Skip to content

Índice temático

Estudo sobre a bula "Quo Primum Tempore"

ESTUDO DO PADRE RAYMOND DULAC SOBRE A BULA QUE PROMULGOU O MISSAL ROMANO
 
A primeira intenção do presente estudo era apenas a de oferecer uma tradução deste documento, que tem uma enorme importância e que no entanto ainda hoje é praticamente desconhecido dos fiéis e até mesmo de muitos padres. Quantos entre estes já o leram e estudaram?... Alguns não sabem nem onde o encontrar. Ora, sem mesmo lançar mão de grande bulário, basta abrir o Missal de uso litúrgico e nas primeiras páginas o encontrarão impresso, de modo aliás não muito agradável o que facilmente pode desencorajar o leitor: nem um só parágrafo num texto que ocupa três ou quatro colunas grandes!

Bula Quo Primum Tempore

O texto que apresentamos a seguir é a tradução da Bula Quo Primum Tempore, do Papa São Pio V, datada de 14 de julho de 1570. Poucos são os documentos pontifícios que apresentam tamanho vigor, clareza, determinação. E isso tudo, para proteger a Santa Missa dos ataques dos inimigos.

Feita na medida do nosso tempo, a Bula de São Pio V precisa ser conhecida por todos os fiéis empenhados no combate pela Tradição, pela Missa de sempre. Ela é nossa principal arma, mais do que uma arma, uma muralha protetora, inquebrantável, intransponível.
Por ser tal, sua leitura nos traz um aumento de convicções e de fé, nos preparando assim, para resistir aos ataques modernistas, à marginalização inevitável que sofremos, e que devemos saber oferecer, como sendo nosso martírio, nosso sangue derramado todos os dias.
Não foi por acaso que tivemos São Pio V para nos confortar com esta Bula; não foi por acaso que tivemos São Pio X, último Papa santo, que também nos protegeu do modernismo. Que eles intercedam por nós, hoje, para que não sejamos menos corajosos do que eles foram, e para que nosso combate nos sirva para a vida eterna.
 
Dom Lourenço Fleichman
 
 

Reportagem na Capela

Na quinta-feira 12 de julho de 2007, recebi na Capela N. Sra da Conceição a jornalista Natália von Korsch e a fotógrafa Sheila Guimarães, do Jornal Extra (Rio de Janeiro), as quais buscavam  informações sobre o Motu Proprio e as diferenças das duas missas. De um modo geral o trabalho apresentado pelo jornal no domingo 15 de julho é fiel à conversa que tivemos naquela manhã e queria agradecer às duas profissionais por isso. Veja abaixo o que de principal havia naquele jornal.

Jornal Extra – edição de domingo, 15 de julho de 2007

Natália von Korschr


POLÊMICA CATÓLICA EM LATIM

Tradicionais comemoram liberação das missas de Pio V, enquanto progressistas temem retrocesso

Foto de Sheila Guimarães

Carta do Superior Geral da Fraternidade São Pio X

FRATERNIDADE SACERDOTAL SÃO PIO X
Schwandegg
CH6313 MENZINGEN  -  SUIÇA
 
Caros fiéis,

Primeiras impressões sobre o Motu Proprio Summorum Pontificum

Como todos já sabem, o Papa Bento XVI num ato histórico, devolveu à missa de S. Pio V um lugar dentro da vida eclesial moderna. Não é ainda o lugar de direito, visto que ela é ainda considerada como "forma extraordiána" do rito Romano da Missa. Mas é, sem dúvida, um lugar de fato, que abre aos padres escrupulosos e que sofriam as pressões do episcopado para não celebrar a missa tridentina um caminho de liberdade que pode causar uma redescoberta do patrimônio litúrgico por milhares e milhares de fiéis.

Carta do Santo Padre Bento XVI aos bispos que acompanha o "motu proprio" Summorum Pontificum

Amados Irmãos no Episcopado,
       
Com grande confiança e esperança, coloco nas vossas mãos de Pastores o texto duma nova Carta Apostólica «Motu Proprio data» sobre o uso da liturgia romana anterior à reforma realizada em 1970. O documento é fruto de longas reflexões, múltiplas consultas e de oração.

Motu Proprio Summorum Pontificum

Os Sumos Pontífices sempre zelaram para que a Igreja de Cristo oferecesse à Majestade Divina um culto digno, “em louvor e para a glória do Seu nome” e “para o bem de toda a Sua Santa Igreja”.

Missa do vigésimo-quarto e último domingo depois de Pentecostes

Intróito. Jerem. 29, 11 – 12 e 14  Diz o Senhor: Eu tenho pensamentos de paz e não de aflição; invocar-Me-eis e escurarei a vossa oração e reconduzirei os vossos cativos de todos os lugares em que andam dispersos. Sl 84,2. Abençoastes, senhor, a Vossa terra e relegastes o cativeiro de Jacó. V. Glória ao Pai.

Missa do vigésimo-terceiro domingo depois de Pentecostes

Intróito. Jerem 29,11, 12 e 14.  Diz o Senhor: Eu tenho pensamentos de paz e não de aflição; invocar-Me-eis e escutarei a vossa oração: e reconduzirei os vossos cativos de todos os lugares em que andam dispersos. Sl. Abençoastes, Senhor, a Vossa terra e relegastes o cativeiro de Jacó. V. Glória ao Pai.

Missa do vigésimo-segundo domingo depois de Pentecostes

Intróito. Sl. 129, 3 - 4.   Se julgardes, Senhor, os nossos pecados, quem poderá resistir? Mas em Vós está a misericórdia e o perdão, ó Deus de Israel. (Sl Ibid, 1 –2) Do fundo do abismo, clamei por Vós, Senhor. Senhor, escutai a minha voz. V. Glória ao Pai.

AdaptiveThemes