como ainda ontem me dizia o artista pintor Bernard Bouts, pensando em seu país, na Bretanha. 
 
Num livro injustamente esquecido11, Robert Brasillach injustissimamente condenado à morte em 1945, quando já não havia mais guerra, pelo crime de não haver participado da Resistance, Resistance que aliás resistiu a coisa alguma, deixou-nos uma página inesquecível:
 
Mas, do interior, chegavam-nos notícias penosas (sobre a condenação da A.F.). Velhos monarquistas (royalistes) que no tempo dos inventários se tinham arruinado pela Igreja, viam-se privados de sacramentos na hora da morte. E o enterro civil dessa pobre gente fazia escândalo nas aldeias, onde nunca se vira tal coisa.
 
Os padres estavam dilacerados pelo conflito. Num livro admirável12, Jean Varende deixou-nos um pungente testemunho dessa crise imensa que foi certamente a maior crise espiritual de uma época. Varende pintou, magistralmente, as cenas dos pobres velhos despojados de sua fé nacional, perturbados na sua fé religiosa, e o desamparo enorme em que fora atirada a consciência católica dos franceses (...). Nada mais duro do que uma perseguição eclesiástica. Viram-se passar enterros sem padres, caixões que os humildes membros da fulminada A.F. depunham no chão diante da porta fechada da igreja, enquanto o povo do lado de fora, em voz alta, recitava salmos e rezava terços. E atrás daquela porta fechada muitas vezes o padre estava mais atormentado e mais comovido do que o povo diante do qual era obrigado a fechar a porta.
 
 
Léon Daudet
 
No mesmo livro Brasillach lamenta a falta de um talento literário igual ao de Léon Daudet para nos deixar o retrato de Léon Daudet, que encheu um quarto de século com o fulgor de sua bravura e o estentor de seu riso de ciclope.
 
Quando Daudet e Maurras se encontraram, os amigos vaticinaram uma efêmera união, de um mês no máximo, dada a violência de transbordamento vital de um e a violência de intransigência do outro. Durou trinta anos a inalterável amizade e o inalterável respeito mútuo, e essa maravilhosa estabilidade atravessou todas as tormentas exteriores sem abalo interior. “No termo da viagem, quando se sentia desapegado de tudo, e os olhos se fixaram sobre a face de um outro mundo, Daudet concentrava seus últimos empenhos de viver neste condensado programa: ‘Minha oração à noite... e minha vida por Charles Maurras’” 13.
 
Para Maurras, surdo desde os quatorze anos, murado na “tragicomédie de ma surdité”, Daudet surgira como um mundo de exultação nova que se abria, a começar pela quase milagrosa possibilidade de ouvi-lo: “Aquela voz portentosa, meio clarim, meio trovão — dizia Maurras — que ele não precisava forçar para que eu ouvisse, foi para mim, em nossos primeiros encontros, a mais deliciosa de todas as surpresas, que na continuação sustentaram a força de nossa coletividade, e o vigor e a continuação de nossa amizade. Seria ridículo imaginar que disto tudo dependeu; mas tudo ficou facilitado, aplainado a simplificado” 14.
 
“Ao som de sua voz, que dava ao que Daudet dizia uma fascinação espantosa, somava-se o riso, aquele riso homérico, um desses risos que imaginamos ser o dos deuses divertidos com o espetáculo da estupidez dos homens”.
 
E, adiante, Massis descreve uma sessão da Câmara:
 
Quando Briand, com sua sinuosa melodia, pensava ter enfeitiçado toda a Assembléia, e contava assim arrebata-la até as nuvens, enquanto a oposição adormecida pela carícia, à direita e à esquerda, desmaiava vencida aos pés da tribuna de onde se evolava a música sedutora... de repente estoura uma trovoada, um riso, uma gargalhada de potência sobre-humana que parecia descer de um céu encolerizado pela impostura e pela mentira!
 
Rompido o encantamento, as cabeças se levantavam, as espáduas se endireitavam, os contínuos acordavam, os estenógrafos se aprontavam, as conversações retomavam seu curso e o público, nas galerias, se divertia e os jornalistas, no alto, se contorciam de prazer. Briand, sentindo fugir o chão, curvava-se olhando de soslaio com olho mau, e esperando com os ombros arqueados. A réplica de um adversário fez o discurso ricochetear, mas um riso?! Muitas vinganças futuras se explicam... 15
 
Tempos depois, no dia 24 de novembro de 1923, os deuses sequiosos se vingaram. O filho de Daudet, Filipe, de 14 anos, foi encontrado morto num táxi, com uma bala de revólver na nuca. Dias depois elucidou-se o caso, o menino fora atraído por uma armadilha anarco-policial. Léon Daudet, depois de levar o caixão de seu filho até a sepultura no Père Lachaise, ergue-se como um leão ferido e dardeja denúncias sem mediar as conseqüências. E o mundo estupefato recebe a notícia do processo e da condenação de Léon Daudet a 5 anos de prisão. Mas, logo depois, com a notícia da fuga espetacular de Daudet, Paris inteira se ri do governo, como se as tremendas energias sísmicas de Daudet se tivessem espalhado por todo. Mas a dele próprio estava quebrada.
 
Maritain escreveu a Massis: “Acabo de ler l’A.F. que me dá a notícia... Que tragédia atroz! É apavorante o contato com esses abismos de ódio imundo...”.
 
 
Um belo defensor da Fé
 
Pelo que até aqui trouxe, penso ter inclinado o leitor à compreensão de duas coisas que compõem a tragédia da A.F.: a admiração e dedicação que seus dirigentes despertavam nos meios católicos cristalizados nas mesmas convicções profundas, e a irritação terrível que produziam, e da qual Léon Daudet já neste ponto pagou seu tributo.
 
Depois das intrigas urdidas pelos militantes da “corrente” que hoje inunda e suja o mundo, e depois da desastrada reação colérica da A.F. contra o pronunciamento de Pio XI interditando a leitura de l’A.F., e do lamentável non possumus de que Charles Maurras em seguida se arrependeu, mas tarde demais, todos gritarão que Maurras é um pagão, e que sua filosofia política levava ao naturalismo. Mas, para entender o drama da A.F. em toda a sua extensão, largura, altura e profundidade, como hoje podemos melhor do que nos tempos de crise, é preciso começar pelo pontificado de Pio X, para ouvir do grande Papa canonizado por Pio XII o elogio de Charles Maurras, trazido de Roma, como uma jóia fabulosa, por Camille Bellaigue, nos últimos dias de 1914.
 
Camille Bellaigue pedia ao Santo Padre que se dignasse abençoar o escritor que muitos queriam condenar, e cujo processo de condenação o próprio Papa, seis meses atrás, mandara arquivar.
 
—  Nossa benção?! — exclamou o Papa. — Todas as nossas bênçãos! E diga-lhe que ele é um belo defensor da Fé16.
 
O primeiro  a admirar-se foi o próprio Maurras. Confuso e emocionado, perguntou se o Papa não teria dito “de la Chiesa”. Isto, ele entenderia, mas “de la fedde...”. Bellaigue entretanto confirmava a palavra do Papa: “belo defensor da Fé”.
 
Pobre Maurras. Aos quatorze anos, tão cheio de vida, de projetos, tão faminto de tudo, de repente, no decurso de uma aula, sentiu desaparecer quase totalmente o mundo dos sons. Desesperado, concentrou-se todo no imenso desastre que atingia, talvez mortalmente, uma vocação impetuosamente dirigida para a grande lei da tradição viva, com elos de palavras ouvidas e de palavras transmitidas. Maurras surdo é um contra-senso tão brutal como Beethoven surdo. Desesperado, o jovem Maurras concentrou-se todo na procura de um reequilíbrio ou na compensação do imenso desastre que atingia a razão de ser de sua vida, isto é, a comunicação de um ideal. E, nessa vigorosa convergência de todas as potências da alma, deu-se acordo de uma desatenção para os objetos, valores, idéias e crenças de sua vida de adolescente. Um bloqueio brutal empurrou e sepultou nas profundezas da inconsciência todas as aflorações e emergências que nos dão clara consciência de nossa fé profunda. Parecia-lhe que perdera a Fé de seu batismo e de sua infância. Além disso, e por um ingente esforço de compreensão, agarrou-se, crispou-se nas experiências empíricas, e compôs, em torno do núcleo aristotélico-tomista que nunca perder, uma ganga de positivismo político. Além disso, cumpre notar que, a despeito de sua prodigiosa capacidade de estudo, Maurras é mais militante do que filósofo, mais soldado do que monge. Foi o último soldado de la France des Boubons, de Mesdames Marie, Jeanne d’Arc et Therèse, et Monsieur Saint-Michel.
 
Sua obra literária de juventude é marcada por uma espécie de insolência pagã. Chemin du Paradis e Anthinea têm páginas intoleráveis para uma alma cristã, e certamente não faltaram zelosos para destacar frases antigas na hora do encaminhamento a Roma da denúncia levantada contra a Action Française.
 
