Skip to content

CAMPANHA DE ROSÁRIOS PELAS ELEIÇÕES

 

Clique na imagem para ler a oração que acompanha o Rosário

Clique aqui para ler o texto explicativo

 

01 de fevereiro: Jesus à porta [*]

1 de fevereiro
 
 
Eis que estou à porta e bato (Ap 3, 20).
 
 
Eis que estou, à espera de penitência: O Senhor espera o momento em que vos fará mercê. Is 30. Ei-lo que está por detrás da nossa parede. Ct 2,9.
 
À porta do coração, que é o livre arbítrio. Nenhum de vós saia da porta da sua casa até pela manhã. Ex 12. Esta porta é mantida fechada enquanto o homem deseja o pecado, e assim, o Senhor não pode entrar: na alma maligna não entrará a Sabedoria. Sb 1, 4.
 
E bato, inspirando, castigando, pregando, concedendo benefícios. Eis a voz do meu amado, que bate: abre-me, ó minha irmã, amiga minha, pomba minha, imaculada minha. Ct 5, 2.
 
Se alguém ouvir, isto é, por um ouvido do coração, que é a inteligência, e pelo outro, que é a obediência, a minha voz, isto é, a inspiração, o castigo ou a pregação, ou o benefício concedido, que são chamados de voz de Deus, pois por eles o Senhor nos chama a si e, contudo, poucos são os que ouvem.
 
E me abrir a porta do seu coração, ou seja, a vontade, pela qual Cristo ingressa na alma, e que se diz aberta para Cristo ao consentir no bem, ou aberta para o diabo, ao consentir no mal.
 
Entrarei nele, infundindo-lhe a graça, assim como o sol entra numa casa por uma janela aberta, introduzindo seus raios, pois o sol não entra senão quando as janelas estão abertas e, tão logo abertas, imediatamente entra o sol.

E cearei com ele, isto é, deleitar-me-ei na sua fé e nas suas obras.
 
E ele comigo, pois se alegrará com meu auxílio.
 
Ou ainda: E cearei com ele e ele comigo, isto é, reconciliar-me-ei com ele e ele, comigo, pois o jantar é sinal de mútua reconciliação e de mútua dileção.
 
Ainda: Deus ceia com o homem ao infundir-lhe a graça, com a qual reconforta-se o homem; e o homem ceia com Deus, cooperando com a graça, e assim, ceiam um com o outro, cada um com sua parte.
 
Porém, é Deus quem ceia primeiro com o homem, pois age primeiro, infundindo-lhe a graça ou movendo o livre arbítrio; o homem ceia com Deus posteriormente, cooperando com a graça ou consentindo à inspiração. Por isso: Atendendo a que ninguém falte à graça de Deus, a que nenhuma raiz de amargura, brotando para fora, sirva de embaraço. Heb 12, 15.
 
Ainda: ceia Deus com homem reconfortando-lhe sem seus merecimentos. Aqui é o descanso, reparai as forças do que está fatigado, este é o refigério. Is 28, 12. E o homem com o Senhor, nas recompensas que o aperfeiçoam. Saciar-me-ei, ao despertar, com o teu semblante.
 
Ainda: ceia Deus com o homem no século, o homem com Deus na pátria. Porém, melhor é a ceia que Deus oferece ao homem do que a que o homem oferece a Deus. Efetivamente, eu tenho por certo que os sofrimentos do tempo presente não têm proporção com a glória vindoura, que se manifestará em nós. Rm 8.
 
 
(In Apoc., c. III.)
      
 (P. D. Mézard, O. P., Meditationes ex Operibus S. Thomae.)

AdaptiveThemes