Skip to content

Art. 4 — Se o efeito do sacerdócio de Cristo não só pertencia aos outros, mas também a ele próprio.

O quarto discute-se assim. — Parece que o efeito do sacerdócio de Cristo não pertencia só aos outros, mas também a ele próprio.

1.  Pois, é ofício do sacerdote orar pelo povo, segundo aquilo da Escritura: Os sacerdotes estavam fazendo oração enquanto o sacrifício se consumava. Ora, não somente orou pelos outros, mas também por si mesmo, como se disse e como expressamente o afirma o Apóstolo, quando escreve que nos dias da sua mortalidade ofereceu com um grande brado e com lágrimas preces e rogos a Deus que o podia salvar da morte. Logo, o sacerdócio de Cristo teve o efeito não só para os outros mas também para si.

2. Demais. Cristo ofereceu-se a si mesmo em sacrifício, na sua paixão. Ora, pela sua paixão mereceu não somente pelos outros, mas também para si, como se estabeleceu. Logo, o sacerdócio de Cristo produziu efeito não só para os outros mas também para si.

3. Demais.  O sacerdócio da lei antiga foi figura do sacerdócio de Cristo. Ora, o sacerdote da lei antiga oferecia sacrifício não só pelos outros, mas também por si mesmo, no dizer da Escritura: O pontífice entra no santuário para orar por si e pela sua casa e por todo o ajuntamento de Israel. Logo, também o sacerdócio de Cristo produziu efeito não só para ele próprio, mas ainda para os outros.

Mas, em contrário, lê-se no Sínodo Efesino: Quem disser que Cristo ofereceu sacrifício por si e não, antes, só por nós  pois não precisava de sacrifício quem era isento de pecado  esse seja anátema. Ora, o ofício do sacerdote consistia sobretudo em oferecer sacrifícios. Logo, o sacerdócio de Cristo nenhum efeito produziu para Cristo.

SOLUÇÃO. — Como dissemos, o sacerdote é constituído medianeiro entre Deus e o povo. Ora, precisa de um medianeiro quem por si só não pode chegar a Deus; e por isso depende do sacerdócio e participa do efeito dele. Ora, de tal não precisava Cristo e assim diz o Apóstolo: Chegando-se por si mesmo a Deus, vivendo sempre para interceder por nós. Por isso não cabia a Cristo beneficiar do efeito do sacerdócio; ao contrário, comunicava-o ele aos outros. Pois, o agente primeiro, em qualquer gênero, é, nesse gênero, influente e não recipiente; assim, o sol ilumina e não é iluminado e o fogo não é aquecido, que aquece. Ora, Cristo é a fonte de todo sacerdócio; pois, se figura dele era o sacerdócio da lei, o sacerdote da lei nova obra, na pessoa dele, segundo aquilo do Apóstolo: Pois eu a indulgência de que usei, se de alguma tenho usado, foi por amor de vós em pessoa de Cristo. Por isso não cabia a Cristo beneficiar do efeito do sacerdócio.

DONDE A RESPOSTA À PRIMEIRA OBJEÇÃO. — A oração, embora própria dos sacerdotes, contudo não é o ofício peculiar deles; pois, qualquer pode orar por si e por outrem, segundo a Escritura: Orai uns pelos outros para serdes salvos. E assim, poderíamos dizer que a oração, na qual Cristo rogou por si, não era ato de sacerdócio seu. Mas essa resposta fica excluída pelas Palavras que o Apóstolo, depois de ter dito  Tu és sacerdote eternamente, segundo a ordem de Melquisedeque acrescenta: O qual nos dias da sua mortalidade, preces etc., como acima; e assim, a oração feita por Cristo pertencia-lhe ao sacerdócio. E por isso devemos dizer, que os outros sacerdotes participam-lhe o efeito do sacerdócio, não enquanto sacerdotes, mas enquanto pecadores, como mais abaixo diremos. Ora Cristo, absolutamente falando, não teve nenhum pecado. Mas teve na sua carne a semelhança do pecado. Por isso não devemos, em sentido absoluto, afirmar que participou do efeito do sacerdócio; mas só, de certo modo, isto é, pela passibilidade da carne. Donde o dizer sinaladamente: Que o podia salvar da morte.

RESPOSTA À SEGUNDA. — Na oblação do sacrifício de qualquer sacerdote duas coisas podemos considerar: o sacrifício mesmo oferecido e a devotação do .oferente. Ora, o efeito próprio do sacerdócio é o resultado mesmo do sacrifício. Ora, Cristo alcançou, pela sua paixão, a glória do ressurgir; não quase em virtude do sacrifício, oferecido a modo de satisfação, mas pela devotação mesma, pelo qual sofreu a paixão humildemente e segundo a caridade.

RESPOSTA À TERCEIRA. — A figura não pode adequar-se à verdade. Por isso o sacerdócio figurado da lei antiga não podia chegar à perfeição de não precisar do sacrifício satisfatório, do qual Cristo não precisava. Por onde, não há semelhanças de razão em ambos os casos. E tal é o que diz o Apóstolo: A lei constituiu sacerdotes a homens que tem enfermidade; mas a palavra do juramento, que é depois da lei, constitui ao Filho perfeito eternamente.

AdaptiveThemes