Em 1898, dentro da atmosfera do “Affaire Dreyfus”  nasce em Maurras o militante político e desde logo se evidencia sua envergadura, seu sistema profundo de convicções, do qual A.F. tirará uma figura homóloga, e na qual em lugar de destaque, e como pedra angular, estava a Igreja. A França era o que era, e o que devia ser, pela Igreja e por seus reis. Filosoficamente, o esquema parecerá simples demais, particularizado demais se tomarmos o termo Igreja como pura instituição exterior, moralizadora e civilizadora; e até parecerá errado se pensarmos que nele a monarquia é apresentada em termos universais e como exigência da lei natural. É preciso lembrar que Maurras não quer universalizar; quer apenas, e tenazmente, lutar pela realidade concreta, palpável, pela qual dará seu sangue e sua vida. E se aqui prevalece um empirismo, que é dever de ofício do soldado, mas no homem de letras e de memoráveis lides verbais não deixa de ser uma fraqueza, é preciso não esquecer que Charles Maurras foi ininterruptamente poeta e grande poeta.
 
Todas as madrugadas, depois de doze ou dezesseis horas de trabalho, Maurras, já idoso, saía da redação com passo leve, busto altivo de espadachim — e pelas ruas adormecidas, sem sinais de cansaço, ia compondo poemas ou recitando ao acaso da lembrança seus autores fundamentais: Lucrécio, Virgílio, Mistral.
 
Num homem assim feito é difícil imaginar que se contentasse com um pragmatismo, dentro do qual a Igreja não excedia as dimensões culturais que harmoniosamente modelaram a história da França. Ele não podia dizer aos outros sua Fé teologal na Igreja una, sancta, catholica et apostolica, por não achar como dize-lo a si mesmo, ou por não saber como livrar-se do despotismo das potências exteriores que lhe davam, para compensar a surdez para a paisagem dos sons exteriores, uma outra surdez para os gemidos interiores.
 
Hoje, com o que sabemos da história inteira de Charles Maurras, podemos tranqüilamente pensar que a Fé sobrenatural andou nele oclusa, a se filtrar nos subterrâneos da alma, mas nunca esteve morta. Naquele tempo, e sobretudo nos dias tempestuosos de revolta contra um ato da Igreja, que lhe pareceu incompreensível, era plausível ver em Maurras um descrente, e ver na sua filosofia política “tendências para o naturalismo”.
 
“Mas os santos vêem mais longe” — diz-nos ainda Henri Rambaud no mesmo artigo17.
 
Os santos vêem mais longe... Meio século passou-se desde aquela benção de Pio X, e se ainda parece paradoxal o título de defensor da Fé dado a um homem dela afastado desde a adolescência, e a um homem que mais adiante ficará doze anos em conflito violento com Roma, e só reatará a comunhão dos fiéis nas últimas horas de sua longa e poderosa vida, a verdade desse paradoxo é para nós muito mais perceptível desde que se tornou evidente o imenso empreendimento de subversão que hoje devasta a Igreja, e que Pio X vigorosamente combateu na sua origem...
 
De que lado estão hoje, no atual dilaceramento dos cristãos, os espíritos que Maurras ajudou a formar? Em vão os procuraremos entre os promotores das novidades que, sob pretexto de tornar a fé mais acessível e mais pura, substituem o culto de Deus pelo culto do homem.
 
No campo adverso não somos tão pouco numerosos, e não é política, aliás desigualmente distribuída, que explica nosso congraçamento.
 
Forçoso é reconhecer que a ação daquele “descrente” não foi nociva para as próprias crenças que ele não partilhava e que mais lutou por preservar sua integridade do que para abalar seus princípios.
 
E foi isto que Pio X viu meio século antes. Mas não só ele. Como adiante veremos, o próprio Pio XI, logo depois dos primeiros anos da crise, também viu, e com extraordinária solicitude procurou corrigir o catastrófico mal-entendido.
 
 
O que a surdez de Charles Maurras nos revelou
 
Ainda duas palavras sobre a figura de Charles Maurras, ou até sobre o segredo de sua grande alma.
 
É coisa sabida que a surdez, embora menos grave, predispõe mais do que a cegueira à irritação e à amargura. Mas a “tragi-comédie de la surdité” produziu em Maurras efeitos e reações que só se explicam pela incomum grandeza d’alma.
 
Pierre Gaxotte, que foi seu secretário, comentando a extraordinária paciência com que Maurras atendia os mais importantes visitantes na redação, disse-lhe um dia:
 
— O senhor é a Providência dos maçantes.
 
E logo Maurras explicou-lhe.
 
— Eu tenho necessidade de ouvir, me informar. Todas as pessoas que recebo me ensinam alguma coisa que vocês podem ouvir de longe. Eu as ouço de perto... Nunca saiu alguém de meu escritório sem me deixar enriquecido... 18
 
E em outra circunstância, mais liricamente, ele explicava que ademais os “importunos” lhe traziam um consolo especial. Os amigos, os companheiros de luta, especialmente na redação, já se haviam habituado a lhe falar num estilo condensado e reduzido ao essencial, mas os “raseurs” lhe traziam o supérfluo; ora, o supérfluo era o que importava, era o que lhe trazia a notícia deliciosa do modo comum com que os homens não murados conversavam.
 
Henri Massis19 descreve maravilhosamente a atenção com que Maurras ouvia os moços, e a delicadeza... ah! quem poderá dizer o que era a cortesia, a polidez incansável desse homem que muitos só conhecem pelas furibundas manifestações de cólera!
 
E assim, por toda a sua longa vida, sofrendo todas as espécies de injustiças e perseguições, o pletórico, o vulcânico Charles Maurras sempre guardou intacta uma reserva de profunda doçura para a cortesia e para a amizade, essas antigas virtudes dos franceses da antiga França. E é assim que lá adiante, no auge do sofrimento, no topo dos arcabouços da mais cruel injustiça, é assim que o encontraremos quando a Fé recalcada, murada, ensurdenizada, misteriosamente emerge, aflora, e o velho soldado pode dizer...
 
Mas não antecipemos, que ainda é preciso percorrer um grande lanço de estrada.
 
 
Os sinais de Deus
 
Registremos o primeiro sinal, que não é de espécie muito vulgar. O homem que centraliza um movimento vigoroso e exposto a todos os perigos é elogiado e encorajado por um Santo que sabe muito bem o que é heresia e o que é defesa da fé.
 
O segundo sinal é mais misterioso e pode ser desdenhado pelos incrédulos. Ocorreu poucos anos depois. O mundo está em guerra, a França está perdendo sua mocidade não contaminada pelo desespero de nosso século. Em fins de junho de 1918, quando a guerra se aproximava de seu termo, caiu morto, numa nesga de terra de França recentemente arrancada ao inimigo, o moço Pierre Villard, que Maritain vira uma ou duas vezes, e com quem se correspondia regularmente. Julgava-o desamparado e pobre. Foi com vivo espanto que recebeu a carta de um tabelião de Nancy com a notícia de que Pierre Villard o instituíra legatário universal, conjuntamente com Maurras. E, assim, Maritain e Maurras, que nesse tempo já se achavam unidos na Action Française, estão agora unidos no sangue de Pierre Villard. Tudo indicava que deviam permanecer unidos a vida inteira...
 
Deixo para outro tópico as considerações sobre a condenação da A.F. e a ruptura entre Maritain e o grupo de Maurras. Neste tópico quero ainda registrar uma observação, antes de prosseguir a enumeração dos “sinais de Deus”. É a seguinte: aproximamo-nos do ano de 1926 sem que Maritain, Garrigou-Lagrange e os demais freqüentadores dos Cercles de Meudon nada dissessem que indicasse sinal de inquietação sobre o andamento geral da A.F. Tenho à mão o Dictionaire des Connaissances Catholiques de J. Bricout, que na sua edição de 1925 dedica, nas páginas 70 e 71 do vol. 1, um espaçoso verbete para a Action Française sem o menor vestígio de restrição. O verbete é assinado pelo próprio Bricout. Estranho silêncio! Estranha inadvertência de teólogos como Pe. Garrigou-Lagrange, Pe. Charles Journet, Pe. Lavaud, Pe. Philippon, e de filósofos como Jacques Maritain!
 
Adiante voltaremos a consignar a esquisita subitaneidade da condenação que ninguém previra e contra a qual ninguém se acautelara. Agora saltemos por cima do ano de 1926 e da condenação.
 
Três anos depois, em 1929, encontramos o Papa Pio XI a pedir ao Carmelo de Lisieux, por intermédio do Cardeal Gasparri, orações instantes dirigidas “todos os dias com um só coração e uma só alma” a Santa Teresinha a fim de que, por sua intercessão, viesse a cessar “la grande pitié” que a questão da Action Française criava para a Igreja de França.
 
Esse recado do Papa ao Carmelo de Lisieux, três anos depois da condenação da A.F., parece indicar claramente uma disposição benevolente e não se lê na carta nenhuma referência ao erro de que se deveria corrigir a A.F20.
 
Em fevereiro de 1937 Charles Maurras, preso pelo governo de Léon Blum, é visitado em La Santé por Henri Massis que, desde a entrada em sua célula, percebe uma doçura nova, um ar de felicidade profunda no semblante de Maurras. O que lhe teria acontecido de novo e tão maravilhoso? Maurras toma o amigo pelo braço, leva-o até o refeitório da prisão, e aí sentando-se, pergunta-lhe se imaginava de quem recebera uma carta... E Maurras estendeu-lhe uma carta marcada com um sinete amarelo, uma carta de três páginas com a assinatura: PIUS P.P. XI21.
 
