Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

Art. 4 — Se a beatitude de Deus inclui todas as outras.

(I Cont. Gent., cap. CII).
 
O quarto discute-se assim. — Parece que a divina beatitude não inclui todas as outras.
 
1. — Pois, há beatitudes falsas. Ora, em Deus nada pode ser falso. Logo, a divina bea­titude não inclui todas as outras.
 
2. Demais. — Para alguns a beatitude con­siste em coisas corpóreas, como os prazeres, as riquezas e coisas semelhantes, que não podem convir a um Deus incorpóreo. Logo, a beatitude de Deus não inclui todas as outras.
 
Mas, em contrário, a beatitude é uma certa perfeição. Ora, a divina perfeição inclui todas as outras, como dissemos1. Logo, a divina bea­titude inclui todas as outras.
 
Solução. — Tudo o que em qualquer beati­tude verdadeira ou falsa, é desejável, preexiste na divina, total e eminentemente. Pois, quanto à felicidade contemplativa, Deus tem contínua e certíssima contemplação de si e de todos os demais seres. Quanto à ativa, tem o governo de todo o universo. Quanto à felicidade terre­na, consistente no prazer, nas riquezas, no poder, na dignidade, e na glória, segundo Boécio2, tem o gáudio de si mesmo e de todos os demais seres, em lugar do prazer; em lugar das rique­zas, a omnímoda abastança, que elas prometem; a onipotência, em lugar do poder; a regên­cia de tudo, em lugar da dignidade e, em lugar da glória, a admiração de todas as criaturas.
 
Donde a resposta à primeira objeção. — Falsa, e portanto, inexistente em Deus, é a bea­titude que não tem natureza verdadeira. Mas, o que quer que se assemelhe, tenuemente que seja com a beatitude, preexiste totalmente na divina.
 
Resposta à segunda. — Os bens existentes corporalmente, nos seres corpóreos, existem em Deus ao modo deste, isto é, espiritualmente.
 
 
E no atinente à unidade da divina essência, baste o que dissemos até aqui.

  1. 1. Q. 4, a. 2.
  2. 2. III Consol.
AdaptiveThemes