Skip to content

Category: Vaticano IIConteúdo sindicalizado

Em defesa da Fraternidade São Pio X

Dom Lourenço Fleichman OSB

O Fratres in unum tirou a máscara. Já há muito que se percebia um apoio constante aos "conservadores" ligados à Ecclesia Dei, enquanto que a Fraternidade São Pio X, que eles diziam apoiar, só aparecia ali quando alguma entrevista para os jornais, por si mesmas mais superficiais e amenas, levava os seus superiores a evitar críticas ao papa ou aos bispos. Mas um Superior de Distrito da Fraternidade não escreve um Comunicado da gravidade daquele publicado no site do distrito francês, como se falasse a jornalistas. É evidente. Qualquer superior militar sabe distinguir entre um aviso aos jornais e um comunicado aos seus soldados. Nada mais natural do que um chefe do combate espiritual dessa guerra que travamos, assim proceda. Não existe nisso contradição.

O texto publicado contra a Fraternidade São Pio X no Fratres in unum é um panfleto maldoso, cheio de erros de interpretação, de erros de tradução, de má fé. Seu autor, não podendo encontrar respostas ao grito de Fé do padre de Cacqueray, apela para um artigo de 2008, de outro padre, em contexto completamente diferente, e que, mesmo assim, é analisado de modo a induzir em erro seus leitores.
Pessoalmente, sempre achei que a situação atual, mesmo sendo necessária, induzia muitos a um erro de avaliação, ao julgarem que a ida da Fraternidade a Roma para as discussões teológicas significaria uma adesão desta à reforma da reforma trabalhada por Bento XVI. Bastou um ato mais forte do papa na direção dos erros do ecumenismo para essa gente dar gritinhos escandalizados, não com o gritante erro dos chefes, mas com a reação saudável dos filhos que não podem aceitar a nudez do pai. Aos que preferem rir-se da nudez do papa, embrigado de ecumenismo naturalista, só nos resta aquela condenação de Noé convertido, depois que passou o efeito do vinho: "Maldito seja Canaã!" (Gênesis, 9, 25) Para restabelecer a justiça gravemente ferida pelo Fratres in unum, publicamos aqui as pungentes palavras do padre de Cacqueray a seus padres e a seus féis franceses. Que elas sirvam de alerta para nossos leitores e amigos. A tradução é da Permanência. Leia a continuação

Falsas Lições sobre Gustavo Corção

 Dom Lourenço Fleichman OSB

 

Quando escrevi o prefácio ao livro O Pensamento de Dom Antônio de Castro Mayer, procurei denunciar a falsificação que seus sucessores e seus padres realizavam ao esconder e abandonar toda referência aos textos do grande bispo, com data a partir da década de 1970. Nesta época tornaram-se mais claras as causas dramáticas da crise da Igreja e por todo o mundo apareceram críticas mais severas ao Concílio Vaticano II e sua obra. LEIA A CONTINUAÇÃO
 

Resposta de D. Marcel Lefebvre ao Cardeal Ottaviani

[Nota da Permanência] Em sua entrevista ao site Dici.org, da Fraternidade Sacerdotal São Pio X, Dom Bernard Fellay explicava alguns pontos da conversa com o Papa Bento XVI, de 29 de agosto passado: "Bento XVI assinalou que só há um modo de estar na Igreja Católica: é ter o espírito do Vaticano II interpretado à luz da Tradição, ou seja, na intenção dos padres do Concílio e segundo a letra dos textos. Esta é uma perspectiva que nos assusta muito... Em seguida, pensa o Soberano Pontífice, seria necessário para nós uma estrutura que nos convenha para o rito tradicional e para outras práticas exteriores - sem que nada nos proteja do espírito do Concílio, o qual deveríamos adotar". (www.dici.org, em 17/9/2005)
 
Estando nas vésperas do 40º aniversário do encerramento do Concílio Vaticano II (8/12/1965) pareceu-nos importante lhes trazer uma carta verdadeiramente profética, de Dom Marcel Lefebvre, enviada ao Cardeal Ottaviani, em 1966, quando este era pró-prefeito do Santo Ofício (que tornou-se mais tarde Congregação para a Doutrina da Fé) onde o autor descreve os frutos envenenados que se devia esperar do Concílio, "a mais grave tragédia jamais sofrida pela Igreja".
 