Sim, uma carta do Soberano Pontífice. E então, diz Massis, naquela prisão, Maurras diante de mim, Maurras que tanto sofrera nossas próprias dores, Maurras com o rosto inundado de alegria, explicou-me: “A conselho do Carmelo de Lisieux, eu escrevera ao Papa, por ocasião da luta heróica que sustentou contra a enfermidade... Exprimi-lhe a impressão comovida que experimentava, a respeitosa admiração que inspirava sua coragem, e os votos que todos fazemos por sua cura. Na verdade, senti-me embaraçado. Sabia que em 1936, dirigindo-se a Laval, Pio XI lhe falara de minha pobre querida mãe, aproveitei a ocasião para agradecer-lhe. No mais, que diria eu? Achei, entretanto, que era meu dever assegurar-lhe a gratidão de todos os franceses que têm a paixão da ordem pela bela cruzada que ele pregava contra as ameaças da dupla revolução comunista e germanista que pesam sobre nosso Ocidente. Acrescentei que, no que me diz respeito, quanto mais avanço na vida mais se afirma em mim o invariável entusiasmo e a piedosa gratidão que sempre me inspiraram os benefícios do catolicismo. Se tais sentimentos tivessem algum valor, achava-me feliz de depositar essa renovada homenagem à Igreja no leito de dor de Sua Santidade... Sentia-me pessoalmente muito indigno, mas já que Lisieux insistia... E ademais na vida tudo é graça.
 
“Não ousava esperar esta honra que não mereci e que me enche de alegria... Desde que li e reli estas páginas, de que sou indigno destinatário, uma idéia se forma em mim: logo que me liberara, tomarei o caminho de Lisieux a fim de lá ajoelhar tudo o que tenho de sede de luz intelectual e tudo o que me eleva de gratidão pelo Santo Padre, no túmulo da pequenina e tão grande Santa Teresa do Menino Jesus”.
 
Assim falava Maurras naquela tarde de abril de 1937 na prisão de La Santé. E Massis reproduz as primeiras palavras com que Pio XI respondeu à carta de Maurras:
 
“Quero dizer-lhe meu profundo agradecimento pelo consolo que sua carta me trouxe, e dizer-lhe também que, como sempre tenho feito até hoje, continuarei, mais intensamente e mais paternalmente o pouco, Hélas!, que posso fazer pelo senhor, isto é, continuarei a rezar, e agora, de tempos para cá posso unir às minhas pobres orações minhas não menos pobres dores, podendo assim imitar o Divino Salvador e Senhor, que também quis unir suas divinas orações a suas não menos divinas dores, sua Paixão e Morte, pela salvação de nossas almas...”.
 
E essa carta de Pio XI terminava assim:
 
“É com uma particular intenção que lhe envio também uma grande bênção neste dia aniversário de minha eleição, já hoje tão distante, quando a bênção do velho Pai comum é em toda a parte e por todos os filhos da grande família mais desejada e mais invocada. PIUS P. P. XI”.
 
Três meses mais tarde, Maurras recebe de Lisieux a sugestão, o pedido de escrever ao Papa no dia 12 de maio, seu aniversário. Essa carta só foi conhecida muito mais tarde, quando foi suspenso o interdito de dezembro de 1926 por um decreto do Santo Ofício, dado em 10 de julho de 193922. Sabemos agora também que as freiras de Lisieux não se limitaram a obedecer ao Papa. Não ofereceram somente as orações pedidas, mas acrescentaram mortificações e sofrimentos na mesma intenção. Em 1935, Madre Agnés, priora do Carmelo, comunicava ao Papa Pio XI a morte de uma jovem religiosa, cuja família conhecia Charles Maurras. Essa religiosa oferecera todos os sofrimentos de sua vida e de sua agonia pela pacificação dos espíritos. Em 1936, o Papa dirigira à Madre Agnés uma carta emocionada em que dizia também oferecer suas próprias enfermidades e sofrimento pela paz das almas e do mundo. Em 1937, Lisieux escreve a Maurras. Maurras escreve ao Papa, o Papa escreve a Maurras, Maurras intimidado, mas disposto a obedecer às inspirações de Lisieux, escreve a carta que envia à Madre Agnés, que por sua vez a transmite para Castel Gandolfo. Eis a carta de Maurras:
 
Eu não saberia jamais exprimir a Vossa Santidade minha admiração pelo assalto que Vossa Santidade empreende contra as forças do mal23. Esta bela cruzada contra o comunismo abre um arco-íris sobre o céu do mundo e a alta bênção de Vossa Santidade sobre as forças da ordem e da paz causa desde já um pânico bem sensível no campo dos espíritos que massacram, incendeiam e matam. A Igreja certamente sempre esteve na linha contra o mal; mas sua incomparável ofensiva de benefício e de caridade atua poderosamente sobre os homens de boa vontade a quem Vossa Santidade se digna dirigir. Eles sentem renascer a esperança, e aquecer-se a razão no fundo do pensamento comovido. Mas, Santíssimo Padre, entre esses homens de boa vontade, muitos de seus filhos sofrem e choram por estar separados do Pastor comum. Não me sinto capaz de falar em nome deles. Mas eu os conheço, vejo-os, vi muitos que na hora da agonia gritavam, apelavam para o tribunal de um juiz supremo, e todos, sim, todos acusavam seus acusadores, acusavam-nos de haver indignamente enganado Vossa Santidade. E um deles, um bispo que sempre tenho por mestre e amigo, Mons. Penon, bispo de Moulins, dizia-me alguns meses antes de sua morte, que uma coisa era certa — e ele sabia por experiência pessoal: “Se algum dia Sua Santidade o Papa Pio XI pudesse descobrir que fora enganado (e por qual maquinação!) nada no mundo se poderia comparar à cólera santa do Pai comum, que faria imediatamente a mais exemplar justiça”.
 
Assim falava aquele espírito generoso e lúcido, verdadeiro santo. Parece-me, Santíssimo Padre, que os tempos amadureceram e que se tornou possível a Vossa Santidade afastar todos os véus insidiosos que cobrem a verdade injuriada. Se Vossa Santidade se dignasse abrir um inquérito, talvez pudesse verificar que os católicos franceses (...) mais reputados por uma apaixonada ortodoxia foram literalmente, corporalmente empurrados para longe do coração e do espírito da Vossa Santidade”. (...).
 
Ouso falar livremente, porque é a verdade que liberta. E ouso dizer a Vossa Santidade que o mal feito outrora veio dos mesmos que hoje fazem o maior mal. Sim, aqueles que, na França, agiram para difamar meus amigos aos pés de Vossa Santidade são os mesmos que, mais ou menos conscientemente, entretém a causa da mentira e da confusão universal, os mesmos que caluniam insidiosamente o nobre esforço da resistência espanhola, os mesmos que se empenham, às vezes sem o querer, mas diretamente, em fazer germinar na França toda a semente da revolução canibal de que a Espanha é hoje o teatro! De longe as pessoas podem-se enganar, mas nós estamos no próprio campo de ação. Nós vemos! Ah! não se deixe enganar por esses informantes pérfidos ou fanatizados! Os inimigos da Action Française são os inimigos da ordem, da Pátria, da Igreja, e do Papado. Esses inimigos ganharam a primeira vaza e já causaram muitos males em 1926. Que 1937, pela vontade vitoriosa de Vossa Santidade, seja o ano da debandada e do castigo desses inimigos.
 
Pai Santíssimo, o apelo de Vossa Santidade sobre o perigo da França e do mundo me encoraja a escrever tais pensamentos, que têm duas desculpas: são sinceros (ah! e profundamente!) e estão em conformidade com tudo o que sei de meu país, isto é, são verdadeiros.
 
E não são menos desinteressados. No que me diz respeito, nunca contestei que certo número de minhas idéias são heterodoxas. Jamais neguei, e sempre preveni abertamente a meus leitores católicos a fim de que ninguém se surpreendesse. Mas essas idéias aparecidas em publicações pessoais, jamais, não, jamais tiveram caráter de ensinamento ou de propaganda. Tenho o dever de afirmar e reafirmar que l’Action Française, o seu jornal e o seu Instituto, jamais, jamais abordaram essas questões pessoais. O ensino da A.F. foi sempre puramente político, e de uma política experimental que não engajava nenhum dos princípios superiores aos quais, de fato, os católicos poderiam referir-se, e de fato, se referiam livremente, e constantemente, regularmente, sob o controle de religiosos, prelados e padres, entre os mais famosos por sua fidelidade ao dogma católico e à mais intransigente ordem romana.
 
E isto é tão verdadeiro que — também, sempre de fato — nossa pregação política teve a virtude de reconduzir muitos protestantes, livres-pensadores e agnósticos à fé da Igreja.
 
Faz oito dias — porque o que existe há trinta anos ainda hoje continua — escrevia-me um francês (...) que acabava de batizar-se aos vinte anos, em conseqüência da impressão lógica e moral recebida em nossos trabalhos e estudos. Vossa Santidade sabe certamente que o caso não é único. Há centenas de outros. O dossier foi remetido ao Vaticano. E eu não tenho o direito de calar-me. E também não tenho o direito, Santíssimo Padre, de deixar dizerem que tive algum papel na ruína da fé católica de um só de nossos adeptos. Já pedimos que nos citassem um só caso sério dessa calamidade que sempre me causou horror. Nunca nos responderam.
 
É claro, Santíssimo Padre, que nem a qualidade inofensiva de nossas doutrinas políticas, nem o que elas tiveram de benefício no plano espiritual ou moral constituem sombra de mérito em meu favor. Isto se faz sem mim.
 
Pela simples virtude de idéias que eram verdadeiras. Mas isto aconteceu e é preciso não acreditar que foi o contrário que aconteceu.
 
