Skip to content

Blogs

Coronavírus: Entre o medo e a audácia

Abril 4, 2020 escrito por admin

Dom Lourenço Fleichman OSB

Mais uma vez me vejo na obrigação de esclarecer nossa posição católica, diante de crises que se abatem sobre a nossa sociedade. Nosso mundo anda mergulhado no que lhe parece ser um grande sol a iluminá-lo, quando na verdade é apenas uma escravidão consentida e desejada. Sim, os tecnológicos homens desse mundo pós-moderno sabem, percebem sua incapacidade de fugir da compulsão das redes sociais, das massificantes notícias e informações, e sobretudo da sensação que tomou conta de todos, de serem livres como um passarinho a voejar entre galhos de árvores e fios elétricos. 

Poderíamos perguntar a nós mesmos o porquê dessa doença; creio que responderia que o homem busca companhia. Até certo ponto, convenhamos, essa busca é natural, visto a definição mais do que antiga feita pelo Filósofo, segundo a qual o homem é um animal político: vive na companhia dos seus semelhantes. Ora, como o mundo moderno desenhou no pé da mesa do computador (eu sei, eu sei, já não é mais no computador, é deitado na cama ou no sofá com o celular nos dedos, mas não atrapalhem, por favor, a minha história!)... então, retomemos: como o mundo moderno desenhou no pé da cama, ou da mesa, uma bola de ferro virtual, e disse ao ser debruçado na máquina: – veja, caro amigo, esta é uma bola de ferro virtual, nada mais “real” do que o virtual. Portanto, você está preso, velho escravo. Não se mexa, não saia daí.

Edição Hors Série

Março 30, 2019 escrito por admin

Islã, religião do amor?

Agosto 2, 2016 escrito por site_permanencia

 

É preciso distinguir islã e fundamentalismo islâmico? O islã é mesmo uma religião de amor? Existe mesmo um islã moderado? Os responsáveis pelos atentados recentes encontraram no corão sua justificação?

O estudo a seguir vai responder, com clareza e precisão, essas questões fundamentais. As autoridades religiosas e políticas terão interesse em se debruçar sobre estas interrogações. Leia mais

 

O sacerdócio

Fevereiro 15, 2020 escrito por admin

"Porque se alguém procurasse considerar o que é um homem ainda envolto na carne e no sangue, ter o poder de se aproximar daquela feliz e imortal natureza, veria então quão grande é a honra que a graça do Espírito Santo concedeu aos sacerdotes. Pois por meio desses se exercem essas coisas e outras também nada inferiores,  que dizem respeito à nossa dignidade e a nossa salvação.

A eles que habitam nessa terra e fazem nela sua morada, foi dado o encargo de administrar as coisas celestiais e receberam um poder que Deus não concedeu nem mesmo aos anjos e arcanjos, pois não foram a esses que foi dito: "Tudo o que ligardes sobre a terra, será ligado no Céu e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no Céu" (Mt18,18). Os que dominam nesse mundo possuem também o poder de atar, porém somente os corpos; mas a atadura de que falamos, diz respeito à própria alma e penetra os Céus; e as coisas que aqui na terra, o fazem os sacerdotes, Deus as ratifica lá nos Céus confirmando a sentença de seus servos.

Afinal o que mais lhes foi dado, senão todo o poder celestial? "Aqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo. 20,23). Que poder maior do que esse alguém poderia receber? O Pai entregou ao Filho todo o poder, porém vejo que todo esse poder o Filho colocou nas mãos dos sacerdotes. É como se já tivessem sido trasladados aos Céus e erguendo-se sobre a natureza humana, livres de nossas paixões, tivessem sido elevados a tão grande poder.

Imagine se um rei proporcionasse tal honra a um de seus súditos, o qual  por sua vontade encarcerasse, ou pelo contrário, livrasse das prisões a quem bem entendesse, será que esse não seria visto como um fortunado e respeitado por todos? E aquele que recebeu de Deus um poder infinitamente maior, mais precioso ao Céu do que à terra, mais precioso à alma do que ao corpo, será que para alguns tal honra possa parecer algo tão insignificante que não mereça consideração ou que se possa depreciar o benefício? Longe de nós tal loucura!

