Skip to content

Category: Revista Permanência 274Conteúdo sindicalizado

Fiel à paternidade

Randall C. Flanery

 

 

Ser fiel: estrita observância dos deveres

Atualmente a paternidade se encontra num estado lamentável. O pai, como presença ativa na família e na vida pública, vem desaparecendo desde o nascimento de nossa nação1. Os cientistas sociais reconhecem as perdas culturais da ausência paterna, e a identificam como o problema social mais urgente de nossos tempos2. Um número impressionante de dificuldades sociais e psicológicas está afligindo as crianças criadas sem pais 3. Meninas criadas sem pais são mais propensas à promiscuidade, transtornos alimentares, depressão e suicídio; meninos sem pais são mais propensos a delinqüência, criminalidade, uso de drogas, e a se transformarem em pais ausentes ou agressivos. E note-se que essas probabilidades aumentam em mais de sete vezes, o que não é pouca coisa.

A razão direta da ausência paterna está nas relações entre os pais que não se concretizam em casamento ou que terminam em divórcio. Aparentemente, os requisitos mínimos da paternidade estão longe da mente de muitos jovens. Dois dentre os muitos motivos desse estado lastimável são a marginalização da paternidade e as seduções da sociedade, para que se negligenciem as responsabilidades paternas. 

A marginalização da paternidade atinge diretamente os homens [ou seja, em si mesmos], e também indiretamente, com o aumento da desconfiança das pessoas - como das próprias esposas, que não estão imunes às influências culturais negativas. E é tão forte a ridicularização da masculinidade, que os homens que lutam contra as pressões predominantes e tentam fazerem-se presentes no lar podem, apesar de tudo, ser vistos com desconfiança pelas esposas, o que ajuda a retrair ainda mais a presença masculina.

  1. 1. Joseph Pleck no livro American Fathering in Historical Perspective (1987) expõe o declínio constante do papel dos pais na vida familiar ao longo dos últimos duzentos anos.
  2. 2. David Blankenthorn em Fatherless America (1995).
  3. 3. David Lykken, após notável carreira de pesquisador, recebeu da Associação Americana de Psicologia, em 2001, o prêmio de Distinção nas Aplicações Científicas da Psicologia. No discurso de agradecimento afirma, não sem certo humor, que os futuros pais, para que fossem “licenciados” a gerarem filhos, deveriam, no mínimo, preencher os mesmos requisitos dos homens que pretendem adotar. Esse argumento, se levado a sério, nada tem de católico, porém salienta as conseqüências funestas da ausência paterna para a sociedade e para as próprias crianças.

Vida intelectual versus vida de curiosidade

(Esta conferência foi proferida na Jornada de Formação do MJCB em 2012. Apresentamos aqui a sua transcrição).

 

Pe. Luiz Cláudio Camargo FSSPX

A obra que estamos propondo realizar em nossos priorados consiste exatamente na idéia da universidade: versus unum. A universidade é a reunião de todas as faculdades, iluminadas pela Teologia. A nossa vida precisa alcançar essa unidade mais elevada, e o lugar privilegiado para isso, na situação em que nos encontramos hoje, são os nossos priorados.

Quero comparar aqui os elementos normais da vida intelectual — o ato, a estrutura da vida interior — com a sua deformação. Gostaria de comparar a vida intelectual com a vida de curiosidade, e daí tentar tirar os conselhos práticos para a vida especulativa. 

Pode-se dizer que há duas partes no esforço intelectual. Em primeiro lugar, há o que se pode chamar de studium, o estudo. Em latim, a palavra studium significa esforço. É interessante notar que toda a primeira parte, a do esforço intelectual, por causa da união e da relação entre o corpo e a alma, é necessária para se chegar ao ato específico em que a inteligência enxerga o seu objeto. Ela exige um esforço muito grande. O modo pelo qual chegamos ao conhecimento é um modo laborioso, chamamo-lo de modo racional. É necessário ruminar até se chegar ao saber. Em seguida, temos um ato próprio, específico, e o efeito próprio pelo qual a inteligência vê o seu objeto, alcança-o, pode ser chamado de gaudium. Então, alcança-se a idéia e a alma repousa. Leia mais

Revista Permanência 274 - Pentecostes de 2014

Índice da Revista (274)                                              155 págs

(Editorial) Vaticano II canonizado?     Dom Lourenço Fleichman
Sobre o anticristo  Cardeal Pie
Dúvida e confusão     John Vennari
Breve compêndio da lei natural      Jean Madiran
Entrevista com o Coronel Ustra      Carlos Brilhante Ustra
As grandezas de Jesus Cristo      Pe. Roger-Thomas Calmel
Fiel à paternidade Randall C. Flanery
Vida intelectual versus vida de curiosidade   Pe. Luiz Cláudio Camargo
Conferências sobre a santidade    Pe. Matèo Crawley-Boevey
O problema do lazer Gustavo Corção

                                        

AdaptiveThemes