E Maurras terminava assim:
 
Pai Santíssimo, nada peço para mim. Mas a situação moral da França é apavorante. Tudo está minado, dividido, perturbado. Os melhores se perdem em incertezas; os piores concebem e ousam tudo. Uma decisiva intervenção de Vossa Santidade pode fazer tudo entrar nos eixos e pode criar as condições de possível união e de ação da unidade moral tão necessária. Não estarei autorizado, pelos recentes sinais de benevolência, a suplicar que Vossa Santidade considere com um espírito de misericórdia e de paz a dor de alguns de seus filhos, vítimas infelizes da mais infame das manobras de calúnia e dolo urdidas pelo inimigo do gênero humano? Esses fiéis e dedicados filhos de Vossa Santidade formam, em nossa pátria, o batalhão mais coeso, mais decidido, e a mais corajosa e resoluta das tropas da ordem; por sua inteligência na ação, pelo conhecimento exato que têm dos pontos fracos inimigos, por seu espírito de combate, pela decisão e resolução heróicas; sempre prontos para os sacrifícios mais belos, com a história marcada pelo sangue deles, esses filhos são por excelência os homens de boa vontade nos quais pensou o coração de Pai de Vossa Santidade. Eles estremeceram, comovidos, empolgados, vivificados pelo sopro ardente desse apelo tão paternal ainda que pontifical. Suplico-lhe, Santo Padre, que esses nobres soldados sejam por Vossa Santidade recolocados em condições que lhes permitam restabelecer o combate. Ou teremos de nos resignar a ver, em nosso chão, os rios de sangue e pus que correm no solo magnânimo da Catalunha e de outros lugares da Espanha?
 
Santo Padre, foi a alegria de seu aniversário que me inspirou palavras tão audaciosas, mas tão pungentemente verdadeiras. Suplicando a Vossa Santidade dignar-se receber meus mais profundos agradecimentos pelas bênçãos sucessivas com que me quis cumular, ouso insistir desde já e agradecer o augusto benefício que imploro, não para mim, mas para os ignorados, e sou com todo o respeito, ajoelhado a seus pés, o muito humilde, muito dedicado e obediente servidor de Vossa Santidade.
 
Prisão de La Santé, 10 de maio de 1937. (a.) Charles Maurras.
 
Logo que saiu da prisão, Maurras foi em peregrinação a Lisieux, no dia 13 de julho de 1937. Em 13 de julho de 1938 voltou a Lisieux, como peregrino e enviou ao Papa Pio XI o telegrama: “O peregrino de Lisieux conhecido de Vossa Santidade agradece a bênção especial fielmente transmitida, e ajoelhado junto à urna de Santa Teresa, ousa dirigir homenagem profundo respeito e confiança”. Pio XI, que parecia acompanhar de longe os passos de Maurras, sabia de antemão a data dessa segunda peregrinação. Em 15 de julho o cardeal Pacelli, Secretário de Estado, enviava à Rev. Madre Superiora do Carmelo de Lisieux este telegrama: “Sua Santidade recebe com vivo agrado homenagem peregrino enviando-lhe bênção paternal”.
 
Em 13 de julho de 1939 Maurras, acompanhado de Robert de Boisfleury, indo a Lisieux, pela terceira vez, envia ao Papa, agora Pio XII, esta mensagem: “Os dois peregrinos de 13 de julho, conhecidos de Vossa Santidade, ajoelhados diante dos despojos de Santa Teresa, enviam homenagem respeitosa de veneração e de humilde esperança”. Por que sempre 13 de julho? Porque foi nessa data, em 1935, que morreu a irmã Maria Teresa do Santo Sacramento oferecida como vítima em favor de Maurras e da Action Française. No mesmo dia o novo Papa envia à Priora do Carmelo este telegrama: “Sua Santidade abençoa paternalmente dois peregrinos pedindo nossa cara santa de Lisieux atender e cumular suas esperanças”. E algumas semanas mais tarde Madre Agnés, Priora do Carmelo, recebia de Sua Santidade Pio XII a carta que depois se tornou pública:
 
As cartas e artigos que, por intermédio da caridade de nossos filhos Charles Maurras, Robert de Bloisfleury e Havard de la Montagne, os transbordantes sentimentos de suas almas. Nos enchem da mais viva gratidão para com o Pai do céu. É para Nós muito doce assumir não somente o reconhecimento desses caros filhos recuperados como também suas esperanças relativas ao imenso benefício da paz que acha na reconciliação e na união dos espíritos um aliado tão poderoso.
 
Confiamos pois à tua solicitude filial o cuidado de transmitir Nossos sentimentos a esses homens cujos talentos são ainda uma bela promessa para a causa de Jesus Cristo. É também através da tua caridade que Nós lhes enviamos de todo o coração, assim como a todas as Religiosas do caro mosteiro do Carmelo de Lisieux, a Bênção Apostólica. Dado no Castelo Gandolfo, em 18 do mês de agosto de 1939. — PIUS P. P. XII.
 
Encerrou-se assim dentro da comunhão dos santos, pelos bons ofícios de duas pequenas Teresas, o dramático incidente produzido pelas maquinações do mundo.
 
Mas não se detinha aí a onda de conseqüências, nem se resolvia o drama da alma angustiada de Charles Maurras. Começava no mundo a guerra no termo da qual, graças a maquinações ainda mais espantosas do que todas as anteriores, Charles Maurras, o último soldado da França, será pelos franceses condenado à prisão perpétua como “traître”. E é nessa prisão, com mais de 83 anos, que Charles Maurras se converte à fé de seu batismo e sem sombra de amargura dá contas de sua vida nestes simples versos que Gustave Thibon ouviu de sua própria boca:
 
Seigneur, endormez-moi dans votre paix certaine
Entre les bras de l’Espérance et de l’Amour.
Ce vieux coeur de soldat n’a point connu la haine
Et pour vos seuls vrais biens a battu sans retour.
 
Le combat qui’il soutint fut pour une Patrie,
Pour um Roi, les plus beaux qu’on ait vus sous le ciel,
La France des Bourbons, des Mesdames Marie,
Jeanne d’Arc et Thérese, et Monsieur Saint-Michel.
 
 
Une tenebreuse affaire
 
 O romance de Balzac que tem esse título apavorante é um ameno conto de fadas comparado à trama de intrigas, à combinação de baixezas e misérias que produziu inesperadamente, como “um raio em céu de azul tranqüilo”, a tão falada “condenação” da Action Française. Não é minha intenção tentar aqui sequer uma aproximação de todo o “Affaire”. Intencionalmente inverti a ordem dos tópicos, saltando por cima da crise que culminou no Decreto do Santo Ofício condenando certas obras de Charles Maurras e o jornal L’Action Française, dado em Roma, em 29 de dezembro de 1926.
 
O que procurei mostrar nos tópicos anteriores é que nada, em um quarto de século, anunciava a tempestade e o “raio” de dezembro de 1926, e que a atitude posterior do Papa Pio XI evidencia um mal-estar de quem já não estava tão convencido de ter determinado uma drástica medida para o bem da Igreja universal e especialmente para o bem da Igreja de França. Dois anos depois da condenação, quando seria razoável esperar que passasse a natural efervescência e que os bons frutos aparecessem, Pio XI escreve a carta ao Carmelo de Lisieux pedindo instantes orações pela “grande pitié” da Igreja de França. A ulterior benevolência transbordantemente manifestada na carta escrita a Maurras prova que nada tem de fantasiosa nossa interpretação da carta escrita à Ver. Madre do Carmelo de Lisieux em 19 de fevereiro de 1929. O que reforça a idéia da evolução do estado de espírito de Pio XI é a carta que escreveu a Charles Maurras em 6 de fevereiro de 1937. Mas o que realmente prova a completa mudança de juízo que o Papa forma de Charles Maurras e da Action Française e do bien fondé do decreto de 1926, é a reação que demonstra depois da carta que Maurras, a conselho ainda do Carmelo de Lisieux, escreveu por ocasião de seu aniversário, em 12 de maio de 1937. Como vimos atrás, nessa carta, em harmoniosa mistura com o mais profundo e ardente respeito, Maurras escreveu a Pio XI, lembrando as palavras de Mons. Penon, e dizendo por conta própria que o Papa em 1926 foi envolvido numa diabólica maquinação. Releiamos estas palavras da carta de Maurras:
 
Não estarei autorizado, pelos recentes sinais de benevolência, a suplicar que Vossa Santidade considere com um espírito de misericórdia e de paz a dor de alguns de seus filhos, vítimas infelizes da mais infame das manobras de calúnia e dolo urdidas pelo inimigo do gênero humano?
 
 
Qual é a resposta que Pio XI dá a essa carta em que Maurras afirma vigorosamente e respeitosamente que o Decreto de condenação foi resultado de maquinação e de manobras de calúnia e dolo urdidas pelo Inimigo do gênero humano?
 
É evidente que, fosse a de 1926 a disposição do Papa em 1937, a carta de Maurras agravaria a situação e tornaria mais difícil do que nunca a reconciliação. O Papa não responde à carta de Maurras, mas na primeira oportunidade, quando Maurras, dois meses depois, sai da prisão e vai a Lisieux como peregrino, com a intenção de ajoelhar-se diante da urna funerária de Santa Teresinha, já encontra uma bênção do Papa. Em 1938, na mesma data repete a peregrinação e torna a encontrar a bênção que agradece comovido. E desta vez o cardeal Pacelli já está envolvido, como atrás vimos.
 