De fato, seria sem dúvida uma grande loucura depreciar uma dignidade tão grande, sem a qual não podemos obter nem a salvação, nem os bens que nos foram propostos, porque ninguém pode entrar no Reino dos Céus se não for regenerado pela água e pelo espírito (Jo. 3,5).  E aquele que não come a carne do Senhor e não bebe seu sangue, está excluído da vida eterna. Nenhuma dessas coisas se faz pelas mãos de qualquer outro,senão por aquelas santas mãos do sacerdote. Como poderá pois alguém, sem o auxílio desses, escapar do fogo do Inferno ou chegar à conquista das coroas que lhes estão reservadas?

Esses pois são a quem foram confiados os partos espirituais e encomendados os filhos que nascem pelo Batismo. Através desses, nos revestimos de Cristo e nos unimos ao Filho de Deus tornando-nos membros daquela bem-aventurada Cabeça, de forma que para nós, com justiça eles devem ser  respeitados não apenas mais do que os poderosos e reis, mas até mesmo mais do que nossos próprios pais, porque esses nos geraram pelo sangue e pela vontade da carne, enquanto os sacerdotes são os autores do nosso nascimento para Deus, para aquela ditosa geração da verdadeira liberdade e da adoção de filhos segundo a graça."

Exortação do Pe. Pio para as almas consagradas

Janeiro 25, 2020 escrito por admin

Padre Pio de Pietralcina (Itália) que possuía as Santas Chagas de Jesus, disse em visão a um irmão (Padre): Escutai, almas consagradas!

"Que irá acontecer ao mundo? No meio da nossa alegria no Céu, estremecemos, com angústia, porque todos temos os nossos na terra. Apressa-te! Não temas as reflexões que façam! Escreve, fala, remexe os corações que se querem atolar no lodo. Mais que todos, são os nossos irmãos consagrados que embebem de amargura a Cristo, "Pão da vida", porque começam a corromper-se. A hora é grave, muito grave e eles serão os primeiros a serem arrebatados pela tempestade, porque é por eles, por seu intermédio, que vêm tantos males ao mundo.

Lembrai-vos disto; gravai-o profundamente em vossos corações. O mais belo e precioso ornamento do padre é a pureza virginal. A pureza penetra até o mais alto do céu, faz ver e compreender coisas sublimes; ela é um reflexo da claridade de Deus; dá o gosto e o sabor de tudo o que é santo; tem uma intuição particular das coisas espirituais e gera o heroísmo da virtude e do martírio; ela nos dá ardor e entusiasmo para a salvação das almas.

Que fareis vós, queridos irmãos, para vos conservardes castos e puros no meio de tantos perigos, no meio dum mundo sedutor e pérfido? Mortificai os sentidos, mortificai os olhos e principalmente os ouvidos, evitando familiaridades ociosas, que são a sepultura da pureza. Oh! A pureza virginal! Até os anjos a invejam! Ela dá a todo o ser brilho particular. A pureza vem do Céu; é preciso pedi-la sem cessar ao Senhor e ter o cuidado de não a ofuscar; é preciso fechar as portas à sensualidade da terra, como se barreiam as portas e janelas para impedir a entrada de alguém.

Inflamai-vos de amor por Deus o pensamento contínuo da sua onipotência, para que vivais neste mundo a vida do Céu. Que os fiéis se lembrem disto: faça-se nas paróquias ao menos em particular, uma hora santa, toda as quintas-feiras, pela santificação dos sacerdotes".

Muçulmanos querem calar nossos sinos

Julho 25, 2016 escrito por site_permanencia

O Reino Unido assiste ao desenvolvimento de uma nova forma de anticristianismo por radicais islâmicos. Em várias cidades, famílias muçulmanas têm feito denúncias contra igrejas próximas de suas residências, com o intuito de impedi-las de tocar os sinos. Os muçulmanos chegam a afirmar que o tocar dos sinos é um desrespeito com outras religiões.

Grupos de muçulmanos, vizinhos de diversas igrejas britânicas, exigem que durante as missas nenhum barulho seja ouvido fora das igrejas.  Leia mais

Suma Teológica está no ar

Setembro 30, 2014 escrito por admin

 CONCLUÍMOS A PUBLICAÇÃO DA
 

SUMA TEOLÓGICA

    

Nossos agradecimentos aos envolvidos neste projeto de redigitar o Magnum Opus do Pensamento Católico. Santo Tomás de Aquino, Rogai por nós!