Seguindo os passos deste santo defensor da fé, parece-nos evidente que só há um meio de se manter dentro da Igreja Católica: é recusar o espírito do Concílio e trabalhar com todo o empenho para a difusão do Reino de Cristo-Rei e do Imaculado Coração de Maria.
 
(fonte: Boletim do Priorado Maria-Rainha, Mulhouse, França)

O Movimento Carismático

Abril 25, 2010 escrito por admin

 Artigo do jornal Si Si No No

Suas origens
 
Tudo começou com a participação de alguns católicos em assembléias de pentecostistas protestantes e com a recepção do “batismo do Espírito” por obra dos pentecostistas.
 

O acontecimento capital do século XX

Abril 18, 2010 escrito por admin

A perda da fé pela Hierarquia católica

Até bem pouco tempo as pessoas mais ou menos cultivadas, em geral, estimavam que o acontecimento capital do século XX fora a Revolução Russa, com a conseqüência da expansão mundial do comunismo. Mas depois da queda do Muro de Berlim (1989) e a dissolução auto-imposta da União Soviética, de um dia para outro o esquecimento desceu sobre o marxismo e sobre sua realização pratica. Então, que outro acontecimento? Poderia haver um mais importante do que as revoluções, as duas Guerras Mundiais, os genocídios, a chegada do homem à lua e outros acontecimentos e fenômenos terríveis e extraordinários do século que terminou?  Para nós há um acontecimento de extrema gravidade, capaz de suscitar a justa cólera de Deus em relação ao mundo: a perda da Fé por grande parte da hierarquia católica, que emergiu a partir do Concilio Ecumênico Vaticano II (1962–1965). Naturalmente nos referimos à fé tal como resulta dos documentos oficiais do Magistério atual.

A Protestantização do Concílio Vaticano II

 Conferência do Sr. Padre Franz SCHMIDBERGER
Simpósio de Teologia em Paris, outubro de 2005.

  
Nossa exposição divide-se em 4 partes:
 
1ª Resumo da posição protestante;
2ª Presença dos protestantes no Concílio Vaticano II;
3ª Influência protestante no espírito e nos documentos do Concílio;
4ª Escorço sobre o pós-Concílio e conclusão;

 

A Anti-Igreja

Quando foram distribuídos, entre os Padres Conciliares, os primeiros esquemas do II Concilio do Vaticano, interpelaram-me: - V. acha que, para isso, seria preciso reunir um Concílio? A razão da pergunta é que os esquemas não apresentavam nenhuma novidade.

Sermão de D. Tissier de Mallerais

O sermão transcrito abaixo foi dado em Ecône, no dia 27 de junho de 2002.  De grande força doutrinária, estas palavras tiram as consequências dolorosas mas reais de toda a destruição operada pelo Concílio Vaticano II, não somente nos atos e costumes da Igreja oficial, mas também nas mentalidades, nos corações de milhões de católicos espalhados pelo mundo e vivendo dentro dessas heresias e desses erros terríveis e acreditando que se deve obedecer a tais chefes.

Pela honra da Igreja

Palestra pronunciada em Viena, 29 de Setembro de 1975. Apesar da data, traz muitas luzes sobre nossa atitude, hoje, diante da crise da Igreja e sobre suas causas que procedem do espírito liberal, condenado pela Igreja.
 

Cartas do Concílio

Apresentação de Dom Lourenço Fleichman, OSB:
 
A revista Le Sel de la Terre, dos dominicanos franceses fiéis à Tradição acaba de publicar algumas das cartas que o Pe. Berto escreveu de Roma, durante o Concílio, às religiosas de Pontcalec, nas quais ele fala dos trabalhos nas sessões do Concílio e das angústias que ele sente diante do desastre que se anunciava eminente. Vamos expor alguns dados sobre o Pe. Berto e em seguida a tradução das cartas mais importantes.

AdaptiveThemes