Em 13 de julho de 1939 é Pio XII quem envia a bênção e quem, pouco depois, escreve à Priora do Carmelo uma carta que é uma iniciativa de reconciliação e um encorajamento: “Confiamos a tua filial solicitude o cuidado de transmitir Nossos sentimentos a esses homens cujos talentos são ainda uma bela promessa para a causa de Jesus Cristo”. Haverá em toda a história da Igreja um sinal mais claro de reconhecimento de um erro pastoral praticado anos atrás em turvo ambiente de paixões e intrigas? O Decreto de suspensão de interdito, de 16 de julho de 1939, atende a uma súplica formulada pelos membros dos comitês diretores do jornal L’Action Française, que exprimem a sincera tristeza das demasias irrespeitosas para com a Santa Sé e para a hierarquia eclesiástica publicadas no calor das controvérsias, e se submetem inteiramente à autoridade da Igreja. No que diz respeito à doutrina e aos erros doutrinais, essa respeitosa petição diz apenas o seguinte: “No que concerne em particular à doutrina, todos aqueles dentre nós que são católicos, reprovando tudo o que tenham escrito de errôneo, rejeitam completamente qualquer doutrina e qualquer teoria que sejam contrárias aos ensinamentos católicos, pelos quais nós professamos unanimemente o mais profundo respeito”.
 
Não há em toda a petição uma só linha em que os signatários, em atitude de súplica respeitosa, reconheçam os erros doutrinais com que em 1926 o cardeal Andrieu iniciou o ataque à Action Française.
 
Não foi mais inexpressivo, e portanto mais expressivo, o texto do decreto de 5 de julho de 1939, com que a Sagrada Congregação do Santo Ofício suspendeu a interdição do jornal L’Action Française. Eis o texto integral, onde apenas três ou quatro linhas se referem vagamente aos motivos do decreto de 1926, e a maior parte trata das normas e princípios gerais que a Igreja recomenda a qualquer jornal:
 
Por decreto desta Suprema Sagrada Congregação do Santo Ofício, com data de 29 de dezembro de 1926, o jornal L’Action Française, tal como era então publicado (grifo nosso) foi condenado e posto no Index dos livros proibidos, em vista do que se escrevia no dito jornal, sobretudo nessa época, contra a Sé apostólica e contra o próprio Soberano Pontífice Pio XI, de santa memória, na data de 20 de janeiro de 1938, o comitê diretor24 desse jornal fez ato de submissão e apresentou, para obter a suspensão do interdito do jornal, uma petição que foi submetida ao exame desta Sagrada Congregação. Além disso, recentemente, esse mesmo comitê, reiterando a petição, fez uma profissão aberta e louvável da veneração em relação à Santa Sé, reprovou os erros e ofereceu garantias sobre o respeito do magistrado da Igreja por uma carta de 19 de junho de 1939 do Papa Pio XII gloriosamente reinante, carta cujo texto consta do anexo n° 1, junto a este.
 
A datar do dia da promulgação do presente Decreto, a proibição de ler e guardar o jornal L’Action Française é suspensa, continuando proibidos os números postos até esse dia no Index dos livros proibidos, sem todavia pretender esta Suprema Sagrada Congregação formar juízo sobre o que concerne puramente às coisas políticas e sobre os fins visados pelo jornal nesse domínio — contanto, é claro, que não sejam contra a moral — e ad mentem a saber: de acordo com o que tem sido, muitas vezes, inculcado pela Santa Sé seja sobre a distinção entre as coisas religiosas e as coisas puramente políticas, e a dependência da política em relação à lei moral, seja sobre os princípios e deveres estabelecidos em vista de promover e defender a ação católica, esta Suprema Sagrada Congregação recomenda instantemente aos Ordinários de França a vigilância em vista de assegurar o cumprimento do que já foi instituído na matéria pela Assembléia dos cardeais e arcebispos de França no ano de 1936 e que consta do anexo n° 2. Na quinta-feira seguinte, dia 6 do mesmo mês e ano, nosso Santíssimo Padre Pio XII, Papa pela Divina Providência, na audiência habitualmente concedida a S. E. o Reverendíssimo Assessor do Santo Ofício, aprovou a resolução dos eminentíssimos cardeais que lhe foi submetida, confirmou-a e ordenou sua publicação. Dado em Roma, no Palácio do Santo Ofício, em 10 de julho de 1939.
 
E aí está o decreto que, não exigindo retratações e não mencionando erros doutrinais ou errôneas e perversas filosofias políticas, é por isso mesmo mais expressivo e significativo do reconhecimento, pela Igreja, de uma medida disciplinar infeliz.
 
Mas aqui imagino um leitor a me fazer dois reparos. O primeiro se refere à extensão e à interpretação que dei aos atos e fatos que ocorreram depois da condenação; o segundo se refere ao que eu disse atrás: antes da condenação nada a anunciava. E o dossiê organizado no tempo de Pio X? e todas as manobras feitas para arrancar de São Pio X uma condenação da Action Française? É verdade. Nós já vimos atrás que uma dessas tentativas obteve resultado oposto. Pio X enviou a Charles Maurras o título de “belo defensor da Fé”.
 
Vale a pena agora trazer outros depoimentos relativos ao que Pio X, até a hora da morte, pensou da Action Française, por um motivo que adiante se evidenciará:
 
 
TESTEMUNHO DO PE. PÈGUES
 
Numa carta dirigida a Charles Maurras, o Pe. Pègues testemunhou o seguinte: Recebido por Pio X em 15 de janeiro de 1914, dia de reunião de Congregação preparatória do Index, falara de Maurras e declarara que ele defendera o Papa contra imputações inexatas de um artigo não assinado numa revista de Toulouse. E quando Pio X o felicitava por isso, o Pe. Pègues disse:
 
— Mas parece, Santo Padre, que Maurras tem inimigos poderosos aqui mesmo na Congregação.
 
— Sim, — disse o Papa, — eles estão unidos contra Maurras. Ma faranno niente...
 
Antes de se retirar, o Pe. Pègues pediu ao Santo Padre uma benção especial para Charles Maurras, que lhe foi logo concedida e que Maurras recebeu com a carta de Pe. Pègues de 17 de janeiro de 1914.
 
Uma outra carta do mesmo religioso figura nos papéis deixados por Maurras. Nessa carta dizia o Pe. Pègues que o Papa, nesse mesmo dia, assinara sem dificuldade o decreto que condenava outro escritor (Maeterlink). Quando lhe trouxeram o decreto que condenaria Maurras, ele o deixou de lado. Três vezes o Secretário da Congregação voltou à carga; três vezes o Papa repeliu o libelo, e quando o Secretário ainda insistiu, o Papa tomou a folha e meteu-a numa gaveta de seu bureau25.
 
 
TESTEMUNHO DE CAMILLE BELLAIGUE — Ver atrás esse testemunho que contém o famoso título de “belo defensor da Fé” 26.
 
 
TESTEMUNHO DE MONS. CHAROST
 
Nos últimos dias de julho de 1914, conversando com Mons. Charot, Bispo de Lille, e entreabrindo a gaveta de sua secretária, Pio X lhe diz:
 
— Nós temos aqui, meu caro filho, tudo o que é preciso para condenar Maurras. Mas temos a convicção que as pessoas que nos documentaram tão bem agiram menos por amor e zelo da Santa Religião do que por ódio das doutrinas políticas sustentadas pela Action Française.
 
E, fechando a gaveta com um gesto seco, Pio X acrescentou:
 
— Enquanto eu estiver vivo a Action Française jamais será condenada. Ela defende o princípio da autoridade, defende a ordem.
 
Uma carta publicada em Aspects de la France de 20 de julho de 1951 confirma esta declaração. Era dirigida a Mons. Fontenelle: “Quando morava em Reinnes, nas primeiras semanas de 1927, fui visitar meu arcebispo e amigo o Cardeal Charost. Falando da Action Française, exprimi minha surpresa ante os rumores que corriam sobre a parte que Pio X teria tomado na origem das medidas disciplinares que em 1926 fulminaram a Action Française.
 
O Cardeal Charost me disse que esses boatos eram falsos e que ele podia testemunhar alto e bom som: “Quando bispo de Lille, visitei o Papa nos últimos dias de julho de 1914. Fui o último bispo francês que o viu. Falamos da Action Française e Pio X me disse: ‘Fique tranqüilo, caro monsenhor, eu vivo a Action Française não será condenada’”.
 
TESTEMUNHO DO CARDEAL CABRIÈRES
 
Em 18 de junho de 1914 o Cardeal Cabrières escreveu a um amigo — que guardou a carta e a mostrou a Maurras — sobre a audiência que tivera com Pio X: “Falamos de Maurras e vi o Santo Padre muito resoluto e muito feliz de o ter protegido”.
 
Era 3 de agosto de 1920, depois da guerra, esse prelado escreveu a Maurras, a propósito da morte de Dom Besse: “... até a vista, meu caro Maurras, e uno-me ao senhor muito respeitosamente em memória de Pio X, cuja vontade o protegeu durante a guerra para a salvação de nosso país”.27
 
A esses acontecimentos antigos, que provam exuberantemente que Pio X nunca externou a nenhum interlocutor insuspeito a menor intenção de condenar Maurras, e nunca escondeu sua determinação inabalável de apoia-lo, como também nunca dissimulou a irritação que lhe causavam aqueles que vinham como cães raivosos pedir-lhe: “condenai-o! condenai-o!”28 acrescentemos os mais recentes: a tranqüilidade de todos os grandes teólogos e filósofos que até às vésperas da explosão serenamente dormiam sem pesadelos. O próprio Maritain que a seguir mudará de opinião quatro vezes, escrevera Une opinion sur Charles Maurras et le devoir des catholiques, opúsculo que será aproveitado com seu consentimento durante a crise. Não exagera, pois, o historiador que nos diz que a crise da Action Française estourou como um raio num tranqüilo céu azul.
 