LANÇAMENTOS DA EDITORA PERMANÊNCIA

Setembro 2, 2014 escrito por Dom Lourenço

Iniciamos o mês de setembro com a chegada de duas novidades:

Revista Permanência 275 e Martirológio Romano.

1) Revista Permanência 275

   Nossa Revista propõe aos leitores vários artigos de análise da situação da Igreja. A crise que nos angustia há tantas décadas vai sufocando a alma católica e nos conduzindo a um impasse terrível. Tem-se a impressão de que em breve não haverá mais nada de humano a ser feito, senão abandonarmos nossas vidas e nossa fé nas mãos de Nosso Senhor, chorar nossos pecados e aguardar a intervenção de Jesus Cristo no governos de sua Igreja.

Seria o fim? Não podemos pensar assim. Ao contrário, temos a força sobrenatural da virtude da Esperança que vem em socorro da nossa fé e nos prepara no combate.

Como exemplo da decadência, analisamos o pontificado do papa Francisco, continuamos a tratar do tema das canonizações, dessa vez apresentando a verdadeira face da madre Tereza de Calcutá, e analisamos a visão de Gustavo Corção sobre a existência da "Outra", esse igreja inventada por Vaticano II que tenta esmagar a verdadeira Igreja Católica.

 

Outros artigos importantes seguem, principalmente o belo texto do Pe. José Maria Mestre, já nosso conhecido, dessa vez falando sobre os meios de santificação. Assinalamos também um artigo muito antigo do famoso Câmara Cascudo, contando

 

como nosso grande e santo bispo, Dom Vital, foi defendido na Câmara dos Deputados, quando estava preso nas masmorras do Rio de Janeiro.

 

R$ 25,00

 

 

 

 

 

 

 

2) MARTIROLÓGIO ROMANO

O Martirológio é um livro litúrgico usado pela Igreja para anunciar as festas dos santos na véspera do seu dia. Sua leitura diária é feita no final do Ofício de Prima ou na leitura do Refeitório, comum às casas religiosas. Os que não são religiosos podem usá-lo em sua oração da manhã ou da noite, como preparação para o dia seguinte. Como o Concílio Vaticano II modificou em muitos pontos o calendário das festas litúrgicas, trazendo certa confusão nas almas, tornou-se urgente a publicação do calendário tradicional, mantido por todos os padres fiéis à Tradição. Nossa edição traduzida para o português é precedida de uma explicação sobre as principais noções e conceitos que entram na elaboração do Ano Litúrgico, tais como o número de ouro, a epacta, a letra do Martirológio e outros. 462 páginas. Indices diversos.

R$ 70,00

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Perseguição no Iraque e castigo da humanidade

Julho 22, 2014 escrito por Dom Lourenço

A perseguição aos católicos nos países muçulmanos continua dramática e cruel. Vejam o que foi difundido nas agências de notícias:

A situação dos cristãos no Iraque está ficando cada vez mais dramática. Neste final de semana a Mitra Diocesana de Mosul foi incendiada e o Mosteiro de Mar Behnam, que fica a dez minutos da cidade de Qaraqosh, foi tomado pelos fundamentalistas do Estado Islâmico do Iraque e Levante (ISIL), que na semana passada obrigaram os fiéis a fugirem de Mosul depois de marcar as suas casas com a frase “imóvel de propriedade do ISIL”.

Em toda a história da humanidade, Deus castigou os povos que se afastaram da sua santa Lei. Como o mundo todo, hoje, incluindo o próprio Vaticano, já não quer o domínio de Deus sobre os homens, é de se esperar castigos salutares, para a nossa salvação.

Nas regiões islâmicas, a cruz vem pela morte e por crueldades variadas; entre nós, somos duramente perseguidos por leis iníquas que nos constrangem e impedem a prática do bem e a difusão da verdade.

Que Nossa Senhora de Fátima nos proteja da calamidade. Venha a nós o Vosso Reino!

 

AdaptiveThemes