 
Da carta do Cardeal Andrieu até a condenação
 
No caso o raio foi a carta do Cardeal Andrieu, publicada no Aquitaine de 27 de agosto em Bordéus. Essa carta se apresentava como resposta de S. Emª o Cardeal-Arcebispo de Bordéus a uma consulta feita por um grupo de jovens católicos a respeito da Action Française.
 
Esta carta, lida hoje no contexto agora estendido num planisfério isento das distorções de perspectiva da época, parece-nos simplesmente inacreditável. Detenhamo-nos, por enquanto, nesse adjetivo que para aquele tempo já é severo. Entre outras coisas, transcrevamos um tópico desta carta:
 
Os dirigentes da Action Française se ocuparam da Igreja. Que idéia têm eles? Repelem todos os dogmas que ela ensina. A Igreja ensina a existência de Deus, eles a negam porque são ateus. A Igreja ensina a divindade de Jesus Cristo e eles a negam porque são anticristãos. A Igreja ensina que foi fundada por Cristo, Deus e Homem, e eles negam a instituição divina porque são anticatólicos etc. etc.
 
O investigador que quiser ter o trabalho de investigar e reler todos os números do jornal L’Action Française, em lugar algum encontrará um só tópico que contenha as contestações dos dogmas da fé católica inventadas pelo cardeal Andrieu.
 
Na verdade, o movimento e o jornal que tiveram a árdua missão de combater a horda revolucionária saída dos ralos da história, que tiveram a gloriosa missão de defender a Igreja e todos os valores cristãos nas épocas de perseguição religiosa na França republicana, tinham no seu centro um paradoxo que Maritain assinala muito bem no seu Une opinion sur Charles Maurras et le devoir des catholiques; o chefe e inspirador da ação política, o gênio que mais lucidamente entender e previu todas as catástrofes do século, e que viveu para lutar por uma França católica, por um desses misteriosos segredos de Deus, não tinha a fé, ou tinha-a recalcado para um nível de inconsciência e de incapacidade de expressão. Não podemos, evidentemente, saber se Charles Maurras, na “tragicomédia de sua surdez”, era realmente o ateu que parecia ser quando gemia sua impotência de crer. O que hoje sabemos é que ele viveu a vida inteira procurando essa fé perdida numa confiança total na Igreja, e sabemos que, maltratado por essa Igreja que venerava profundamente, e maltratado pela pátria que amou ardentemente, em vez de se amargurar, no fim da vida fez o ato de humildade e mansidão que o colocou na mão de Deus, onde seu coração adormeceu em paz.
 
O cardeal Andrieu sabia que Charles Maurras dizia não ter fé, e sabia que ele era homem combativo como poucos de seu tempo. Terá então concluído que logicamente Maurras devia combater os dogmas em que não cria? Esta explicação com recurso a um cruel e estúpido abstracionismo não se sustenta porque poucos anos atrás, 31 de outubro de 1915, acusando o recebimento de um livro L’Étang de Berre, enviado com autógrafo por Charles Maurras, o mesmo “Paulin, cardinal Andrieu” escreve uma carta dizendo, entre outros rasgados elogios:
 
O senhor defende a Igreja com tanta coragem quanto talento. O que há de admirar? Ela representa princípios sem os quais tudo mais se desorganiza e desmorona. A Igreja deu à França, que não nasceu em 89, quatorze séculos de grandeza e prosperidade, e o senhor contou, numa página deliciosa, a propósito de uma sagração episcopal, que lhe deve, à Igreja, “votre salut intellectuel”.
 
Não terá o senhor contraído em relação a ela outras dívidas, de ordem mais elevada? Estou tentado, inclinado a crer que o senhor manifesta essa nobre ambição — e ninguém mais do que eu deseja que ela se realize — quando escreve, no prefácio do hino à Provença: “A noite sublime de Agostinho e de Mônica”. 29
 
Como conciliar esta carta de 1915 com aquela outra de 1926? Nesta última, além dos tópicos citados, há frases atribuídas a Maurras: “Défense à Dieu d’entrer dans nos observatoires” que, apesar dos repetidos apelos, desmentidos e desafios, nunca foi devidamente localizada, pela simples razão de ser falsa.
 
É escusado dizer que L’Action Française respondeu imediatamente ao intempestivo ataque. O leitor que quiser ver claramente todas as várias etapas da intriga urdida pelo Inimigo do gênero humano encontrará no livro de Lucien Thomas a mais completa e irrefutável exposição do affaire. E desde já adivinho que não deverá emitir nenhum juízo sobre essa matéria quem se apegar aos comentários da época, e às sumárias e truncadas (como as de Daniel-Rops) explicações dos que fazem das tripas coração para dar razão aos cardeais e ao Santo Ofício contra a evidência dos fatos. Sem nenhuma outra documentação além da que inserimos neste estudo, já poderíamos concluir o seguinte: a ser verdade o que nos diz esse Cardeal Andrieu, de que só conhecemos hoje o nome por causa da infeliz carta de 25 de agosto (festa de São Luís!), então somos forçados a dizer que Pio X se enganou gravemente, e que teólogos como o Cardeal Billot, o Pe. Garrigou Lagrange, o Pe. Clerrissac (que induziu Maritain a entrar na A.F.) eram todos analfabetos em matéria de doutrina cristã. Aliás, teríamos que incluir na enorme lista de cegos o próprio Cardeal Andrieu de 1915.
 
Como se explica então a carta do Cardeal Andrieu de 1926? Não se explica, porque, para princípio de conversa, essa carta não era dele. No livro já citado, de Lucien Thomas, vemos na página 333 o Annexe III, onde se faz uma comparação entre os termos da carta do Cardeal Andrieu com os da brochura de um aventureiro, Fernando Passelecq, advogado da corte de Bruxelas e mais de uma vez vigorosamente atacado pela Action Française.
 
A trama começa sua urdidura em Bordéus. Ficou provado que outros bispos de França foram procurados por Passelecq para o mesmo fim. Por que aceitou o Cardeal Andrieu essa empreitada?
 
Maurras, com os demais dirigentes da Action Française, se empenha a fundo na defesa de sua honra e seu direito, sem todavia azedar-se o tom da controvérsia, apesar da violenta paixão que facilmente imaginamos em lutadores que todos os dias davam a vida por sua causa. O respeito mantido é admirável. Mas a urdidura prossegue. Agora é o Papa Pio XI que escreve uma carta ao Cardeal Andrieu aplaudindo seu zelo. Multiplicam-se as manifestações. Em 16 de setembro os estudantes da Action Française e os Camelots du Roi escrevem uma carta ao Papa30; Bernard de Vesins, presidente da Ligue d’Action Française, dirige também um filial apelo ao Papa. Mas o Papa já está indisposto contra A.F. Desde quando? Talvez desde as eleições de 1924, em que as esquerdas se beneficiam das démarches do Núncio.
 
— Vossos franceses votaram muito mal — disse Pio XI ao Cardeal Billot, que logo respondeu:
 
— Santo Padre, votaram mal por culpa do Núncio de Vossa Santidade...
 
— Meu Núncio, — exclamou o Papa, dando socos na mesa, — meu Núncio fez minha política! minha política! minha política! 31
 
O Cardeal Billot se solidariza com Maurras e Daudet em carta que a Action Française não publicou, mas que mais tarde foi publicada em outro jornal32.
 
Precipitam-se os acontecimentos. A 20 de dezembro Sua Santidade Pio XI pronuncia uma alocução consistorial, onde, embora ainda não explicitamente, já se entrevê a condenação em preparo.  
 
O jornal L’Action Française, segundo a expressão de Robert Harvard de la Montaigne, estava acuado, estava compelido a abandonar uma luta de 25 anos em defesa da Pátria e da Igreja. Os dirigentes da A.F. não podem discutir com o Papa seus direitos de defender a Igreja em tais e tais termos, mas julgaram, Maritain inclusive, que podiam defender o direito de defender a Pátria numa linha que em nada feria a lei natural. Acuados, escreveram o Non Possumus, que Maritain achou “humanamente legítimo”, e que Maurras se declarou mais tarde arrependido.
 
Mas a urdidura da intriga em torno do Papa, a habilidosa exploração de seus pontos sensíveis e das demasias dos combatentes da Action Française conseguiu seu resultado final: o decreto do Santo Ofício condenando certas obras de Maurras e o jornal L’Action Française. E é aqui neste arremate que se condensa o que já a carta do Cardeal Andrieu anunciava com seu extraordinário desembaraço em relação à verdade dos fatos. Hoje que já estão mortos todos os personagens desse drama que fez um mal enorme à França, já temos os dados e a liberdade de analisar o decreto do Santo Ofício e de dizer dele o que outros, com muito menos fundamento, dizem do Santo Ofício que condenou Galileu.
 
Num livro recentemente publicado33, Jacques Maritain desenvolve uma distinção entre a “Pessoa” da igreja, e o seu “pessoal” (bispos, cardeais, papas) age ou fala em causa própria (com toda a humana falibilidade) e os casos em que age ou fala como instrumento do agir e do falar da “Pessoa” da Igreja. A primeira parte desse livro escrito por um quase nonagenário que não perdeu sua luminosa acuidade poderá aqui e ali ser discutida pelos estudiosos. Na segunda parte do livro, Maritain dá uns exemplos clássicos de falhas do “pessoal” da Igreja agindo em causa própria. Entre esses o filósofo coloca o tão falado caso Galileu. Guardarei para outra oportunidade, se Deus ma der, a discussão do approach adotado por Maritain neste caso. Mas, enquanto Deus me permite correr no papel estas mal traçadas linhas, quero formular aqui um desejo retrospectivo, um desejo colocado no imperfeito do subjuntivo que, além dessa ineficaz colocação no fluxo da vida e da história, contém tal teor de inverosimilhança e de abusurdité que certamente despertará o riso até das cariátides de pedra. 
 
Explico-me. Eu desejaria que o exemplo mais vivo, mais próximo, mais real, e mais doloroso de mancada do personnel da Igreja, tomado por Maritain, pelo Maritain de 88 anos, fosse o decreto do Santo Ofício que condenou a Action Française!
 
Eis aqui o texto do decreto:
 
DECRETO DO SANTO OFÍCIO CONDENANDO CERTAS OBRAS DE MAURRAS E O JORNAL L’ACTION FRANÇAISE.
 
Em 29 de janeiro de 1914 e 29 de dezembro de 1926. Para atender a muitos pedidos de um diligente inquérito sobre o pensamento e a intenção desta Sé Apostólica e sobretudo sobre as de Pio X (grifo nosso) de saudosa memória, concernentes às obras e escritos de Charles Maurras e o periódico L’Action Française, S. S. o Papa Pio XI ordenou-me, a mim abaixo assinado, assessor do Santo Ofício, que procurasse com cuidado os atos e os dossiers da Sagrada Congregação do Index — que, como todos sabem foi anexada e incorporada ao Santo Ofício — e que lhe fizesse um relatório.
 
Terminado o inquérito, eis o que foi encontrado:
 
I — Na Congregação preparatória de 15 de janeiro de 1914: todos os consultores foram de unânime parecer que as quatro obras de Charles de Maurras: Le Chemin du Paradis, Anthinéa, Les Amants de Venise e Trois Idées Politiques eram realmente más e portanto mereciam ser proibidas; a essas obras, declararam que deveriam acrescentar a obra intitulada l'venir de l'nteliggence. Muitos consultores opinaram que se acrescentassem também os livros intitulados Politique religeuse e Si le coup de force est possible.
 
II — Na Congregação geral de segunda-feira 26 de janeiro de 1914: o Eminentíssimo Cardeal Prefeito declarou que havia tratado esse assunto com o Soberano Pontífice, e que o Santo Padre, em razão de numerosas petições que lhe foram dirigidas de viva voz e por escrito, algumas das personagens consideráveis, tinha na verdade hesitado um momento, mas enfim tinha decidido que a Sagrada Congregação tratasse a questão com plena liberdade, reservando-se o direito de publicar ele mesmo o decreto (grifo nosso).
 
Os Eminentíssimos Padres, entrando então no mérito do assunto, declararam que, sem dúvida possível, eram verdadeiramente muito maus e mereciam censura os livros designados, tanto mais por ser muito difícil afastar os jovens desses livros, sendo o autor tido como mestre e chefe daqueles de que se devem esperar a salvação da pátria. Os Eminentíssimos Padres decidiram unanimemente proscrever, em nome da Sagrada Congregação, os livros enumerados, mas deixar a publicação de decreto à sabedoria do Soberano Pontífice. No que concerne à periódica L’Action Française, revista bimensal, os Eminentíssimos Padres acharam que merecia igual decisão tomada para as obras de Charles Maurras.
 
III — Em 29 de janeiro de 1914: O Secretário, recebido em audiência pelo Santo Padre, prestou contas de tudo o que tinha sido feito na última Congregação. O Soberano Pontífice se põe a falar (sic) da Action Française e das obras de Maurras, dizendo que de muitos lados recebeu pedidos para não deixar interditas essas obras pela Sagrada Congregação, e afirmando que essas obras estão entretanto proibidas e assim devem ser consideradas desde agora, quanto ao conteúdo da interdição feita pela Sagrada Congregação, o Soberano Pontífice se reservou, todavia, o direito de indicar o momento em que o decreto deve ser publicado, e se se apresentar nova ocasião de o fazer, o decreto que proíbe esse periódico e esses livros será promulgado na data de hoje.
 
IV — Em 14 de abril de 1915: O Soberano Pontífice (Benedito XV), de feliz memória, interrogou o Secretário a respeito dos livros de Charles Maurras e do periódico L’Action Française. O Secretário relatou minuciosamente a Sua Santidade tudo o que a Sagrada Congregação tinha feito nesse assunto, e como seu predecessor Pio X, de santa memória, tinha protelado para o momento mais propício (grifo nosso) a publicação do Decreto. Ouvindo isto, Sua Santidade declarou que o momento não tinha ainda chegado (grifo nosso), porque em tempo de guerra as paixões políticas impediriam o juízo equitável do ato da Santa Sé.
 
Relatadas cuidadosamente por mim, abaixo assinado, Assessor do Santo Ofício, todas essas coisas a Nosso Santíssimo Padre, Sua Santidade julgou oportuno publicar e promulgar esse decreto de Pio X (sic) e decidiu efetuar a promulgação, com a data prescrita (grifo nosso) por seu predecessor de feliz memória Pio X.
 
Além disso, em razão dos artigos escritos e publicados, sobretudo nestes últimos dias, pelo jornal do mesmo nome L’Action Française, e principalmente, por Charles Maurras e Léon Daudet, artigos que todo homem sensato é obrigado a reconhecer que são escritos contra a Sé Apostólica e o próprio Pontífice Romano, Sua Santidade confirmou a condenação pronunciada por seu predecessor (grifo nosso) e estendeu-a ao quotidiano L’Action Française, tal como hoje se publica, de forma que esse jornal deve ser tido por condenado e proibido e deve ser inscrito no Index dos livros proibidos, sem prejuízo, no futuro, de inquéritos e condenações para os trabalhos de um e outro escritor. Dado em Roma no Palácio do Santo Ofício, em 29 de dezembro de 1926. Por ordem do Santo Padre. Canali, Assessor.
 
Com todos os dados que o desenrolar dos acontecimentos nos proporciona hoje, e principalmente com a evolução da atitude de Pio XI e os termos que prepararam e que formaram o decreto que ao cabo de doze anos levantou o interdito, podemos tranqüilamente dizer que o assessor da Sagrada Congregação do Santo Ofício, em dezembro de 1926, demonstrou um desembaraço excessivo em colar, à condenação que o Papa XI já estava decidido a decretar, e que por si mesma bastava para o fim visado, um decreto e uma condenação que Pio X “talvez” (?) assinasse, se sobrevivesse, mas realmente não assinou, e deixou dito a várias pessoas da mais alta categoria que jamais assinaria.
 
Posso ainda acrescentar, com plena convicção, que esta condenação foi desastrosa para a França, para o mundo e para a Igreja, sem que isto se interprete como uma acusação de erro, falha ou intriga, lançada à conta do Santo Ofício já tão abundantemente caluniado, e sem que isto possa ser compreendido como uma diminuição do respeito e da veneração que tenho pela memória do grande pontífice que foi Pio XI.
 
Não podemos formar nenhum juízo sobre tão intrincada questão se não soubermos cuidadosamente discernir as circunstâncias intransferíveis de uma para outra época, de uma para outra experiência pessoal.
 
De início é preciso não esquecer, como tão bem assinalou Maritain no ensaio Une opinion sur Charles Maurras et le devoir des catholiques, publicado em 26, em defesa de Maurras, nas vésperas da condenação, que Charles Maurras constituía, para quem o conhecia de longe, e mesmo para quem com ele conviveu, um paradoxo, um enigma indecifrável, um mistério perturbador. Vale a pena reler o que dizia Maritain dois meses antes da condenação.
 
Como poderia eu, de início, não dizer minha admiração por Charles Maurras? Sua grandeza, a mola interior profunda de sua atividade é, a meu ver, antes de tudo, o senso do “bem comum” da cidade... Maurras purificou, limpou a inteligência dos falsos dogmas liberais — e este é o benefício capital de sua obra, é o que explica o fato de tantos moços o tomarem por mestre. E por que razão tantos católicos deixaram para um outro (um não católico) a tarefa que lhes incumbia, e que não exigia somente os tesouros de doutrina que superabundantemente possuem, e perto dos quais dormem tão freqüentemente, mas a audácia, a força, a coragem intelectual de usar a fundo esses tesouros, e o gênio de saber aplica-los ao real? 34
 
Assinalemos e frisemos esta especial queixa que Maurras tem dos católicos, e que é o reverso de um elogio de Charles Maurras, o mais desconcertante e merecido dos elogios: o gênio de saber aplicar à situação real os tesouros de doutrina católica concernentes ao bem comum da cidade.
 
Maritain continua, reconhecendo a inquietante singularidade de tal situação:
 
Do ponto de vista religioso, é perigoso considerar a Igreja pelos bens que ela distribui por acréscimo, sendo como é a melhor protetora do bem social, mais do que por seu fim, sua função e sua dignidade essencial que é a de dar aos homens a verdade sobrenatural... 35
 
Em face do paradoxo criado pelo gênio de Charles Maurras, não é justo nem razoável querer que Pio XI tivesse em Maurras e na Action Française a confiança que tinha Pio X, confiança bem fundada nos admiráveis serviços prestados à Igreja nas horas da cruel perseguição, e nos dias em que inúmeros católicos da A.F. se arruinaram para socorrer as casas religiosas perseguidas pelo governo Combes e sucessores. Pio X sabia que Maurras, a despeito de suas obras literárias de mocidade — obras realmente condenáveis, e certamente mais condenáveis do que as do pobre Maeterlinck que teve um papel providencial na conversão de Jacques Maritain (!)36 — era um soldado de Cristo. Pio X adivinhava que Maurras defendia a Igreja não apenas pelos bens que ela distribui por acréscimo, e deixou na memória de numerosas testemunhas de mais alta categoria a lembrança dessa convicção que o levava a reafirmar que jamais condenaria Maurras apesar da insistência de alguns purpurados.
 
Daniel-Rops, no seu livro Un combat pour Dieu, atribuía a clemência e a boa vontade de Pio X a razões de conveniência política. Mas esse mesmo historiador, no mesmo livro à página 274, diz de Pio X:
 
Quando ele julga que os interesses de Deus estão ameaçados, esse homem maravilhosamente bom e benevolente torna-se de uma dureza de ferro.
 
Lucien Thomas aceita a maior assim formulada e desenvolve o silogismo que desarticula o comentário de Daniel-Rops:
 
Ora, é notório que, em relação a Charles Maurras Pio X não se mostrou de uma dureza de pedra. Ao contrário. Concluímos pois que, no espírito desse grande Pontífice, Maurras não ameaçava os interesses de Deus37.
 
Mas a “convicção” e a “confiança” de Pio X não são transferíveis. Assim como sabemos que errar por etnocentrismo quem quer julgar e apreciar outra cultura com os dados e critérios daquela que tem ao alcance de sua experiência, erraremos também se quisermos deslocar as convicções, experiências, afetos, pressentimentos do pontificado de Pio X para o pontificado de Pio XI. Todos esses numerosos fatores circunstanciais que condicionam o juízo prudencial não são transferíveis por uma simples operação da razão.
 
Em 1926 Pio XI não pensa em Charles Maurras como em um soldado de Cristo, ou mesmo apenas de Sua Igreja. Por infelicidade, desde as eleições de 24 em que a política do Núncio Apostólico favorece o famoso Cartel des gauches, e desde as violentas reações da Action Française, ferida em sua carne, pode-se dizer sem nenhuma injustiça que Pio XI está disposto ou predisposto contra Maurras.
 
Além disso, em 1926 falta a Pio XI uma experiência que ele brevemente adquirirá à custa de terríveis sofrimentos: a experiência mais próxima da malignidade da corrente revolucionária que desde a explosão do affaire avolumou-se e prepara-se para inundar o Ocidente. Os inimigos de Maurras e os inimigos da Igreja souberam bem aproveitar o momento favorável para quebrar seu mais vigoroso adversário.
 
A redação do decreto de condenação e a invocação de um suposto decreto e de uma suposta condenação de Pio X mostram que os intrigantes desta ténébreuse affaire estavam muito próximos do Santo Ofício e muito próximos do Papa.
 
Objetivamente, e com os dados que tinham na mão, os membros do Santo Ofício podiam julgar efetivamente perigosa a situação da Action Française, e realmente condenáveis os livros de Charles Maurras. Mas hoje, com os dados de que dispomos, é impossível evitar a penosa impressão de um ato em que o Papa e a Sagrada Congregação do Santo Ofício foram arrastados a uma intervenção desastrosa.
 
No tópico anterior, nós vimos um maravilhoso exemplo de como a Comunhão dos Santos e a Pessoa da Igreja, como diz hoje Maritain, corrigem os erros e tropeços do personnel de l’Église quando esse personnel age em causa própria.
 
Em dois anos Pio XI começou a desconfiar do equívoco a que fora levado, e começou a estimar Maurras. E, à medida que o comunismo se desmascarava na Espanha, Pio XI mais se aproximava daquele lutador que tão bem compreendia sua aflição (ao contrário do que acontecia com os que, na França em 1926, aplaudiram, obedeceram e até explicaram “por que Roma falou”); e mais começava a desconfiar que o devoto de Santa Teresinha não podia ser tão ateu e tão surdo à Fé como ele próprio dizia.
 
Durou doze anos o equívoco. Hoje, nós que não sofremos na hora a condenação, mas sofremos agora as conseqüências — hoje diríamos que foi rápida a reconciliação, que foi rápido o progresso pessoal de Pio XI na visão do tenebroso momento histórico. Foi mais rápido do que o tempo que Maritain gastou para descobrir o contrário, como veremos no capítulo seguinte. Não deixa de ter algo de extravagante, de quase cômico, de fantástico, esse desencontro de homens admiráveis. À medida que Pio XI se aproxima de Pio X e culmina na Divini Redemptoris, a “intelligentzia” francesa, beneficiando-se do tempo em que esteve dona do hexágono, corria vertiginosamente para as esquerdas.
 
Pio XI lutou como um atleta, Maurras lutou como um gigante e morreu no seio da Igreja que tão apaixonadamente e tão misteriosamente defendera.
 
Mas a Revolução satânica, que hoje devora milhões de almas batizadas, teve uma batalha ganha na condenação da Action Française! No próximo capítulo veremos como evolui e engrossa a torrente.
 
Bibliografia sobre a Action Française:
 
Além do livro de Lucien Thomas, abundantemente citado, recomendamos ainda os seguinte:
 
Charles Maurras et Léon Daudet: L’Action Française et le Vatican (Flammarion 1927);
 
Charles Maurras: Le Bienheureux Pie X, sauveur de la France (Plon, 1953);
 
Robert Havard de la Montagne: Histoire de l’Action Française (Amoint-Damont, 1950);
 
Robert Havard de la Montagne: Chemins de Rome et de France (Nouvelles Ed. Latines, 1950);
 
Henri Massis: Maurras et notre temps, 2e édition complète (Plon, 1961);
 
Marie de Roux: Charles Maurras et le Nationalisme de l’Action Française (Grasset, 1928);
 
Maurice Pujo: Comment Rome est Trompé (Flammarion, 1929);
 
Robert Brasillach: Notre Avant-Guerre (Plon, 1966);
 
Lucien Thomas: L’Action Française devant l’Église de Pie X à Pie XII (Nouvelles Editions Latines, 1965).

  1. 1. Yves Simon, La Grande Crise de la République Française, ed. l’Arbre, Montréal, 1941, págs. 83-4.
  2. 2. Maurice Vaussard, Histoire de la Démocratie Chrétienne, ed. du Seuil, 1956, pág. 74.
  3. 3. Ibd., pág. 74.
  4. 4. Ibd., pág. 73.
  5. 5. Manoel Zurdo, Piorno, De Mounier a la Teologia de la Violencia, Madrid, 1969, pág. 156.
  6. 6. Adrien Dansette, Histoire du Catholicisme Français, Flammarion, 1957, pág. 414.
  7. 7. Ibid. pág. 163.
  8. 8. Joaquim Azpiazu, S. J., Direcciones Pontificias, pág. 177. M. Charles Ledré, Un Siècle sous la Tiare, ed. Amiot-Dumont.
  9. 9. M. Charles Ledré, Un Siècle sous la Tiare, ed. Amiot-Dumont.
  10. 10. Jacques Marteaux, L’Église de France devant la Révolution Marxiste, La Table Ronde, Paris, 1958, pág. 197.
  11. 11. Robert Brasillach, Notre Avant-Guerre, Plon 1941 pág. 28 e seg.
  12. 12. Jean de La Varende, Les Manants du Roi.
  13. 13. Henri Massis, Maurras et notre temps, Plon, 1961, pág. 234.
  14. 14. Ibid., pág. 237.
  15. 15. Ibid., pág. 137.
  16. 16. H. Rambaud, Le Defenseur de la Foi, Itinéraires, abril, 1968.
  17. 17. Ibid.
  18. 18. Ibid.
  19. 19. Ibid.
  20. 20. Annales de Sainte Thérèse de Lisieux, agosto-setembro, 1939.
  21. 21. Henri Massis, op. cit., pág. 286.
  22. 22. Ibid., págs. 283 e 433.
  23. 23. Refere-se à recente publicação de Divini Redemptoris.
  24. 24. Registre-se aqui um pequeno erro deste texto: a carta dirigida a Pio XI era assinada pelos “membros dos Comitês Diretores” e não por um “Comitê Diretor”.
  25. 25. Esses e outros depoimentos que hoje pertencem à história e não à discutível intriga mundano-eclesiástica estão publicados por Lucien Thomas, L´Action Française devan l’Église, Nouvelles Editions Latines, 1965.
  26. 26. Ibid.
  27. 27. Ibid.
  28. 28. Ibid., pág. 81.
  29. 29. Ibid., págs. 130-131.
  30. 30. Ibid., pág. 139.
  31. 31. Charles Maurras, Le Bienheureux Pie X, pág. 132.
  32. 32. Lucien Thomas, op. cit., pág. 148.
  33. 33. J. Maritain, De l’Église du Christ, Desclée de Brouwer, 1970.
  34. 34. Jacques Maritain, Une opinion sur Charles Maurras et le devoir des catholiques, outubro 1926, citado por Lucien Thomas, op. cit., págs. 212-213.
  35. 35. Lucien Thomas, op. cit., pág. 213.
  36. 36. Raissa Maritain, Les Grandes Amitiés, cap. V.
  37. 37. Lucien Thomas, op. cit., pág. 85.
AdaptiveThemes